Lote 45
Carregando...

Tipo:
Documentos

DOM PEDRO II (1648-1706) - RARISSIMO DOCUMENTO DE CONCESSÃO DE ARMAS DE NOBREZA PARA OS IRMÃOS PEDRO, JUAN E PABLO DE GUSMÃO EM 12 DE MAIO DE 1686. ERAM FILHOS DE ANTONIO VAZ DE GUSMÃO TESOUREIRO DOS DEFUNTOS DA PARAIBA NO BRASIL E SUA MÃE ERA DONA MARIA GOMES DE GUSMAO. ESTA CARTA ERA A MAIS ALTA HONRARIA NOBILIARQUICA DO REINO PORTUGUÊS. A MERCÊ DE ARMAS CONCEDIDA PELO SOBERANO. POUCAS FORAM EMITIDAS EM TODA A HISTÓRIA DE 800 ANOS DA MONARQUIA PORTUGUESA. PARA RECEBER ERA NECESSÁRIO COMPROVAR A ASCENDÊNCIA POR PELO MENOS TRÊS GERAÇÕES, NÃO TER MÁCULA DE SANGUE (SANGUE JUDEU, MOURO OU MULATO). A CARTA É SEMPRE ACOMPANHADA PELO BRASÃO DE ARMAS ILUMINADO PELO REY DE ARMAS (UMA ILUMINURA COM AS CORRETAS CORES DO BRASÃO). POUCAS RESTARAM APÓS O TERREMOTO QUE DESTRUIU LISBOA E OS ARQUIVOS DO REI EM 1755 ESSE DOCUMENTO ESCASSO, BELISSIMO E SOBREVIVENTE DO MAIOR DESASTRE NATURAL OCORRIDO EM PORTUGAL EM TODA SUA HISTÓRIA É UMA VERDADEIRA E PRECIOSA PEÇA DE MUSEU. SABE-SE QUE OS GOMES DE GUSMAO OCUPARAM AINDA NOS PRIMÓRDIOS DA COLONIZAÇÃO PORTUGUESA NO BRASIL NOS ANOS 1600 POSIÇÕES NA ADMINISTRAÇÃO COLONIAL BEM COMO TIRERAM REPRESENTENTAS CLÉRIGOS QUE DISSEMINARAM OS ENSINAMENTOS CRISTÃOS NAQUELE BRASIL PRIMITIVO. A BEATA DONA JOANNA GOMES DE GUSMÃO DESCENDENTE DE ANTONIO VAZ DE GUSMAO E MARIA GOMES DE GUSMÃO. MORADORA DA VILA DE IGUAPE CERTA FEITA EM UMA FESTA RELIGIOSA JUROU AOS PÉS DO ALTAR MOR QUE SE FICASSE VIUVA DEDICARIA TODA SUA VIDA A PRÁTICA DA CARIDADE. CEDO ENVIUVOU E PASSOU A PEREGRINAR A PÉ, PEDINDO ESMOLAS PARA OS POBRES.ALONGANDO MAIS AS SUAS PEREGRINAÇÕES, FOI ATÉ NOSSA SENHORA DO DESTERRO (FLORIANOPOLIS); LÁ PERMANECENDO ALGUNS DIAS. PROCUROU ENTÃO ALI FUNDAR UMA CAPELA: A " CAPELA DO MENINO DE DEUS", COM AS ESMOLAS QUE ANGARIAVA NAS SUAS ANDANÇAS PELA VILAS CONHECIDAS. DIAS DEPOIS, ESSA ADMIRÁVEL CRIATURA, MAIS CONHECIDA PELO POVO COMO "MULHER SANTA", RECEBIA O "HABITO DE FREIRA", NA IGREJA DA ORDEM III DE PARANAGUÀ, NO ANO DE 1745. SOLENE ATO CELEBRADO PELO SUPERIOR DA ORDEM SERÁFICA, QUE PARA ISSO TINHA PLENOS PODERES.FALECEU AOS 92 ANOS CUMPRINDO UMA MISSÃO DE FÉ E DEDICAÇÃO AOS POBRES. BEATIFICADA ESTÁ EM PROCESSO DE CANONIZAÇÃO. ERA IRMÃ DO NOTÁVEL ESTADISTA - ALEXANDRE DE GUSMÂO- E DO GRANDE SACERDOTE, O CELEBRE BARTOLOMEU DE GUSMÃO , CONHECIDO COMO O "PADRE VOADOR" INVENTOR DE UMA CURIOSA ENGENHOCA VOADORA CHAMADA PASSAROLA MAS SEUS BRILHANTES INVENTOS LHE CAUSARAM PROBLEMAS COM A INQUISIÇÃO E TEVE DE FUGIR PARA NÃO SER LEVADO A FOGUEIRA. EXCERTOS DO TEXTO: ANNO SEGUNDO SESSENTA E OCHO MARAVEIDS, ANNO DE MIL SEISCNETOS E OITENTA E SEIS. PORTUGAL REY DE ARMASE NESTES REINOS E SENHORIOS DE PORTUGAL POR EL MUITO ALTO E MUY PODEROSO PRÍNCIPE DOM PEDRO NUESTRO SENORPELA GRAÇA DE DIOS PRINCIPE DE PORTUGAL E DOS ALGARVES DAQUEM E DALEM MAR EM ÁFFRICA SENHOR DE GUINÉ E DA CONQUISTA NEVEGAÇÃO E DO COMÉRCIO DA ETHIOPIA, ARABIA, PERSIA E INDIA.COMO REGENTE E GOVERNADOR DE TODOS OS REINOS E SENHORIOS ETC... FAÇO SABER A TODAS AS PARTES DESSES REINOS E SENHORIOS E A TODOS OS CAVALEIROS E FIDALGOS DO REINO QUE ESTA MINHA CARTA DE CERTIFICÇÃO DE BRASÃO DE ARMAS DE NOBREZA E FIDALGUIA DE LINHAGEM VIREM QUE HÁ PROVIMENTO DA NOBREZA POR PARTE DE DOM PEDRO DE GUZMAN, DOM JUAN DE GUZMAN E DOM PABLO DE GUZMAN TODOS HEY IRMAOS DE PADRE E MADRE QUE RESIDEM NA CORTE DE MADRID., ME FOI APRESENTADA PETIÇÃO POR ESCRITO DIZENDO QUE ESSE VINHA POR LEGITIMA DESCENDÊNCIA DA NOBRE GERAÇÃO E LINHAGEM ,,,, A SEGUIR O REI DE ARMAS APRESENTA AS TRÊS GERAÇÕES ANTERIORES DOS SUPLICANTES PARA JUSTIFICAR SEU DIREITO A FIDALGUIA E DESCREVE AS ARMAS E SUAS CORES HERALDICAS APRESNTADAS EM ILUMINURA EM SUA VERSÃO COMO FICOU REGISTRADA NOS LIVROS DE ARMAS DA NOBREZA DE PORTUGAL. PORTUGAL, ANNO DE 1686. NOTA: Os nobres de sangue em Portugal eram normalmente oriundos de famílias antigas, do período de formação do Estado português durante a Baixa Idade Media, e eram considerados nobres de linhagem somente depois de três gerações da família, passando a ter direito a um brasão de armas. As cartas de brasão de armas não estavam ao alcance de todos os nobres . Somente mereciam a distinção os fidalgos hierarquicamente superiores ao fidalgo de cota de armas. Ou seja, somente poderiam pleitear a distinção os fidalgos de grande qualidade, fidalgos de