Peças para o próximo leilão

917 Itens encontrados

Página:

  • BELO CACHEPO EM PORCELANA CHINA IMARI - EX COLEÇÃO CONDE GULHERME PRATES. DECORADO COM MUITAS FLORES E ELEMENTOS VEGETALISTAS REALÇADOS EM OURO. RESERVAS COM CENAS DE FIGURA FEMININA ENTRE JARDIM. MARCA SOB A  BASE . CHINA, SEC. XIX. 20 X 15 CM  NOTA: "Chinese Imari" é um estilo de decoração predominantemente com um esmalte vermelho ferroso destacado com dourado aplicado em porcelana azul e branca. Sua fonte imediata de inspiração é o japonês aka-e (pintura vermelha), mas pode ser rastreada até o chinês "Wanli wucai " imediatamente antes disso. Quando, durante a segunda metade do século XVII, devido à queda da dinastia Ming, a Companhia Holandesa das Índias Orientais (VOC) não podia mais exportar muito porcelana da China, eles se voltaram para o Japão como um fabricante alternativo de porcelana que iniciou o comércio de porcelana com o Japão. . Dos carregamentos de porcelana japonesa que foram feitos para os Países Baixos, alguns eram aka-e ou "pintados de vermelho", que levavam o nome "Imari" em porcelana, em parte, referindo-se a qualquer porcelana embarcada fora do porto de Imari, mas principalmente nas mentes das pessoas que se referem para esta decoração pintada de vermelho. Este estilo Imari foi muito bem sucedido na Europa. Depois que o comércio de porcelana chinesa reabriu para exportação em grande escala, eles copiaram o desenho "vermelho" japonês para se tornar uma família distinta de exportação. Frequentemente combinada com o esmalte castanho bastante popular entre os comerciantes holandeses. Este primeiro Imari chinês foi produzido no final do reinado do imperador chinês Kangxi (1662-1722) e permaneceu popular até meados do século XVIII. Como regra geral, as peças chinesas Imari são mais finamente envasadas, têm um esmalte mais fino e mais uniforme que os japoneses. Os esmaltes vermelhos são, em geral, mais finos e mais translúcidos do que os japoneses, que tendem a ser de um vermelho mais escuro. O azul sob o vidrado é geralmente mais brilhante e claro que o japonês.
  • LANGYAO HONG (OX BLOOD) FLOREIRO BALAÚSTRE EM PORCELANA DITA SANGUE DE BOI. BELA PEÇA DECORADA COM ESMALTE EM ÓXIDO DE FERRO UNIFORME E BRILHANTE. O ESMALTE VERMELHO MONOCROMÁTICO DITO LANGYAO HONG FOI MUITO EMPREGADO DURANTE OS PERÍODOS YONGZHENG (1723-1735) E QIANLONG (1736-1795). PEÇAS COM ESSE ESMALTE ERAM INICIALMENTE UTILIZADAS NAS BARCAS SACRIFICIAIS NO ALTAR DE SOL EM PEQUIM. TRATA-SE DE UM ESMALTE DE ALTA DIFICULDADE DE OBTENÇÃO PORQUE A TONALIDADE SE DEVE A OXIDAÇÃO DO FERRO A TEMPERATURA CONTROLADA. DURANTE UM LONGO PERÍODO ESSES SEGREDOS FORAM TÃO ESCONDIDOS QUE A ARTE ACABOU PERDIDA. O PROBLEMA É QUE O PIGMENTO DE VERMELHO INTENSO QUE DÁ O TRADICIONAL ASPECTO VIDRADO DESSAS PORCELANAS CONHECIDAS NO MUNDO OCIDENTAL COMO SANG DE BOEUF (SANGUE DE BOI) ERA FEITO A BASE DE CORAL E ÁGATA O QUE O TORNAVA EXTREMAMENTE CARO. O PRÓPRIO FABRICO ERA DELICADO, PRINCIPALMENTE QUANTO AO PROCESSO DE QUEIMA E A PORCELANA TINHA UMA MARGEM DE PERDA MUITO GRANDE E PASSOU A SER CONHECIDA COMO 100 PARA 1 (A CADA 100 PEÇAS SOMENTE UMA ERA APROVEITADA).CHINA, FINAL DO SEC. XIX. 30 CM DE ALTURA. NOTA:  Há 800 anos Marco Polo, trouxe da China para o ocidente a primeira peça de porcelana, um pequeno jarro verde acinzentado que está até hoje no tesouro da Basílica de São Marco em Veneza. Essa foi a semente da obsessão da Europa pelo Ouro Branco. No crepúsculo da DINASTIA MING, chegou à China em 1698 o Padre Jesuíta François Xavier d'Entrecolles. O declínio Ming sobreveio de uma crise causada pela corrupção, a exploração da classe dominante e desastres naturais durante anos sucessivos. Os rebeldes começaram a tomar o poder em algumas regiões e a dinastia chegou ao seu oficial fim com o suicídio do último imperador, Weizong. O poder passou então a nascente Dinastia Qing, que por 250 anos governou a China e sobre seu domínio a produção da porcelana Companhia das Indias atingiu seu apogeu em beleza e volume. Estima-se que 60 milhões de peças de porcelana foram exportadas para Europa nesse período. O Imperador QIANLONG governou o país por quase todo o sec. XVIII. Pouco antes do inicio desse grande reinado, ainda sob o período KANGSHI chegou a China o Padre DEntrecolles. Veio para salvar almas dos pagãos mas teve a sua própria alma arrebatada pela obsessão da porcelana. O ouro branco, encantou os europeus desde o primeiro leilão fruto da carga apreendida pelos holandeses de dois navios Portuguses. Era tão alto o preço da porcelana da China que um aparelho de jantar custava o equivalente ao valor de um pequeno palácio. Foi então que na Europa começou a busca da fórmula da composição e do processo para fabricação da porcelana. A princípio, julgaram que era feita a partir de conchas e casca de ovos moídos e tentaram reproduzir o efeito com esses matérias. Claro, tudo em vão porque a porcelana nada tinha a ver com esses elementos. O primeiro Imperador da Dinastia Qing foi Kangxi e este deu ordens de esconder, sob pena de morte, o processo de fabricação. O Padre DEntrecolles valeu-se dos chineses convertidos de Jingdezhen para descobrir aos poucos o processo. Um dia finalmente ele descobriu o segredo mais importante para obtenção da porcelana, em uma região remota chamada KAO-LING (COLINA ELEVADA) os chineses extraiam há séculos a argila chamada caulim que era o principal elemento constituinte da louça da China. O resto, as proporções, o modo de fazer, de decorar e a queima ele cuidou em aprender gradativamente. Em 1712 o Padre DEntrecolles escreveu para França relatando suas descobertas e descrevendo em minúcias o processo de fabricação. Dessa forma um segredo milenar foi revelado a Europa ensandecida pela porcelana e sua capacidade de trazer riquezas além de qualquer sonho aos homens. Paralelamente na Europa, Augusto II, chamado O FORTE, aprisionou em seu castelo um jovem aprendiz chamado BOTTEGER, que se gabava de ser alquimista, e o ameaçou de pena de morte se não conseguisse desvendar o processo para a fabricação. Cinco anos BOTTEGER esteve preso realizando experimentos sistemáticos até chegar por seu próprio mérito à fórmula da porcelana. Embora não tenha sido um método muito ortodoxo, funcionou. Surgiu a manufatura de Meissen. Nessa mesma época na China, LANG TINGJI, foi nomeado pelo Imperador KANGXI, supervisor de porcelana nos fornos de Jingdezhen. A intenção do Imperador era a de recriar as famosas porcelanas monocromáticas do período Ming do SEC. XIV. Os chineses tem essa particularidade, um respeitoso culto aos ancestrais e suas conquistas. Edmund de Waal em seu livro O Caminho da Porcelana: A jornada de Uma Obsessão (recomendo muitíssimo) referencia assim essa respeitosa paixão pela memória dos ancestrais: Esse pode ser o ano em que alguém encomenda a fabricação de turíbulos que se parecem muito com os turíbulos feitos há trezentos anos. Esses por sua vez foram feitos para aludir bronzes de 900 anos atrás. Assim a devoção atravessa os séculos e as gerações. LANG TINGJI era extremamente dedicado e mergulhou fundo na tarefa que lhe foi destinada. O problema é que o pigmento de vermelho intenso que dá o tradicional aspecto vidrado dessas porcelanas conhecidas no mundo ocidental como sang de boeuf (sangue de boi) era feito a base de coral e ágata o que o tornava extremamente caro. O próprio fabrico era delicado, principalmente quanto ao processo de queima e a porcelana que LANG TINGJI finalmente conseguiu reproduzir, tinha uma margem de perda muito grande e passou a ser conhecida como 100 para 1 (a cada 100 peças somente uma era aproveitada). Mas esse custo não desmotivou o imperador KANGXI afinal ele era o grande imperador iniciador da dinastia QING. Ele era um homem 100 para 1. Tamanho era esse custo de produção que gerou um ditado sobre a porcelana de LANG como ficou então conhecida, em homenagem a seu redescobridor: Quer ficar pobre? Faça porcelana de Lang. Hoje nós conhecemos essa produção como LANG YAO. DEntrecolles, Botteger e Lang, três homens trabalhando separadamente e com perseverança, sem se conhecer, com motivações e objetivos distintos, mudaram a história do mundo. A porcelana chinesa antiga ainda traz encantamento por sua beleza, sua coloração branca azulada e a magnífica decoração. Não por acaso, cada peça de porcelana Companhia das Índias que nos chega à mão é tratada com reverência e devoção não apenas por ser fruto do trabalho do oleiro que lhe deu forma e a decorou, mas por ser produto de 5000 anos de uma cultura extraordinária e única.
  • LINDO JARRÃO EM PORCELANA CHINESA NANJING DO SÉCULO XIX, CIRCA DE 1870.  ESMALTES ROUGE DE FEUR DO REINADO KANGXI (1654-1722). BORDA COM ARREMATES RUYI E CENAS COM PERSONAGENS EM SEU COTIDIANO.  FOI CONVERTIDO PARA LUMINÁRIA. ASSENTE SOBRE BASE EM MADEIRACHINA,  CIRCA DE 1870. 35 X 22 CM (SOMENTE O JARRO)
  • VASO DE PORCELANA CHINESA NANJING DO SÉCULO XIX, CIRCA DE 1870.  ASSINADOS SOB A BASE COM SELO DO SEC. XVII DO REINADO KANGXI (1654-1722). EM FORMA DE BALAÚSTRE DECORADO COM CENAS DA BATALHA DOS TRÊS REINOS REPRESENTANDO A LUTA ENTRE CAVALEIROS, UM DELES MONTA UM QILIM, TAMBÉM CENAS  PALÁCIO.  A GOLA É DECORADA COM PADRÃO RUYI E AS ALÇAS LATERAIS SÃO LINDAS ROMÃS. A GUERRA DOS CINCO REINOS É UM ROMANCE HISTÓRICO ESCRITO POR LUO GUANZHONG NO SEC. XIV. A OBRA RETRATA OS ANOS TURBULENTOS DO FIM DA DINASTIA HAN E DA ERA DOS TRÊS REINOS DA CHINA, COMEÇANDO EM 169 E TERMINANDO COM A REUNIFICAÇÃO DO REINO EM 280. CHINA,  CIRCA DE 1870, 46 CM DE ALTURA.NOTA: Qilin é uma criatura quimérica da mitologia chinesa e do Leste Asiático como um todo, a qual simboliza bons presságios. Os machos são Qi e as fêmeas, Lin.Assim como a Dança do Dragão e do Leão, o Qilin também é apresentado em rituais e épocas festivas, como o ano-novo chinês ou a inauguração de uma loja, para afastar espíritos malignos e trazer boa sorte. É um dos quatro animais benevolentes juntamente com o pássaro Fenghuang, a tartaruga negra e o dragão.Possui cabeça de dragão, cascos de cavalo, corpo de cervo, cauda de touro, dorso de penugem colorida, ventre de pelos amarelos, boca que cospe fogo e voz de trovão. Diz-se que sua aparição ocorre apenas em épocas de paz e prosperidade, de surgimento de um homem santo ou de um ilustre governante no mundo Acredita-se que um Qilin possa viver até dois mil anos. De temperamento calmo, apesar de possuir meios de atacar seus oponentes, não machuca seres humanos nem animais, não pisa sobre insetos ou gramíneas 2 e sequer se alimenta de vegetais vivos.3 Por isso, também é conhecido como o animal misericordioso (em chinês.Qilin é uma criatura encantadora por sua caridade, generosidade e grande respeito à vida. Ele tem uma enorme compaixão pelos jovens e puros de coração, não tolerando aqueles que abusem destes. Ele nunca irá tirar a vida de um inocente e também os protegerá de qualquer ameaça, tornando um protetor implacável cuspindo fogo, entre outras habilidades que são contadas de conto pra conto. É dito também que o Qilin só aparece em regiões que são governadas por pessoas benéficas ou virtuosas. Sua rara aparição só se dá diante daqueles que respeitam a vida tanto quanto ele.Outras curiosidades sobre o Qilin é que ele fala facilmente o idioma humano, podendo ter telepatia, de acordo com alguns, por saber quando estão dizendo a verdade ou não. São constantemente associados aos dragões orientais, pois possuem grande poder. São criaturas tão livres que não podem ser domadas por nenhum outro ser e acabam por se matar, caso sejam presas ou dominadas, logo após um surto de fúria.
  • BARÃO DE MIRANDA  JÚLIO DE MIRANDA E SILVA (1839-1901). LINDO PRATO EM PORCELANA COM MARCAS DO ATELIER DE CHARLES E THEODORE HAVILAND, DECORAÇÃO DE LOUIS CHANUT RUE TRONCHET, PARIS. ABA MOVIMENTADA EM BOLEADO PROFUSAMENTE DECORADA COM FLORES EM DOURADO E VERDE ÁGUA A MIM SEMPRE TROUXERAM A SENSAÇÃO DE PADRÃO DE  PELAGEM DE LEOPARDO. EM RESERVA LINDO BRASÃO SOB CORONEL DE BARÃO, COM SUPORTES EM LEÕES RAMPANTENS, ESCUDO ESQUARTELADO E LEMA HOMINEM LABOR HONORAT  O TRABALHO HONRA O HOMEM. O LEMA REFORÇA O QUATRO QUARTEL DO ESCUDO ONDE ESTÁ REPRESENTADA UMA COLMÉIA DE ABELHAS EM OURO, QUE EM HERÁLDICA REPRESENTA LABORIOSA ATIVIDADE. TAMBÉM DOS MAIS BELOS EXEMPLARES DA PORCELANA DA NOBREZA BRASILEIRA, INCLUSIVE É REPRODUZIDO NA CONTRA CAPA DO LIVRO DE JENNY DREYFUS, LOUÇA DA ARISTROCRACIA NO BRASIL. TAMBÉM CONSTA NA PÁGINA 287 DO LIVRO. FRANÇA, 23 CM DE DIAMETRO.NOTA: Julio de Miranda e Silva. BARÃO DE MIRANDA. CRIAÇÃO DO TITULO: Barão por decreto de 7 de Outubro de 1883. Nascido a 17 de julho de 1839 em São Gonçalo, Rio de Janeiro, e falecido a 26 de maio de 1901 em Campos, Rio de Janeiro. Fazendeiro. Casou-se em primeiras núpcias com Maria Elisa Batista, falecida a 11 de agosto de 1894 no Rio de Janeiro, viúva de João Ferreira Tinoco e filha de Julião Batista Pereira de Almeida, 1® Baronesa de Miranda - sem sucessão. Casou-se a segunda vez com Cândida de Paiva Monteiro, 2® Baronesa de Miranda - com geração. Provedor da Sta Casa em 1893 a 1896 - Filho dos Barões de São José - casou-se em 2® núpcias com Candida de Paiva Monteiro, 2® Baronesa d eMiranda em 1896 e tiveram os filhos, João, Candida, Cimodece e José Julio - construiu com madeira vinda de Campos uma casa em Poços de Caldas na rua Amazonas 149.
  • CIA DAS INDIAS - MONUMENENTAL JARRÃO EM PORCELANA EM ESMALTES AZUIS UNDERGLAZE RETATANDO CENAS DE COTIDIANO COM PERSONAGENS EM MEIO A VEGETAÇÃO, CASAS, CENAS LACUSTRES COM PONTES. A RESERVA É EMOLDURADA POR DECORAÇÃO COM FLORES E RAMAGENS.A TAMPA TEM GRANDE FIGURA DE CÃO DE FÓ A GUIZA DE PEGA. CHINA, FINAL DO SEC. XIX, INICIO DO SEC. XX. 71 X 30 CMNOTA:NOTA: Os Cães de Fó são os antigos guardiões dos templos budistas, segundo essa filosofia, são divindades ligadas a proteção e participaram da criação do mundo. A associação entre esses cães e Buda é de grande significado. Os Cães de Fó têm a aparência de um leão. O nome dado a esses guardiões é originário da China. Em chinês antigo a palavra Buda é Fó, que levou ao título original, "Cão de Fó". Os Cães de Fó podem ser encontrados já a partir da Dinastia Han. Sua primeira aparição foi na arte chinesa, que remonta a cerca de 208 aC a 221 dC. Especula-se se que os primeiros leões foram levados a China vindos da África e oriente médio, como eram mortos para serem levados os chineses enxergavam os grandes animais como criaturas dóceis e os associavam pela nobreza e tamanho a nobres protetores. Buda foi algumas vezes retratado nas costas da grande besta, mas é mais comum encontrarmos os Cães de Fó exibidos em uma poderosa posição de guarda. A criatura é normalmente apresentada segurando uma lança na sua pata. Esta foi a representação encontrada para desencorajar eventuais demônios e maus espíritos a adentrar os recintos e lugares que guardavam. Os Cães de Fó se apresentam de muitas formas, tamanhos, materiais diferentes, e cores. Seus rostos têm um ar brincalhão, e quase diabólico é seu olhar; seus olhos estão abertos normalmente com uma pequena mancha no meio. Este aspecto ameaçador é o que dá a idéia de proteção contra maus espíritos. É importante ressaltar que o Cão de Fó também é conhecido como o Cão Celestial, e o Cão da Felicidade. O animal é um símbolo de energia e de valor, e é muitas vezes, a maioria delas, representado em casal. O masculino tem aos pés uma bola que simboliza o mundo, enquanto que o feminino se ocupa de um filhote.
  • CIA DAS INDIAS GRANDIOSO  JARRÃO  EM PORCELANA COM ESMALTES EM AZUL UNDERGLAZE APRESENTANDO GRANDE DRAGÃO ENRODILHADO A VOLTA DE TODO JARRO. OS ESMALTES SÃO DO PERÍODO QIANONG MAS TRATA-SE DE UMA PEÇA DA SEGUNDA  METADE DO SEC. XIX COMO ERAM COMUM A TRADIÇÃO DA PRODUÇÃO DE PORCELANA CHINESA QUE REPETIA AS MARCAS E OS MODELOS EM HONRA AOS ANTEPASSADOS. CHINA, SEGUNDA METADE DO SEC. XIX.  49 X 29 CM.NOTA: SOBRE AS MARCAS APÓCRIFAS NA ARTE CHINESA: ZHOU DUNYI escreveu no séc. XVI: As dez mil coisas são produzidas e reproduzidas de modo que as variações e as transformações não tem fim... Essa pode bem ser a síntese do pensamento chinês, a repetição infinita. Assim nos diversos períodos históricos artífices chineses reproduziram com perfeição objetos artísticos de outras eras em honra aos antepassados. Essa capacidade e cultura persiste até os dias de hoje.
  • CIA DAS INDIAS  GRANDIOSO  JARRÃO  EM PORCELANA COM ESMALTES DA FAMILIA VERTE. DE MUITO GRANDE DIMENSÃO ESSE MAGNIFICO JARRÃO É DECORADO COM CURIOSA REPRESENTANÇÃO DE CRIANÇAS TOMANDO BANHO. HÁ UMA TINA ONDE UM MENINO ESTÁ SE BANHANDO ESFREGANDO AS COSTAS ENQUANTO OUTRA CRIANÇA O ABANA, HÁ TAMBÉM  OUTRA GRANDE TINA ONDE SE VÊEM OS PÉS, PERNAS E NÁDEGAS DE OUTRA CRIANÇA QUE ESTA DE CABEÇA PARA BAIXO DENTRO DA TINA. NO  TERÇO SUPERIOR UM LARGO BARRADO COM PÁSSAROS PERNALTAS. MUITAS FLORES COMPLETAM A DECORAÇÃO. TEM MARCAS DA REINADO YONGZHENG (1722-1735)  ENTRETANTO TRATA-SE DE UMA PEÇA DA PRIMEIRA METADE DO SEC. XIX COMO ERAM COMUM A TRADIÇÃO DA PRODUÇÃO DE PORCELANA CHINESA QUE REPETIA AS MARCAS E OS MODELOS PARA HONRAR OS ANTEPASSADOS. CHINA, PRIMEIRA METADE DO SEC. XX.  45 X 29 CM.
  • LINDO TAPETE PERSA DE EXCEPCIONAL QUALIDADE COM EXUBERANTE E RARA DECORAÇÃO. COMPÕE O DESENHO ANIMAIS, PÁSSAROS E RESERVA COM MESQUITA E BULES DE CHÁ. POUCAS VEZES SE VERÁ TAPETE TÃO BONITO  E TÃO REPRESENTATIVO DA MELHOR DECORAÇAO DE TAPETES ORIENTAIS. QUEM URDIU ESSA TRAMA ERA UM ARTIFICE DOS MELHORES, ALTA DENSIDADE DE NÓS ALIADAS A TRAÇOS PERFEITOS E FORMAS DEFINIDAS. AS CORES SÃO BELISSIMAS. ESSE COMO OUTROS TAPETES DO LEILÃO FORAM ADQUIRIDOS POR UM EXIGENTE COLECIONADOR QUE DESDE MEADOS DO SEC. XX AMEALHOU PEÇAS INCRIVEIS E INTERESSANTES SEMPRE COM O CRITÉRIO NORTEADOR DE QUALIDADE E PADRONAGEM FORA DO COMUM. EXCELENTES CONDIÇÕES! PÉRSIA, 315  X 206 CM
  • BRASIL PERÍODO DOM PEDRO II (SEGUNDO IMPÉRIO)  - RARA PISTOLA DE PEDERNEIRA BARNETT CALIBRE 17.3MM UTILIZADA PELAS TROPAS BRASILEIRAS POR VOLTA DO ANO DE 1835. COM GRAVAÇÃO DE COROA IMPERIAL MODELO DOM PEDRO II. A INSCRIÇÃO PEDRO II JUNTO A COROA DENOTA SER ESTE JÁ UM EXEMPLAR ADQUIRIDO PELO GOVERNO PÓS MAIORIDADE PARA O ARSENAL DA CORTE. DAS PEDERNEIRAS DO EXÉRCITO IMPERIAL ESTA É A MAIS DIFÍCIL DE ENCONTRAR POR CONTA DO NÚMERO REDUZIDO DE PEÇAS IMPORTADAS. BELISSIMA DIGNA DE MUSEU! EM ÓTIMO ESTADO! INGLATERRA, PRIMEIRA METADE DO SEC. XIX. 42 CM DE COMPRIMENTO. (COMERCIALIZAÇÃO LEGAL A PARTIR DO DISPOST0 NO art. 3º, inciso XXI do Decreto nº 3.665/2000  Regulamento para a Fiscalização de Produtos Controlados), entende-se por arma obsoleta:XXI  arma de fogo obsoleta: arma de fogo quenão se presta mais ao uso normal,devido a sua munição e elementos demunição não serem mais fabricados,por ser ela própria de fabricação muito antiga ou de modelo muito antigo e fora de uso; pela sua obsolescência,presta-se mais a ser considerada relíquia ou a constituir peça de coleção)
  • MAGNIFICA PISTOLA DE PEDERNEIRA DE GRANDE DIMENSÃO. COMPLETA ATÉ A PEDRA DE SILIX. A EXTREMIDADE TEM BELO ARREMATE COM CARA DE LEÃO. UMA ARMA MUITO ORIGNAL E EM ÓTIMO ESTADO! EUROPA, FINAL DO SEC. XVIII OU INICIO DO XIX. 55 CM DE COMPRIMENTO
  • RARISSIMA PISTOLA DE PEDERNEIRA MILITAR BRITÂNICA DO PERÍODO NAPOLEONICO. MARCADA NO PLACA LATERAL PRÓXIMA AO CÃO COM UMA COROA SOBRE GR (GEORGE REX) E TAMBÉM NO FINAL DA PLACA A PALAVRA TOWER INDICANDO QUE FOI FABRICADA NO ARSENAL DA TORRE DE LONDRES NO REINADO DE GEORGE II EM TORNO DO ANO DE 1800. GEORGE III FOI REI DA INGLATERRA DE 1760 ATÉ 1820, ANO DE SUA MORTE. FOI MONARCA DURANTE ALGUNS DOS ANOS MAIS TURBULENTOS DA HISTÓRIA MILITAR INGLESA. COM A GUERRA CONTRA AS COLÔNIAS INSURGENTES NA AMÉRICA (ESTADOS UNIDOS) E A GUERRA PENINSULAR CONTRA NAPOLEÃO BONAPARTE. ESSA ERA UMA ARMA DE OFICIAL. TOTALMENTE CONSTRUÍDA EM NOGUEIRA COM UMA VARETA DE AÇO GIRATÓRIA PADRÃO MILITAR, TAMPA DE BRONZE, PLACA LATERAL E GUARDA-MATO. CANO DE AÇO DE 9 POLEGADAS COM MARCAS DE PROVA britânicas. ARMAS DE OFICIAIS COMO ESSA PRODUZIDAS NO ARSENAL DA TORRE DE LONDRES SÃO COMERCIALIZADAS POR PREÇOS BASTANTE ELEVADOS NA INGLATERRA. LONDRES, CIRCA DE 1800. 40 CM DE COMPRIMENTO
  • IMPERIO OTOMANO - GRANDE PISTOLA DE PEDERNEIRA LONGA EUROPÉIA DECORADA EM BRONZE COM ELEMENTOS GENTÍLICOS. TRABALHO TRIBAL BARBERE.  BELISSIMA FORNITURE DO INICIO DO SEC. XIX.  60 CM DE COMPRIMENTO.
  • PISTOLA DE PEDERNEIRA EUROPÉIA DECORADA EM PRATA DE LEI COM CONTRASTES DO IMPÉRIO OTOMANO, FINAL DO SEC. XVIII OU INICIO DO SEC. XIX. TODO O CANO FOI INCRUSTRADO EM PRATA DE LEI GENTÍLICA ASSIM COMO UM ESCUDO FOI INCRUSTRADO NA CORONHA. GUARDA MATO EM PRARA DE LEI ASSIM COMO A EXTREMIDADE DA CORONHA E OE ENFEITES LATERAIS.  A OURIVESARIA APLICADA A ARMAS OTOMANAS É UMA TRADIÇÃO QUE REMONTA AO SEC. XVII, SEMPRE COM MOTIVOS VEGETALISTAS TAIS ADEREÇOS ACRESCIDOS EM ARMAS DE FABRICAÇÃO EUROPÉIA. CHAME-SE A ESSE TRABALHO PRATA GENTÍLICA. PEÇA LUXUOSA DE COLECIONISMO INTERNACIONAL.  FINAL DO SEC. XVIII OU INICIO DO SEC. XIX. 46 CM DE COMPRIMENTO.
  • BACCARAT  ELEGANTE FLOREIRO EM METAL ESPESSURADO A PRATA QUE  ELEVANDO SEIS SEIS FLOREIROS EM CRISTAL DE BACCARAT COM FEITIO DE CORNETAS. PEÇA MAGNIFICA! FRANÇA, SEC. XIX. 35 CM DE ALTURA
  • MARQUÊS DE ITANHAEM, MANUEL INÁCIO DE ANDRADE SOUTO MAIOR PINTO COELHO   LINDO CONJUNTO COM QUATRO XÍCARAS PARA CAFÉ.  OS PIRES TEM ABA DECORADA COM GUIRLANDAS DE FLORES E FITAS ROSE. BORDA RECORTADA REMATADA EM OURO. CALDEIRA COM INTRICADA GUIRLANDA EM OURO. AS XÍCARAS TEM A MESMA DECORAÇÃO E NO INTERIOR RICA ROSÁCEA EM OURO. UM RESQUÍCIO DA REQUINTADA FRANÇA DOS BOURBON NO SEC. XVIII.  ANTES DA REVOLUÇÃO FRANCESA. ESSE SERVIÇO PERTENCEU AO MARQUÊS DE ITANHAEM, MANUEL INÁCIO DE ANDRADE SOUTO MAIOR PINTO COELHO. MARCAS DA FÁBRIA DE HANNONG PERIODO DE PIERRE-ANTOINNE HANNONG (1739-1794) FRANÇA, SEC. XVIII. 12 CM DE DIAMETRO (PIRES) NOTA: Foi no ocidente que a história do café ganhou o seu charme, pois a sua chegada na Europa foi marcada por embates políticos e e romantizada em uma das composições de Bach. A bebida chegou em 1615, em Veneza, por Botteghe del Caffè, um dos pontos responsáveis pela propagação das técnicas de torra e moagem do café. Tratada como especiaria e artigo de luxo, a semente negra teve muitos entraves até a sua popularização no lado europeu.Associada à música e a encontros sociais, a nova droga do oriente desagradou os religiosos. Na época, a Europa vivia conflitos como, a Contra-Reforma, que queria consolidar novamente o cristianismo católico. Por ser uma bebida de país muçulmano, o café era considerado herege. Para tentar amenizar os embates, o Papa Clemente VIII (1536-1605) até propôs que a bebida fosse batizada com o intuito de torná-la cristã.Os questionamentos controversos, sobre a planta serviram de  inspiração para Johann Sebastian Bach. Como resultado, pela admiração ao café, o músico compôs, em 1732, a Cantata do Café.  Alegre e fora dos padrões religiosos, a composição apresenta uma história de amor, que exalta as qualidades da bebida. O aumento do consumo do café teve também restrições mercantis, afinal, os comerciantes de vinho e queijo, acreditavam que a bebida era uma concorrente que atrapalharia suas negociações.  Quando o café chegou na Prússia, o rei Frederico, o Grande (1712-1786), também  tentou impedir. No entanto, ele percebeu rapidamente que poderia tirar proveitos da popularidade da bebida. Ele, então, criou planos  ambiciosos que visavam a monopolização do comércio do produto na região. Uma das metas estabelecidas era  ter uma produção da planta no país. Felizmente, os esforços que se opunham a popularização da bebida foram em vão. Por volta do séc. XVII, conforme florescia o Iluminismo e se planejava a Revolução Francesa, as cafeterias começaram a se desenvolver, juntamente com os ideais que transformariam o período. Assim, a história do café começava a ganhar forma.
  • MARQUÊS DE ITANHAEM, MANUEL INÁCIO DE ANDRADE SOUTO MAIOR PINTO COELHO  FAUSTOSO STAND PARA DOCES EM PORCELANA ESTILO E ÉPOCA LOUIS XVI. ABA DECORADA COM GUIRLANDAS DE FLORES E FITAS ROSE. BORDA RECORTADA REMATADA EM OURO. CALDEIRA COM INTRICADA GUIRLANDA EM OURO. RESERVA COM LUXURIANTES FLORES E RAMAGENS. UM RESQUÍCIO DA REQUINTADA FRANÇA DOS BOURBON NO SEC. XVIII.  ANTES DA REVOLUÇÃO FRANCESA. ESSE SERVIÇO PERTENCEU AO MARQUÊS DE ITANHAEM, MANUEL INÁCIO DE ANDRADE SOUTO MAIOR PINTO COELHO. MARCAS DA FÁBRIA DE HANNONG PERIODO DE PIERRE-ANTOINNE HANNONG (1739-1794) FRANÇA, SEC. XVIII. 22 CM DE DIAMETRO
  • MARQUÊS DE ITANHAEM, MANUEL INÁCIO DE ANDRADE SOUTO MAIOR PINTO COELHO   LINDO CONJUNTO COM QUATRO XÍCARAS PARA CHÁ.  OS PIRES TEM ABA DECORADA COM GUIRLANDAS DE FLORES E FITAS ROSE. BORDA RECORTADA REMATADA EM OURO. CALDEIRA COM INTRICADA GUIRLANDA EM OURO. AS XÍCARAS TEM A MESMA DECORAÇÃO E NO INTERIOR RICA ROSÁCEA EM OURO. UM RESQUÍCIO DA REQUINTADA FRANÇA DOS BOURBON NO SEC. XVIII.  ANTES DA REVOLUÇÃO FRANCESA. ESSE SERVIÇO PERTENCEU AO MARQUÊS DE ITANHAEM, MANUEL INÁCIO DE ANDRADE SOUTO MAIOR PINTO COELHO. MARCAS DA FÁBRIA DE HANNONG PERIODO DE PIERRE-ANTOINNE HANNONG (1739-1794) FRANÇA, SEC. XVIII. 14 CM DE DIAMETRO (PIRES)NOTA: O chá, que tem origem oriental, era inicialmente servido em potes redondos, sem alças. Segundo a tradição, isso era até mesmo um alerta para quem conduzia a cerimônia da bebida: Caso o recipiente queimasse as pontas dos dedos, estava quente demais para ser ingerido. Na temperatura ideal, ela não incomodava, mesmo com o contato direto com a porcelana. Ao chegar à Europa, o chá fez grande sucesso e era um produto caro, de consumo exclusivo de nobres que também importavam a louça da China. Ao se popularizar entre os mais abastados, passou a ser servido em copos de prata, o que logo se tornou um problema: O metal transmitia calor muito rápido, e acabava por queimar os dedos. Para resolver a questão, o arquiteto inglês Robert Adam sugeriu ao amigo ceramista Josiah Wedgwood colocar alças nas tigelas e copos. Foi então criada a primeira xícara, em 1750. Wedgwood criou uma fábrica em 1759 e até hoje a marca é referência na fabricação de peças de porcelana.Apesar de a invenção ser creditada aos ingleses, estudos e análises indicam que os gregos já possuíam um protótipo de xícara há dois mil anos. Entre os povos pré-colombianos da América, também existiram registros de itens semelhantes a tigelas com alças.
  • MARQUÊS DE ITANHAEM, MANUEL INÁCIO DE ANDRADE SOUTO MAIOR PINTO COELHO  FAUSTOSO STAND PARA BOLOS EM PORCELANA ESTILO E ÉPOCA LOUIS XVI. ABA DECORADA COM GUIRLANDAS DE FLORES E FITAS ROSE. BORDA RECORTADA REMATADA EM OURO. CALDEIRA COM INTRICADA GUIRLANDA EM OURO. RESERVA COM LUXURIANTES FLORES E RAMAGENS. UM RESQUÍCIO DA REQUINTADA FRANÇA DOS BOURBON NO SEC. XVIII.  ANTES DA REVOLUÇÃO FRANCESA. ESSE SERVIÇO PERTENCEU AO MARQUÊS DE ITANHAEM, MANUEL INÁCIO DE ANDRADE SOUTO MAIOR PINTO COELHO. MARCAS DA FÁBRIA DE HANNONG PERIODO DE PIERRE-ANTOINNE HANNONG (1739-1794) FRANÇA, SEC. XVIII. 23 CM DE DIAMETRO
  • PRECIOSO CONJUNTO COM QUATRO PRATOS PARA DOCES EM PORCELANA ESTILO E ÉPOCA LOUIS XVI. ABA DECORADA COM GUIRLANDAS DE FLORES E FITAS ROSE. BORDA RECORTADA REMATADA EM OURO. CALDEIRA COM INTRICADA GUIRLANDA EM OURO. RESERVA COM LUXURIANTES FLORES E RAMAGENS. POUCAS VEZES SE VERÁ PRATOS TÃO BELOS QUANTO ESSES. UM RESQUÍCIO DA REQUINTADA FRANÇA DOS BOURBON NO SEC. XVIII.  ANTES DA REVOLUÇÃO FRANCESA. ESSE SERVIÇO PERTENCEU AO MARQUÊS DE ITANHAEM, Manuel Inácio de Andrade Souto Maior Pinto CoelhO. FRANÇA, SEC. XVIII. 22,5 CM DE DIAMETRONOTA: NOTA: A Fábrica de porcelana de pasta dura fundada em 1772 por Pierre-Antoine Hannong (de 1739 a partir de 1794) com apoio financeiro de Louis-Victor de Fusée, conde de Voisenon e Claude-Martin Dormoy, e mais tarde Mathieu Louis Armand, marquês d'Usson e Jacques-Pascal Barrachin foi precursora da porcelana na França. Hannong partiu em 1774 deixando a fábrica fortemente endividada e Balthazard Byeller tornou-se gerente. A produção continuou sob os sucessores de Hannong até 1779, quando a fábrica ficou sob a proteção do conde d'Artois (ver entrada separada). Uma marca de fábrica com 'H' maiúsculo foi registrada em 1773 e alguns utensílios de chá pintados em cores são marcados com 'h' pintado sob o vidrado. Ver Dawson 1994 pp.335-6 para mais detalhes sobre a fábrica e seus trabalhadores, alguns dos quais foram recrutados de outros países e fábricas.

917 Itens encontrados

Página: