Lote 33
Carregando...

Tipo:
Prata de Lei

PRATA DE LEI VITORIANA - RARA CHATELEINE EM PRATA DE LEI COM MARCAS PARA CIDADE DE LONDRES E LETRA DATA 1871 (PERÍODO VITORIANO). MARCAS DO PRATEIRO ARCHIBALD DOUGLAS REGISTRADA EM LONDRES EM 1838. RICAMENTE ORNAMENTADA EM SEU SUPORTE COM PASSAGENS MITOLÓGICAS REPRESENTANDO A DEUSA DIANA SURPREENDIDA PELO CAÇADOR ACTEÃO QUE A CONTEMPLOU NUA E A SEGUIR A DEUSA COM O CERVO QUE REPRESENTA ACTEÃO TRANSFORMADO COMO CASTIGO PELA OUSADIA DE CONTEMPLÁ-LA. TAMBÉM DIANA OFERECE DE BEBER AO DEUS CUPIDO. DOTADA DE CINCO CORRENTES DE ONDE PENDEM OS ACESSÓRIOS: PORTA LÁPIS E UM PEQUENO CANIVETE. PENDEM CINCO CORRENTES PARA PENDURAR CHAVES E ACESSÓRIOS. SEC. XIX. 29 CM DE COMPRIMENTO. NOTA: As chateleines surgiram na idade média, na acepção da palavra significa guardião das chaves e na etmologia deriva da palavra latina para castelo. Na idade média as chateleines eram peças centrais na vida dos castelos e das grandes residências quem as detinha era as guardiãs e senhoras das casas. Depois desse período caíram no esquecimento. No sec. XVIII ressurgiram como jóias em metal que pendiam de bolsos, cós de saias e cintos. Na época vitoriana foram um destacado adereço feminino, muitas vezes presentes de casamento dos maridos as jovens esposas, continham acessórios de costura e utilidades para o dia a dia. Enfim eram um acessório da moda quanto mais luxuoso mais representava o status de quem a ostentava. DIANA E ACTEÃO: Em Roma, Diana (a Artêmis grega) era a deusa da lua e da caça, filha de Júpiter e de Latona, e irmã gêmea de Apolo. Era muito ciosa de sua virgindade. Na mais famosa de suas aventuras, transformou em um cervo o caçador Acteão, que a surpreendeu nua durante o banho. Indiferente ao amor e caçadora infatigável, Diana era cultuada em templos rústicos nas florestas, onde os caçadores lhe ofereciam sacrifícios. Na mitologia romana, Diana era deusa dos animais selvagens e da caça, bem como dos animais domésticos. Filha de Júpiter e Latona, irmã gêmea de Apolo, obteve do pai permissão para não se casar e se manter sempre casta. Júpiter forneceu-lhe um séquito de sessenta oceânidas e vinte ninfas que, como ela, renunciaram ao casamento. Diana foi cedo identificada com a deusa grega Ártemis e depois absorveu a identificação de Artêmis com Selene (Lua) e Hécate (ou Trívia), de que derivou a caracterização triformis dea ("deusa de três formas"), usada às vezes na literatura latina. O mais famoso de seus santuários ficava no bosque junto ao lago Nemi, perto de Arícia. Pela tradição, o sacerdote devia ser um escravo fugitivo que matasse o antecessor em combate. Em Roma, seu templo mais importante localizava-se no monte Aventino e teria sido construído pelo rei Servius Tulius no século VI a.C. Festejavam-na nos idos (dia 13) de agosto. Na arte romana, era em geral representada como caçadora, com arco e aljava, acompanhada de um cão ou cervo. No centro de Éfeso, na Ásia Menor, havia um enorme templo dedicado à Diana com centenas de sacerdotisas virgens, as quais praticavam a abstinência sexual e artes mágicas, acreditando na superioridade feminina. Este templo foi considerado uma das sete maravilhas do mundo antigo.

Peça

Visitas: 412

Tipo: Prata de Lei

PRATA DE LEI VITORIANA - RARA CHATELEINE EM PRATA DE LEI COM MARCAS PARA CIDADE DE LONDRES E LETRA DATA 1871 (PERÍODO VITORIANO). MARCAS DO PRATEIRO ARCHIBALD DOUGLAS REGISTRADA EM LONDRES EM 1838. RICAMENTE ORNAMENTADA EM SEU SUPORTE COM PASSAGENS MITOLÓGICAS REPRESENTANDO A DEUSA DIANA SURPREENDIDA PELO CAÇADOR ACTEÃO QUE A CONTEMPLOU NUA E A SEGUIR A DEUSA COM O CERVO QUE REPRESENTA ACTEÃO TRANSFORMADO COMO CASTIGO PELA OUSADIA DE CONTEMPLÁ-LA. TAMBÉM DIANA OFERECE DE BEBER AO DEUS CUPIDO. DOTADA DE CINCO CORRENTES DE ONDE PENDEM OS ACESSÓRIOS: PORTA LÁPIS E UM PEQUENO CANIVETE. PENDEM CINCO CORRENTES PARA PENDURAR CHAVES E ACESSÓRIOS. SEC. XIX. 29 CM DE COMPRIMENTO. NOTA: As chateleines surgiram na idade média, na acepção da palavra significa guardião das chaves e na etmologia deriva da palavra latina para castelo. Na idade média as chateleines eram peças centrais na vida dos castelos e das grandes residências quem as detinha era as guardiãs e senhoras das casas. Depois desse período caíram no esquecimento. No sec. XVIII ressurgiram como jóias em metal que pendiam de bolsos, cós de saias e cintos. Na época vitoriana foram um destacado adereço feminino, muitas vezes presentes de casamento dos maridos as jovens esposas, continham acessórios de costura e utilidades para o dia a dia. Enfim eram um acessório da moda quanto mais luxuoso mais representava o status de quem a ostentava. DIANA E ACTEÃO: Em Roma, Diana (a Artêmis grega) era a deusa da lua e da caça, filha de Júpiter e de Latona, e irmã gêmea de Apolo. Era muito ciosa de sua virgindade. Na mais famosa de suas aventuras, transformou em um cervo o caçador Acteão, que a surpreendeu nua durante o banho. Indiferente ao amor e caçadora infatigável, Diana era cultuada em templos rústicos nas florestas, onde os caçadores lhe ofereciam sacrifícios. Na mitologia romana, Diana era deusa dos animais selvagens e da caça, bem como dos animais domésticos. Filha de Júpiter e Latona, irmã gêmea de Apolo, obteve do pai permissão para não se casar e se manter sempre casta. Júpiter forneceu-lhe um séquito de sessenta oceânidas e vinte ninfas que, como ela, renunciaram ao casamento. Diana foi cedo identificada com a deusa grega Ártemis e depois absorveu a identificação de Artêmis com Selene (Lua) e Hécate (ou Trívia), de que derivou a caracterização triformis dea ("deusa de três formas"), usada às vezes na literatura latina. O mais famoso de seus santuários ficava no bosque junto ao lago Nemi, perto de Arícia. Pela tradição, o sacerdote devia ser um escravo fugitivo que matasse o antecessor em combate. Em Roma, seu templo mais importante localizava-se no monte Aventino e teria sido construído pelo rei Servius Tulius no século VI a.C. Festejavam-na nos idos (dia 13) de agosto. Na arte romana, era em geral representada como caçadora, com arco e aljava, acompanhada de um cão ou cervo. No centro de Éfeso, na Ásia Menor, havia um enorme templo dedicado à Diana com centenas de sacerdotisas virgens, as quais praticavam a abstinência sexual e artes mágicas, acreditando na superioridade feminina. Este templo foi considerado uma das sete maravilhas do mundo antigo.

Informações

Lance

    • Lote Vendido
Termos e Condições
Condições de Pagamento
Frete e Envio
  • TERMOS E CONDIÇÕES

    1ª. As peças que compõem o presente LEILÃO, foram cuidadosamente examinadas pelos organizadores que, solidários com os proprietários das mesmas, se responsabilizam por suas descrições.

    2ª. Em caso eventual de engano na autenticidade de peças, comprovado por peritos idôneos, e mediante laudo assinado, ficará desfeita a venda, desde que a reclamação seja feita em até 5 dias após o término do leilão. Findo o prazo, não será mais admitidas quaisquer reclamação, considerando-se definitiva a venda.

    3ª. As peças estrangeiras serão sempre vendidas como Atribuídas.

    4ª. O Leiloeiro não é proprietário dos lotes, mas o faz em nome de terceiros, que são responsáveis pela licitude e desembaraço dos mesmos.

    5ª. Elaborou-se com esmero o catálogo, cujos lotes se acham descritos de modo objetivo. As peças serão vendidas NO ESTADO em que foram recebidas e expostas. Descrição de estado ou vícios decorrentes do uso será descrito dentro do possível, mas sem obrigação. Pelo que se solicita aos interessados ou seus peritos, prévio e detalhado exame até o dia do pregão. Depois da venda realizada não serão aceitas reclamações quanto ao estado das mesmas nem servirá de alegação para descumprir compromisso firmado.

    6ª. Os leilões obedecem rigorosamente à ordem do catalogo.

    7ª. Ofertas por escrito podem ser feitas antes dos leilões, ou autorizar a lançar em seu nome; o que será feito por funcionário autorizado.

    8ª. Os Organizadores colocarão a título de CORTESIA, de forma gratuita e confidencial, serviço de arrematação pelo telefone e Internet, sem que isto o obrigue legalmente perante falhas de terceiros.

    8.1. LANCES PELA INTERNET: O arrematante poderá efetuar lances automáticos, de tal maneira que, se outro arrematante cobrir sua oferta, o sistema automaticamente gerará um novo lance para aquele arrematante, acrescido do incremento mínimo, até o limite máximo estabelecido pelo arrematante. Os lances automáticos ficarão registrados no sistema com a data em que forem feitos. Os lances ofertados são IRREVOGÁVEIS e IRRETRATÁVEIS. O arrematante é responsável por todos os lances feitos em seu nome, pelo que os lances não podem ser anulados e/ou cancelados em nenhuma hipótese.

    8.2. Em caso de empate entre arrematantes que efetivaram lances no mesmo lote e de mesmo valor, prevalecerá vencedor aquele que lançou primeiro (data e hora do registro do lance no site), devendo ser considerado inclusive que o lance automático fica registrado na data em que foi feito. Para desempate, o lance automático prevalecerá sobre o lance manual.

    9ª. O Organizador se reserva o direito de não aceitar lances de licitante com obrigações pendentes.

    10ª. Adquiridas as peças e assinado pelo arrematante o compromisso de compra, NÃO MAIS SERÃO ADMITIDAS DESISTÊNCIAS sob qualquer alegação.

    11ª. O arremate será sempre em moeda nacional. A progressão dos lances, nunca inferior a 5% do anterior, e sempre em múltiplo de dez. Outro procedimento será sempre por licença do Leiloeiro; o que não cria novação.

    12ª. Em caso de litígio prevalece a palavra do Leiloeiro.

    13ª. As peças adquiridas deverão ser pagas e retiradas IMPRETERIVELMENTE em até 48 horas após o término do leilão, e serão acrescidas da comissão do Leiloeiro, (5%). Não sendo obedecido o prazo previsto, o Leiloeiro poderá dar por desfeita a venda e, por via de EXECUÇÃO JUDICIAL, cobrar sua comissão e a dos organizadores.

    14ª. As despesas com as remessas dos lotes adquiridos, caso estes não possam ser retirados, serão de inteira responsabilidade dos arrematantes. O cálculo de frete, serviços de embalagem e despacho das mercadorias deverão ser considerados como Cortesia e serão efetuados pelas Galerias e/ou Organizadores mediante prévia indicação da empresa responsável pelo transporte e respectivo pagamento dos custos de envio.

    15ª. Qualquer litígio referente ao presente leilão está subordinado à legislação brasileira e a jurisdição dos tribunais da cidade de Campinas - SP. Os casos omissos regem-se pela legislação pertinente, e em especial pelo Decreto 21.981, de 19 de outubro de 1932, Capítulo III, Arts. 19 a 43, com as alterações introduzidas pelo Decreto 22.427., de 1º. de fevereiro de 1933.

  • CONDIÇÕES DE PAGAMENTO

    A vista com acréscimo da taxa do leiloeiro de 5%.
    Através de depósito ou transferência bancária em conta a ser enviada por e-mail após o último dia do leilão.
    Não aceitamos cartões de crédito ou débito.
    O pagamento deverá ser efetuado até 72 horas após o término do leilão sob risco da venda ser desfeita.

  • FRETE E ENVIO

    As despesas com retirada e remessa dos lotes, são de responsabilidade dos arrematantes. Veja nas Condições de Venda do Leilão.
    Despachamos para todos os estados. A titulo de cortesia a casa poderá embrulhar as peças arrematadas e providenciar transportadora adequada