solar, fidalgos de linhagem, fidalgos notáveis e fidalgos assentados nos livros dEl Rei, denominados fidalgos principais ou nobreza principal do reino. Nesse grupo seleto ainda estavam os fidalgos do conselho, fidalgos cavaleiros, fidalgos escudeiros, fidalgos capelães e moços fidalgos. Embora pudessem ter brasões, os fidalgos de cotas de armas se localizavam na segunda ordem, onde estavam os nobres de linhagem(com quatro avós nobres),os cavaleiros fidalgos, desembargadores de El Rei ,os cavaleiros das Ordens Militares, as pessoas denominadas por dom .Por fim, a terceira ordem se compunha de pessoas de nobreza ordinária, como os simples letrados, pessoas de grau de letras, professores régios de gramática latina e grega, de retórica e os cavaleiros, escudeiros e homens bons. Desde a Idade Média, os reis portugueses procuraram preservar os antigos brasões de armas e controlar a concessão de novos. o brasão de armas era uma condecoração própria da alta nobreza. Todos os descendentes de homens abrasonados, por linha paterna ou materna, herdavam a distinção. Ao conceder os brasões, os monarcas nobilitavam os agraciados, como remuneração de serviços prestados. Quando as concessões nobilitavam plebeus, denominavam- se armas novas, mas quando se referiam à modificação de armas já existentes e usadas, eram confirmação ou acrescentamento de armas. Para provar a nobreza de geração, ou seja, a fidalguia, o suplicante devia apresentar um trem de vida segundo os costumes da nobreza, com cavalos, criados e amas para os filhos. Não podia ter exercido ofícios mecânicos ou de procurador judicial, mas também que descendia das famílias armoriadas de cujas armas o mesmo justificante pretendia usar .... Embora as provas documentais fossem da maior importância, encontram-se nos processos de justificação da nobreza somente certidões de batismo sobretudo dos justificantes e, por vezes, de seus pais e avós. Apresentavam igualmente carta de foro de fidalgo, algumas certidões de serviços, atestados de genealogistas avulsos e transcrições de obras impressas. Assim, poucos seguiam as exigências e desconsideravam a comprovação taxativa da nobreza e da fidalguia alegadas

Peça

Visitas: 713

Tipo: Documentos

DOM PEDRO II (1648-1706) - RARISSIMO DOCUMENTO DE CONCESSÃO DE ARMAS DE NOBREZA PARA OS IRMÃOS PEDRO, JUAN E PABLO DE GUSMÃO EM 12 DE MAIO DE 1686. ERAM FILHOS DE ANTONIO VAZ DE GUSMÃO TESOUREIRO DOS DEFUNTOS DA PARAIBA NO BRASIL E SUA MÃE ERA DONA MARIA GOMES DE GUSMAO. ESTA CARTA ERA A MAIS ALTA HONRARIA NOBILIARQUICA DO REINO PORTUGUÊS. A MERCÊ DE ARMAS CONCEDIDA PELO SOBERANO. POUCAS FORAM EMITIDAS EM TODA A HISTÓRIA DE 800 ANOS DA MONARQUIA PORTUGUESA. PARA RECEBER ERA NECESSÁRIO COMPROVAR A ASCENDÊNCIA POR PELO MENOS TRÊS GERAÇÕES, NÃO TER MÁCULA DE SANGUE (SANGUE JUDEU, MOURO OU MULATO). A CARTA É SEMPRE ACOMPANHADA PELO BRASÃO DE ARMAS ILUMINADO PELO REY DE ARMAS (UMA ILUMINURA COM AS CORRETAS CORES DO BRASÃO). POUCAS RESTARAM APÓS O TERREMOTO QUE DESTRUIU LISBOA E OS ARQUIVOS DO REI EM 1755 ESSE DOCUMENTO ESCASSO, BELISSIMO E SOBREVIVENTE DO MAIOR DESASTRE NATURAL OCORRIDO EM PORTUGAL EM TODA SUA HISTÓRIA É UMA VERDADEIRA E PRECIOSA PEÇA DE MUSEU. SABE-SE QUE OS GOMES DE GUSMAO OCUPARAM AINDA NOS PRIMÓRDIOS DA COLONIZAÇÃO PORTUGUESA NO BRASIL NOS ANOS 1600 POSIÇÕES NA ADMINISTRAÇÃO COLONIAL BEM COMO TIRERAM REPRESENTENTAS CLÉRIGOS QUE DISSEMINARAM OS ENSINAMENTOS CRISTÃOS NAQUELE BRASIL PRIMITIVO. A BEATA DONA JOANNA GOMES DE GUSMÃO DESCENDENTE DE ANTONIO VAZ DE GUSMAO E MARIA GOMES DE GUSMÃO. MORADORA DA VILA DE IGUAPE CERTA FEITA EM UMA FESTA RELIGIOSA JUROU AOS PÉS DO ALTAR MOR QUE SE FICASSE VIUVA DEDICARIA TODA SUA VIDA A PRÁTICA DA CARIDADE. CEDO ENVIUVOU E PASSOU A PEREGRINAR A PÉ, PEDINDO ESMOLAS PARA OS POBRES.ALONGANDO MAIS AS SUAS PEREGRINAÇÕES, FOI ATÉ NOSSA SENHORA DO DESTERRO (FLORIANOPOLIS); LÁ PERMANECENDO ALGUNS DIAS. PROCUROU ENTÃO ALI FUNDAR UMA CAPELA: A " CAPELA DO MENINO DE DEUS", COM AS ESMOLAS QUE ANGARIAVA NAS SUAS ANDANÇAS PELA VILAS CONHECIDAS. DIAS DEPOIS, ESSA ADMIRÁVEL CRIATURA, MAIS CONHECIDA PELO POVO COMO "MULHER SANTA", RECEBIA O "HABITO DE FREIRA", NA IGREJA DA ORDEM III DE PARANAGUÀ, NO ANO DE 1745. SOLENE ATO CELEBRADO PELO SUPERIOR DA ORDEM SERÁFICA, QUE PARA ISSO TINHA PLENOS PODERES.FALECEU AOS 92 ANOS CUMPRINDO UMA MISSÃO DE FÉ E DEDICAÇÃO AOS POBRES. BEATIFICADA ESTÁ EM PROCESSO DE CANONIZAÇÃO. ERA IRMÃ DO NOTÁVEL ESTADISTA - ALEXANDRE DE GUSMÂO- E DO GRANDE SACERDOTE, O CELEBRE BARTOLOMEU DE GUSMÃO , CONHECIDO COMO O "PADRE VOADOR" INVENTOR DE UMA CURIOSA ENGENHOCA VOADORA CHAMADA PASSAROLA MAS SEUS BRILHANTES INVENTOS LHE CAUSARAM PROBLEMAS COM A INQUISIÇÃO E TEVE DE FUGIR PARA NÃO SER LEVADO A FOGUEIRA. EXCERTOS DO TEXTO: ANNO SEGUNDO SESSENTA E OCHO MARAVEIDS, ANNO DE MIL SEISCNETOS E OITENTA E SEIS. PORTUGAL REY DE ARMASE NESTES REINOS E SENHORIOS DE PORTUGAL POR EL MUITO ALTO E MUY PODEROSO PRÍNCIPE DOM PEDRO NUESTRO SENORPELA GRAÇA DE DIOS PRINCIPE DE PORTUGAL E DOS ALGARVES DAQUEM E DALEM MAR EM ÁFFRICA SENHOR DE GUINÉ E DA CONQUISTA NEVEGAÇÃO E DO COMÉRCIO DA ETHIOPIA, ARABIA, PERSIA E INDIA.COMO REGENTE E GOVERNADOR DE TODOS OS REINOS E SENHORIOS ETC... FAÇO SABER A TODAS AS PARTES DESSES REINOS E SENHORIOS E A TODOS OS CAVALEIROS E FIDALGOS DO REINO QUE ESTA MINHA CARTA DE CERTIFICÇÃO DE BRASÃO DE ARMAS DE NOBREZA E FIDALGUIA DE LINHAGEM VIREM QUE HÁ PROVIMENTO DA NOBREZA POR PARTE DE DOM PEDRO DE GUZMAN, DOM JUAN DE GUZMAN E DOM PABLO DE GUZMAN TODOS HEY IRMAOS DE PADRE E MADRE QUE RESIDEM NA CORTE DE MADRID., ME FOI APRESENTADA PETIÇÃO POR ESCRITO DIZENDO QUE ESSE VINHA POR LEGITIMA DESCENDÊNCIA DA NOBRE GERAÇÃO E LINHAGEM ,,,, A SEGUIR O REI DE ARMAS APRESENTA AS TRÊS GERAÇÕES ANTERIORES DOS SUPLICANTES PARA JUSTIFICAR SEU DIREITO A FIDALGUIA E DESCREVE AS ARMAS E SUAS CORES HERALDICAS APRESNTADAS EM ILUMINURA EM SUA VERSÃO COMO FICOU REGISTRADA NOS LIVROS DE ARMAS DA NOBREZA DE PORTUGAL. PORTUGAL, ANNO DE 1686. NOTA: Os nobres de sangue em Portugal eram normalmente oriundos de famílias antigas, do período de formação do Estado português durante a Baixa Idade Media, e eram considerados nobres de linhagem somente depois de três gerações da família, passando a ter direito a um brasão de armas. As cartas de brasão de armas não estavam ao alcance de todos os nobres . Somente mereciam a distinção os fidalgos hierarquicamente superiores ao fidalgo de cota de armas. Ou seja, somente poderiam pleitear a distinção os fidalgos de grande qualidade, fidalgos de solar, fidalgos de linhagem, fidalgos notáveis e fidalgos assentados nos livros dEl Rei, denominados fidalgos principais ou nobreza principal do reino. Nesse grupo seleto ainda estavam os fidalgos do conselho, fidalgos cavaleiros, fidalgos escudeiros, fidalgos capelães e moços fidalgos. Embora pudessem ter brasões, os fidalgos de cotas de armas se localizavam na segunda ordem, onde estavam os nobres de linhagem(com quatro avós nobres),os cavaleiros fidalgos, desembargadores de El Rei ,os cavaleiros das Ordens Militares, as pessoas denominadas por dom .Por fim, a terceira ordem se compunha de pessoas de nobreza ordinária, como os simples letrados, pessoas de grau de letras, professores régios de gramática latina e grega, de retórica e os cavaleiros, escudeiros e homens bons. Desde a Idade Média, os reis portugueses procuraram preservar os antigos brasões de armas e controlar a concessão de novos. o brasão de armas era uma condecoração própria da alta nobreza. Todos os descendentes de homens abrasonados, por linha paterna ou materna, herdavam a distinção. Ao conceder os brasões, os monarcas nobilitavam os agraciados, como remuneração de serviços prestados. Quando as concessões nobilitavam plebeus, denominavam- se armas novas, mas quando se referiam à modificação de armas já existentes e usadas, eram confirmação ou acrescentamento de armas. Para provar a nobreza de geração, ou seja, a fidalguia, o suplicante devia apresentar um trem de vida segundo os costumes da nobreza, com cavalos, criados e amas para os filhos. Não podia ter exercido ofícios mecânicos ou de procurador judicial, mas também que descendia das famílias armoriadas de cujas armas o mesmo justificante pretendia usar .... Embora as provas documentais fossem da maior importância, encontram-se nos processos de justificação da nobreza somente certidões de batismo sobretudo dos justificantes e, por vezes, de seus pais e avós. Apresentavam igualmente carta de foro de fidalgo, algumas certidões de serviços, atestados de genealogistas avulsos e transcrições de obras impressas. Assim, poucos seguiam as exigências e desconsideravam a comprovação taxativa da nobreza e da fidalguia alegadas

Vídeo

Informações

Lance

    • Lote Vendido
Termos e Condições
Condições de Pagamento
Frete e Envio
  • TERMOS E CONDIÇÕES

    O presente instrumento, denominado "Termos e Condições do Leilão", tem por objetivo regular a participação de usuários (arrematantes) no sistema online de leilões.

    1. As obras que compõem o presente LEILÃO foram periciadas pelos organizadores que,solidários com os proprietários das mesmas, se responsabilizam por suas descrições.

    2. Em caso eventual de engano na expertise de obras, comprovado por peritos idôneos, e mediante laudo assinado, ficará desfeita a venda, desde que a reclamação seja feitaem até 5 dias após o fim do leilão e/ou acesso à mercadoria. Findo este prazo, não mais serão admitidas quaisquer reclamação, considerando-se definitiva a venda.

    3. Obras estrangeiras serão sempre vendidas como "Atribuídas".

    4. O Leiloeiro(a) não é proprietário dos lotes, mas o faz em nome de terceiros, que são responsáveis pela licitude e desembaraço dos mesmos.

    5. Elaborou-se com esmero o catálogo, cujos lotes se acham descritos de modo objetivo.

    As obras serão vendidas "NO ESTADO" em que foram recebidas e expostas. Descrição de estado ou vícios decorrentes do uso será descrito dentro do possível, mas sem obrigação.

    Pelo que se solicita aos interessados ou seus peritos, prévio e detalhado exame até o dia do pregão.

    Depois da venda realizada não serão aceitas reclamações quanto ao estado das mesmas, nem servirá de alegação para descumprir o compromisso firmado.

    6. O leilão obedecerá rigorosamente à ordem dos lotes apresentada no catalogo. Todos os lotes poderão receber lances prévios antes da data de realização do pregão(*).

    Contudo, o lance vencedor será registrado somente durante o pregão ao vivo (data e horário divulgado no catálogo).

    É somente nesta data que o Leiloeiro(a) "baterá o martelo", formalizando cada lote como "Lote vendido".

    Os lances efetuados após a apresentação do lote no pregão, terão seu aceite ou não submetidos ao crivo do Leiloeiro(a) responsável.

    7. Ofertas por escrito podem ser feitas antes dos leilões, ou autorizar a lançar em seu nome; o que poderá ser feito por funcionário autorizado pelo Leiloeiro(a).

    8. O Leiloeiro(a) colocará, a titulo de CORTESIA, de forma gratuita e confidencial, serviço de arrematação pelo telefone e Internet, sem que isto o obrigue legalmente perante falhas de terceiros.

    8.1. LANCES PELA INTERNET: Para a participação nos leilões online faz-se necessário possuir um cadastro válido e ativo.

    Caso não possua cadastro, este poderá ser efetuado diretamente através do site do respectivo leilão, sendo certo que este deverá ser atualizado sempre que necessário.

    8.1.1 O acesso ao sistema de leilões online pelo usuário poderá ser cancelado ou suspenso a qualquer tempo e sob o exclusivo critério do Leiloeiro(a), não havendo direito a qualquer reclamação ou indenização.

    8.2. O arrematante poderá efetuar lances automáticos, de tal maneira que, se outro arrematante cobrir sua oferta, o sistema automaticamente gerará um novo lance para aquele arrematante,

    acrescido do incremento mínimo, até o limite máximo estabelecido pelo arrematante. Os lances automáticos ficarão registrados no sistema com a data em que forem efetuados.

    Os lances ofertados são IRREVOGÁVEIS e IRRETRATÁVEIS. O arrematante é responsável por todos os lances feitos em seu nome, os quais somente poderão ser anulados e/ou cancelados de acordo com autorização do leiloeiro(a) responsável.

    8.3. Em caso de empate entre arrematantes que efetivaram lances no mesmo lote e de mesmo valor, prevalecerá vencedor aquele que lançou primeiro (data e hora do registro do lance no site),devendo ser considerado inclusive que o lance automático fica registrado na data em que foi feito. Para desempate, o lance automático prevalecerá sobre o lance manual.

    9. O Leiloeiro(a) se reserva o direito de não aceitar lances de licitante com obrigações pendentes.

    10. Adquiridas as obras e assinado pelo arrematante o compromisso de compra, NÃO MAIS SERÃO ADMITIDAS DESISTÊNCIAS sob qualquer alegação.

    11. O arremate será sempre em moeda nacional. A progressão dos lances, nunca inferior a 5% do anterior, e sempre em múltiplo de dez. Outro procedimento será sempre por licença do Leiloeiro(a); o que não cria novação.

    12. As obras adquiridas deverão ser pagas e retiradas IMPRETERIVELMENTE em até 72 horas após o término do leilão, e serão acrescidas da comissão do Leiloeiro(a), (5%).

    Não sendo obedecido o prazo previsto, o Leiloeiro poderá dar por desfeita a venda e efetuar o bloqueio da respectiva cartela até respectiva quitação de taxas e multas equivalentes.

    13. As despesas com as remessas dos lotes adquiridos, caso estes não possam ser retirados, serão de inteira responsabilidade dos arrematantes.

    O cálculo de frete, serviços de embalagem e despacho das mercadorias deverão ser considerados como Cortesia e serão efetuados pelas Galerias e/ou Organizadores mediante prévia indicação pelo arrematante da empresaresponsável pelo transporte e respectivo pagamento dos custos de envio, ficando o Leiloeiro(a) e as Galerias e/ou Organizadores isentos de qualquer responsabilidade em caso de extravio, furto e/ou dano à mercadoria.

    14. O Leiloeiro(a) reserva-se ao direito de cancelar o lance, caso o arrematante adote posturas consideradas ofensivas, desrespeitosas ou inapropriadas, seja antes ou durante a realização de leilão.

    Poderá haver cancelamento de qualquer oferta de compra, sempre que não for possível comprovar a identidade do usuário ou caso este venha a descumprir quaisquer condições estabelecidas no presente contrato,dentre elas, a utilização de cadastros paralelos objetivando se eximir das responsabilidades previstas neste Termo.

    15. - O arrematante assume neste ato, expressamente, que responderá, civil e criminalmente, pelo uso de qualquer equipamento, programa ou procedimento que vise interferir no funcionamento do site.

    16. - O arrematante, ao clicar ACEITO declara ter lido e aceito o conteúdo do presente "termos e condições", sem nenhuma oposição, inclusive, não tem ressalva a fazer sobre as condições aqui estabelecidas.

    Também declara ter capacidade, autoridade e legitimidade para assumir responsabilidades e obrigações através do presente instrumento.

    17. Todas as controvérsias oriundas ou relacionadas ao presente Termo, deverão ser resolvidas, primeiramente, por negociação e/ou mediação entre as Partes.

    Não logrando êxito, a controvérsia poderá vir a ser resolvida por interpelação judicial.

    18. A Parte interessada em iniciar o procedimento de negociação/mediação deverá comunicar a outra parte por escrito, detalhando a sua reclamação, bem como apresentando proposta para a solução da questão,sendo concedido prazo de até 10 (dez) dias para a outra Parte apresentar sua manifestação.

    Fica eleito o foro do estado do Comarca da Capital, para dirimir qualquer controvérsia oriunda deste instrumento não equacionada via negociação e/ou mediação,com a expressa renuncia a outro por mais privilegiado que seja ou venha a ser.

    Leilão - forma de alienação de bens.

    *Pregão - forma de licitação pública, em data e horário pré-definidos, onde é validado a escolha do melhor candidato pelo respectivo leiloeiro(a) responsável.

  • CONDIÇÕES DE PAGAMENTO

    À vista, acrescido da taxa do leiloeiro de 5 %.

    Através de depósito ou transferência bancária em conta a ser informada através do e-mail de cobrança.

    Não aceitamos cartões de crédito.

    Para depósitos em cheque, as peças serão liberadas para retirada/envio somente após a compensação.

  • FRETE E ENVIO

    Enviamos através dos Correios para todo o Brasil.

    As despesas com retirada e remessa dos lotes, são de responsabilidade dos arrematantes.

    Em caso de envio por transportadoras, esta deverá ser providenciada pelo Arrematante.