Peças para o próximo leilão

875 Itens encontrados

Página:

  • PALACETE PRATES - JANELA EM PINHO DE RIGA COM GUARNIÇÃO  EM FERRO ESTILO ART DECO E VIDRO ARTÍSTICO. 180 X 60 CM
  • CONFORTÁVEL CONJUNTO DE ESTOFADOS DOTADO DE DUAS POLTRONAS E UMA CHASE LONG. ESTILO E ÉPOCA ART DECO.MUITO BOM ESTADO DE CONSERVAÇÃO.  ASSENTO COM SISTEMA DE FECHO DE MOLAS. FORRADOS EM COURO ECOLÓGICO NA TONALIDADE VERDE. PRIMEIRA METADE DO SEC. XX
  • ANTIGA SALAMANDRA EM FERRO COM FUNCIONAMENTO A CARVÃO. EUROPA, INICIO DO SEC. XX. 75 X 35 CM
  • MEIA ALIANÇA EM OURO 18K COM DIAMANTES . ARO 14 0,72 G
  • CARTIER - ISQUEIRO EM METAL ESPESSURADO A PRATA. FEITIO CANELADO.  MARCAS DA MANUFATURA CARTIER E FABRICAÇÃO NO JAPÃO. ACONDICIONADO E M ESTOJO ORIGINAL .6 CM DE ALTURA
  • CARTIER - ISQUEIRO EM METAL ESPESSURADO A PRATA. FEITIO CANELADO. ACONDICIONADO E M ESTOJO ORIGINAL .7 CM DE ALTURA
  • CAPA PARA AGENDA EM JACARANDA COM TREMIDOS E INCRUSTRAÇÃO DE PRATA DE LEI COM O BRASÃO DO REINO DE PORTUGAL. INICIO DO SEC. XX. 23 X 15 CM
  • MARQUÊS DE TRÊS RIOS -  JOAQUIM EGYDIO DE SOUZA ARANHA PRIMEIRO SERVIÇO DO TITULAR AINDA COMO BARÃO. É RARISSIMA. TRAVESSA EM PORCELANA DA MANUFATURA DE WILLIAM MONTLOECK & SONS. DECORADO COM BARRADO VERDE NA ABA, PRECEDIDO POR FITA EM OURO DE FEITIO HELICOIDAL. NA PARTE SUPERIOR TAMBÉM NA ABA, FLÂMULA EM VERDE SOB COROA, CONTENDO A LEGENDA BARÃO DE TRÊS RIOS. PERTENCEU AO SERVIÇO DE JOAQUIM EGYDIO DE SOUZA ARANHA. ESSE PRIMEIRO SERVIÇO É IDÊNTICO AO ENCOMENDADO POR SUA MÃE A VISCONDESSA DE CAMPINAS DONA MARIA LUZIA DE SOUZA ARANHA (1797-1879) O QUE FAZ SUPOR QUE TRATA-SE DE UMA MESMA ENCOMENDA. NATURALMENTE O DA MÃE TEM INSCRIÇÃO BARONESA DE CAMPINAS E O DO TITULAR BARÃO DE TRÊS RIOS. AMBOS ASCEDERIAM APÓS A ENCOMENDA DESSA LOUÇA A TITULOS MAIS IMPORTANTES DE NOBREZA. DONA MARIA LUZIA RECEBEU O TITULO DE 2. BARONESA DE CAMPINAS EM 1875 E TORNOU-SE VISCONDESSA DE CAMPINAS EM 1879. JOAQUIM EGYDIO DE SOUZA ARANHA FOI BARÃO DE TRÊS RIOS EM 1872, VISCONDE EM 1879, CONDE EM 1880 E MARQUES EM 1887. REPRODUZIDO A PÁGINA 336 DO LIVRO LOUÇA DA ARISTOCRACIA NO BRASIL, POR JENNY DREYFUS. INGLATERRA, SÉC. XIX. 32 CM DE COMPRIMENTO . NOTA: Joaquim Egídio de Sousa Aranha, primeiro e único barão, conde, visconde e marquês de Três Rios, (Campinas, 19 de março de 1821 São Paulo, 19 de maio de 1893) foi um proprietário rural, cafeicultor e político brasileiro. Em 1876, passou a residir em São Paulo. Membro proeminente do Partido Liberal, o qual chefiou, tendo sido eleito vereador à Câmara Municipal de Campinas, nos triênios de 1849 a 1852, 1857 a 1860 e 1873 a 1876, presidindo a edilidade nesta última legislatura. Eleito por diversas vezes deputado provincial por São Paulo, tendo ocupado a presidência da Província de São Paulo por três períodos, de 7 de dezembro de 1878 a 12 de fevereiro de 1879, de 4 de março a 7 de abril de 1881, e de 5 de novembro de 1881 a 7 de janeiro de 1882. Filho de Francisco Egídio de Sousa Aranha e de sua prima Maria Luzia de Sousa Aranha, viscondessa de Campinas, proprietários (por herança de Joaquim Aranha Barreto de Camargo) do Engenho e Fazenda Mato Dentro, antiga Sesmaria em Campinas. Irmão gêmeo do tenente-coronel José Egídio de Sousa Aranha (que foi casado em primeiras núpcias com Maria Luísa Pereira de Queirós, e em segundas, com Antonia Flora Pereira de Queirós tendo recusado o título de barão de Campinas que lhe foi oferecido). Foi também irmão de Ana Teresa de Sousa Aranha, que foi casada com seu primo Manuel Carlos Aranha, Barão de Anhumas, não tendo se tornado baronesa consorte de Anhumas, por ter falecido antes da concessão do título, tendo sido a baronesa a segunda esposa, Blandina Augusta de Queirós Aranha Também foi sua irmã, Libânia de Sousa Aranha, que foi casada com seu primo Joaquim Policarpo Aranha, barão de Itapura. Casou-se em primeiras núpcias, em 30 de novembro de 1842, com Ana Francisca de Pontes (viúva do capitão Antônio José da Silva), nascida em Campinas, em 1822 onde faleceu em 16 de agosto de 1875, sendo filha de José Pereira de Pontes e Cecília Barbosa de Almeida. Casou-se em segundas núpcias, em São Paulo, em 19 de fevereiro de 1876, com Maria Hipólita dos Santos Silva, nascida em 2 de janeiro de 1824 e falecida em 19 de outubro de 1894, viúva de Amador Rodrigues de Lacerda Jordão, barão de São João do Rio Claro, e filha de José Joaquim dos Santos Silva, barão de Itapetininga. Faleceu o Marquês de Três Rios a 19 de maio de 1893, em São Paulo, sendo sepultado no Cemitério do S.S. Sacramento. A Marquesa pouco tempo sobreviveu ao marido, pois, também faleceu na Capital do Estado, sendo sepultada no Cemitério da Consolação, não deixando geração. Deixou o Marquês uma das maiores fortunas de São Paulo em seu tempo.
  • MING SANCAI (1368 DC a 1644 DC)   EX COLEÇÃO DA ESCULTORA SURREALISTA MARIA MARTINS   PRECIOSO AZULEJO ESCULTURA/ARREMATE DE CUMEEIRAL VIDRADO COM FEITIO DE CARPA. COM ESMALTES AMBAR, VERDE E PALHA. O PEIXE É APRESENTADO COM SEU DORSO PARA BAIXO APOIADO SOB  UM PLATEAU DECORADO COM MOVIMENTO DE ONDAS. POSSUI UMA CAVIDADE SUPERIOR REVESTIDA EM ESMALTE ÂMBAR COM SAÍDA PELA BOCA DO ANIMAL. ESTA PEÇA. PERTENCEU A SURREALISTA MARIA MARTINS QUE A ADQUIRIU NA DEC. DE 1930 QUANDO SERVIU COMO EMBAIXATRIZ NO ORIENTE JUNTO AO SEU MARIDO, O EMBAIXADOR CARLOS MARTINS. OS AZULEJOS ESCULTURAIS VIDRADOS SÃO HOJE CONSIDERADOS UMA DAS MARCAS DA ARQUITETURA CLÁSSICA CHINESA. NO ENTANTO, APESAR DA SUA POPULARIDADE NOS TEMPOS MODERNOS, ERAM RELATIVAMENTE ESCASSOS ATÉ DEPOIS DO FIM DA DINASTIA TANG. MESMO ASSIM, DURANTE AS DINASTIAS SONG E YUAN, ELES AINDA ERAM USADOS COM POUCA FREQUÊNCIA. FOI SOMENTE COM O SURGIMENTO DA DINASTIA MING QUE OS AZULEJOS ESCULTURAIS VIDRADOS SE TORNARAM UM DISPOSITIVO DECORATIVO POPULAR AMPLAMENTE EMPREGADO EM TEMPLOS, ALTARES, PALÁCIOS IMPERIAIS E JARDINS. PEQUIM TORNOU-SE O CENTRO DA PRODUÇÃO DE AZULEJOS ARQUITETÔNICOS DURANTE O PERÍODO MING, E PAGODES COM DECORAÇÕES COLORIDAS COMEÇARAM A SURGIR EM TORNO DESTA REGIÃO. OS BEIRAIS E AS ENTRADAS ERAM DECORADOS COM ESCULTURAS VIBRANTES QUE SERVIAM TANTO PARA FINS DECORATIVOS COMO, POR VEZES, RELIGIOSOS. EM TEMPLOS E PALÁCIOS,ESTA FANTÁSTICA PEÇA TERIA FEITO PARTE DO ESQUEMA DECORATIVO DE UM TEMPLO DA DINASTIA MING. BRILHANTEMENTE COLORIDO EM TONS DE VERDE ESMERALDA E OCRE.  CHINA,  29 CM DE COMPRIMENTO (PONTA DA CAUSA COM RESTAURO) NOTA: Arremates de cumeeira deste tipo eram frequentemente utilizados em edifícios públicos e privados para afastar os maus espíritos. O trabalho com azulejos é conhecido na China como Liuli Wa, literalmente telha de vidro, termo que remonta à Dinastia Tang. De acordo com as crenças tradicionais chinesas, os telhados são uma plataforma de comunicação entre o mundo dos vivos e o reino dos espíritos.Chinês, final do século XV - início do século XVI.Sancai significa três esmaltes, as cores básicas deste esmalte são verde, creme e âmbar, mas às vezes eram usadas mais cores. Era um esmalte de chumbo e a adição de óxidos metálicos criava o paladar limitado de verde e âmbar e às vezes de azul. Na Dinastia Tang (618 a 907 dC), os bens funerários eram frequentemente esmaltados desta maneira e houve um ressurgimento da popularidade deste esmalte no período Ming.. Em 1904, teve início a construção da Ferrovia Bianluo. Como parte da posterior Ferrovia Longhai, esta linha de transporte passou por Mangshan ao norte da cidade de Luoyang, um lugar ideal para imperadores, oficiais e civis escolherem seus cemitérios desde pelo menos a Dinastia Zhou Oriental.  A construção de ferrovias modernas sem dúvida quebrou a paz de outro mundo, mas também permitiu que tesouros subterrâneos voltassem a ver a luz do dia. Entre muitos túmulos Tang danificados, um tipo de objeto funerário de cerâmica esmaltada e colorida que nunca havia sido visto antes pelas pessoas chamou a atenção dos antiquários; este é "Tang Sancai".  Desde então, as pessoas têm se entregado às cores lindas e brilhantes de Tang Sancai.  Na verdade, embora sejam chamados de Tang Sancai, não há registro de tais nomes de objetos em documentos históricos. O nome " Tang Sancai  (Cerâmica Esmaltada Tricolor Tang)" pode ter se originado da boca de antiquários e colecionadores. Em 1942, Zhao Ruzhen, um colecionador de antiguidades durante a era da República da China, escreveu em seu livro "Guia de Antiguidades" que este tipo de cerâmica esmaltada colorida era descrita da seguinte forma: "As melhores são desenhadas com três cores - amarelo chumbo, verde e azul sobre um corpo branco sem esmalte colorido." Independentemente das cores, essas peças Tang Sancai com formas vivas e cores em constante mudança têm grandes conotações estéticas. hoje, as peças de Tang Sancai expostas nas vitrines dos museus têm a incomparável grandeza e majestade da Dinastia Tang .  Do ponto de vista da pesquisa arqueológica, esses objetos Tang Sancai também contêm grandes quantidades de informações históricas. Os tipos básicos de estatuetas de terracota eram realistas, o que nos permite observar aquele período próspero já distante quando olhamos para elas. Os pesquisadores estudam cada detalhe dos acessórios de vestuário ou dos gestos e expressões representados por cada estatueta de terracota. O estudo desses detalhes fornece aos estudiosos uma visão das tendências da moda naquele período, bem como das profundas influências das regiões ocidentais na cultura chinesa. Além disso, o alto teor de chumbo da Tang Sancai atua como um fluxo que permite que esmaltes de cores diferentes fluam juntos durante a queima, resultando em efeitos artísticos de cores vivas.  Para fazer este tipo de cerâmica são necessárias duas queimas, a primeira sendo a queima do barro, enquanto a segunda envolve a aplicação de esmalte colorido na superfície antes de passar por outra rodada de queima em forno a 900 graus , que produz cerâmica esmaltada tricolor acabada. Como sua temperatura de queima é mais baixa em comparação com produtos típicos de porcelana, pode ser classificada como um tipo de cerâmica.
  • PORTA TERMOMETRO EM PRATA  VERMEIL DECORADO COM GUILLOCHES. DECORADO COM FIGURA DE ESCULÁPIO EM RELEFO.  TAMPA TEM CRAVAÇÃO DE PEDRA VERDE. SEC XX 12 CM DE ALTURA
  • DOIS ESPELHOS DE MÃO  EM PRATA DE LEI. 13 CM DE ALTURA. 113 G
  • PEQUENO  PORTA RETRATOS DUPLO EM PRATA DE LEI. 3,5 CM DE ALTURA
  • CONJUNTO DE TOUCADOR COM GUARNIÇÕES EM PRATA DE LEI COMPOSTO POR DUAS ESCOVAS E UM ESPELHO DE MÃO. 30 CM DE ALTURA (ESPELHO)
  • QUATRO IMAGENS EM MADEIRA POLICROMADA DE FATURA INGÊNUA:  SÃO JOSÉ, SÃO PAULO, NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO E  NOSSA SENHORA DO ROSARIO. BRASIL, INICIO DO SEC. XX. 34 CM DE ALTURA (SÃO JOSE)
  • BELO ARMÁRIO  DE CASAMENTO EM MADEIRA COM ARREMATES EM METAL EX COLEÇÃO DA ESCULTORA SURREALISTA MARIA MARTINS. ESSE LINDO ARMÁRIO CUJO NOME FOI OCIDENTALIZADO PARA ARMÁRIO DE CASAMENTO ERA SEGUNDO A TRADIÇÃO CHINESA PARTE DO DOTE DE CASAMENTO DA NOIVA. CONTINHA ITENS COMO TECIDOS, ROUPAS E SEDAS. AS PORTAS SÃO ADORNADAS COM GRANDE PLACA CIRCULAR DE METAL QUE CONTÉM O FECHO. AS PORTAS E LATERAIS TEM LINDOS ENTALHES COM FIGURAS DE CORSAS E ÁRVORES COM BELAS MOLDURAS ORIENTAIS. INTERIOR COM DUAS GAVETAS. SERVIU COMO MÓVEL BAR DURANTE DÉCADAS NA RESIDENCIA DO CAAL MARIA E CARLOS MARTINS. CHINA, SEC. XIX. 147 C 85 X 42 CM
  • PABLO PICASSO (1881-1973)  FACE N. 47. PRATO EM FAIANÇA COM PINTURA DO PINTOR SURREALISTA PABLO PICASSO CATALOGADA COMO FACE 47. NA FACE POSTERIOR AS INSCRIÇÕE M. 47 EDITION PICASSO 50;150 MADOURA E O SELO EM BAIXO RELEVO MADOURA PLEIN FEU. REPRODUZIDO NO LIVRO DE ALAIN RAMIE, "PICASSO: CATÁLOGO DAS OBRAS CERÂMICAS EDITADAS 1947-1971," 1988, P. 251. 26 CM DE DIAMETRO. NOTA: Em 1946, Pablo Picasso pisou pela primeira vez no ateliê Madoura Pottery e mais tarde iniciou uma prolífica parceria entre ele e Georges e Suzanne Ramie, proprietários do ateliê. Ele abordou esse meio cerâmico com a mesma inventividade e imaginação que trouxe para suas pinturas e gravuras anteriores. Isso resultaria na criação de mais de 1.000 pratos, vasos e placas etc. numerados de edições de 25 a edições de 500 e algumas peças únicas. Em termos gerais, as cerâmicas de Picasso foram produzidas em dois métodos. Cada peça é certificada e autenticada pelas marcações na parte inferior ou interna de qualquer cerâmica Picasso (também conhecida como cerâmica Picasso Madoura e cerâmica Picasso). Os selos e inscrições mais comuns dizem Madoura Plein Feu, Edition Picasso, Empreinte Originale de Picasso e Poinçon Original de Picasso . Tudo isso indica uma edição autêntica e limitada. O selo em baixo relevo é um sinal de autenticidade e todas as obras reconhecidas pelo ateliê estão documentadas por Alain Ramié no Catálogo Picasso das Obras Cerâmicas Editadas 1947-1971. Os números das edições muitas vezes acompanham os selos. Como regra geral, uma edição menor, como uma edição de 25, será mais valiosa do que edições maiores, como uma edição de 500. Além disso, o número dentro de uma edição indica a idade relativa de uma cerâmica. Especificamente, uma obra com o número 1/25 foi criada muito antes de uma obra com o número 25/25. Embora os números das edições anteriores sejam considerados mais valiosos, eles também têm maior probabilidade de serem danificados devido ao envelhecimento.
  • CLÓVIS GRACIANO (1907-1988)  CAPOEIRA -  OST  - DEC. DE 1950. EX COLEÇÃO LUIZ CARLOS PEREIRA DE ALMEIRA, GRANDE EMPRESÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL (SOBLOCO) CUJO PROJETO MAIS IMPORTANTE FOI A CONSTRUÇÃO NA DECADA DE 1980  DA RIVIERA DE SÃO LOURENÇO, O MAIOR PROJETO DE URBANIZAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO EM TODOS OS TEMPOS . ESTA GRANDE E MAGNIFICA OBRA DE CLÓVIS GRACIANO REPRESENTA RODA DE CAPOEIRA. LINDA E EXPRESSIVA. COM CACHE DA GALERIA TABLEAU ARTES PLÁSTICAS REGISTRADO COMO COMPRA N. 157/5 NA DEC DE 1970.  ASSINADO NA PARTE INFERIOR DO LADO DIREITO. LINDA OBRA COM CORES VIBRANTES DESSE MAGNIFICO TRABALHO DO ARTISTA. BRASIL, DEC. 1950. 220 X 79 CM (SEM CONSIDERAR O TAMANHO DA MOLDURA. COM A MOLDURA TEM 224 X 83 CMNOTA: Clóvis Graciano (Araras, São Paulo, 1907 - São Paulo, São Paulo, 1988). Pintor, desenhista, cenógrafo, gravador, ilustrador. Reside em São Paulo a partir de 1934. Realiza estudos com o pintor Waldemar da Costa (1904-1982), entre 1935 e 1937. Em 1937, integra  o Grupo Santa Helena, com Francisco Rebolo (1902 - 1980),Mario Zanini (1907-1971)e Bonadei (1906-1974). Freqüenta como aluno ouvinte o curso de desenho da Escola Paulista de Belas Artes, até 1938. Membro da Família Artística Paulista - FAP, em 1939 é eleito presidente do grupo. Participa regularmente dos Salões do Sindicato dos Artistas Plásticos e, em 1941, realiza sua primeira individual. Em 1948, é sócio-fundador doMuseu de Arte Moderna de São Paulo (MAM/SP). Viaja para a Europa em 1949, com o prêmio recebido no Salão Nacional de Belas Artes. Permanece dois anos em Paris, onde estuda pintura mural e gravura. A partir dos anos 1950, dedica-se principalmente à pintura mural. Faz ilustrações de obras literárias, como o livro Cancioneiro da Bahia, de Dorival Caymmi (1914-2008), publicado pela editora Martins, em 1947, e o romance Terras do Sem Fim, de Jorge Amado (1912-2001), pela editora Record, em 1987. Em 1971, assume o cargo de diretor da Pinacoteca do Estado de São Paulo. De 1976 a 1978, exerce a função de adido cultural em Paris. Ao longo de sua carreira permanece fiel ao figurativismo, com o predomínio de temas sociais.
  • CANDESTLICK HORN DESIGN ANTHONY REDMILE  FORMIDÁVEL PAR DE CASTIÇAIS CONSTRUÍDOS EM CHIFRE DE CARNEIRO COM GUARNIÇÕES EM METAL ESPESSURADO A PRATA E APLICAÇÃO DE PLACAS DE RODOCROSITA ROSA EM RESERVA. INGLATERRA, DEC. 1960. 23 X 17 CMNOTA: Anthony Redmile entrou no cenário do design de interiores de Londres na década de 1960, produzindo alguns dos itens mais ecléticos para seus ilustres clientes. Conhecido por utilizar peças tiradas ou inspiradas no mundo natural.
  • HOLLYWOOD REGENCY   LUXUOSO PAR DE CASTIÇAIS EM FAUX MARFIM E FAUX ANTILOPE COM GUARNIÇÃO E BASE EM METAL DOURADO. VISTOSOS E INUSITADOS ESSES CASTIÇAIS SEGUEM O ESTILO HOLLYWOOD REGENGY DO MED CENTURY MODERNISTA (DEC. 1950). 55 x 57 cmNOTA: O estilo Hollywood Regency foi um produto da Idade de Ouro de Hollywood das décadas de 1920 a 1950, quando os cenógrafos construíram interiores de sonho exagerados para a tela prateada que pareciam ótimos diante das câmeras com toda a atenção aos detalhes, cor, textura, composição e acabamentos. Às vezes chamado de Regency Moderne, o Hollywood Regency foi uma versão atualizada dos interiores da Era Regency do século XIX. A realeza de Hollywood desenvolveu um gosto pelo glamour polido dos sets de filmagem, empregando designers de interiores como a icônica designer de interiores do século 20 Dorothy Draper, o ator que virou designer de interiores William Haines e Paul R. Williams para enfeitar suas próprias casas em estilo semelhante. , por sua vez popularizando a tendência entre as massas que vão ao cinema.  Naquela era mais glamorosa, as estrelas não concediam entrevistas em estúdios de televisão, mas sim posavam como estrelas de cinema em suas hollywoodanas mansões particulares. Hollywood Regency fazia parte de uma era em que luminares como Marlene Dietrich, Joan Crawford, Gloria Swanson e Carole Lombard, para citar alguns, ainda estavam no negócio de propagar a mística e o glamour de Hollywood. Embora Hollywood Regency tenha coincidido com a popularidade do Art Déco , ele permaneceu um estilo distinto, eventualmente seguindo seu curso à medida que o Estilo Internacional e o Modernismo de meados do século se tornavam a estética predominante. Mas Hollywood Regency sempre atrairá os maximalistas e nunca saiu de moda. O estilo Hollywood Regency continua a influenciar designers modernos, como Kelly Wearstler e também decoradores de casa, que mantêm o estilo clássico de Hollywood atual, misturando-o com tons neutros e equilibrando o glamour retrô .com uma sensação um pouco mais reduzida de luxo moderno. Mesmo aqueles que não adotam de todo o coração o estilo Hollywood Regency podem adicionar um pouco de sofisticação a qualquer ambiente com uma peça bem escolhida,  marca registrada do estilo de design.
  • WILLIAM (GUILLAUME) GUÉRIN & CIE PARIS  COM MARCAS DE IMPORTAÇÃO DO GRAN BAZAR DE JOSE GABEZA  EM MALAGA. REQUINTADO E EXTENSO APARELHO DE JANTAR EM PORCELANA DE LIMOGES COM MARCAS DE GUERIN & CIE PARA O FINAL DO SEC. XIX. PROVAVELMENTE UM DOS MAIS BELOS APARELHOS DE JANTAR JÁ APRESENTADOS EM NOSSOS LEILÕES. CHAMA ATENÇÃO O INUSITADO FORMATO DOS GRANDES PRATOS QUE EMULAM FEITIO DE UM PRATO REDONDO COM SOBREPOSIÇÃO DE UM QUADRADO COMO SE FOSSE UM GUARDANAPO COM AS PONTAS DOBRADAS E REMATADAS EM OURO.  DECORADO COM IMAGENS DO FUNDO DO MAR E CRIATURAS MARINHAS. CORAIS, ANEMONAS, PEIXES, CONCHAS, FLORES AQUÁTICAS UM VERDADEIRO ESPETÁCULO MARINHO! DOTADO DE 84  PEÇAS SENDO: 26 PRATOS RASOS, 16 PRATOS FUNDOS, 16 PRATOS DE SOBREMESA, 4 LINDOS COVILHETES COM ALÇAS LATERAIS, 2 FRUTEIRAS COM PÉS ALTOS, 2 MOLHEIRAS COM PRESENTOIR INTEGRADO, 1 SALSEIRA COM TAMPA E PRESENTOIR INTEGRADO, 1 GRANDE SOPEIRA, 2 TERRINAS COM TAMPA, 5 MAGNIFICAS TRAVESSAS, 1 GRANDE TIGELA, 1 GRANDE PRATO PARA ARROZ, 6 PORTA OVOS, 1 GRANDE CREMEIRA, FRANÇA, SEC. XIX. 24,5 CM DE DIAMETRO (PRATOS RASOS) ALÉM DOS ITENS ACIMA MENCIONADOS SERÃO ENVIADOS AO COMPRADOR UM LOTE COM 18 PEÇAS  QUE NÃO FORAM LISTADAS POR POSSUIREM PEQUENOS DEFEITOS. NOTA: William (Guillaume) Guérin em 1836 alugou uma oficina de decoração de porcelana localizada no Faubourg Montjovis (Limoges). Em 1872 comprou a oficina de porcelana da Lebon & Cie e apenas cinco anos depois a fábrica de porcelana localizada em Limoges e pertencente a Utzschneider. Em 1903, a empresa juntou-se aos filhos de Guérin, William e Andre. Em 1911, W. Guérin & Cie fundiu-se com a fábrica Pouyat criando "anciens établissements J.Pouyat, William Guérin et Cie". William Guérin morreu em 1912 e seus dois filhos assumiram a empresa. Em 1920, a empresa foi adquirida pela Bawo & Dotter Ltd. O novo nome da empresa foi Guérin, Pouyat, Elite Ltd. A partir de 1927, a competição checoslovaca e alemã tornou-se cada vez mais acirrada. Em 1929 eclodiu a crise financeira. Em 1932 a fábrica Guerin foi encerrada. Arquivos e milhares de modelos foram destruídos.

875 Itens encontrados

Página: