Lote 197A
Carregando...

Tipo:
Prata de Lei

PHILLIP RUSSEL OURIVES OFICIAL DO REI GEORGE IV (1820-1830) E AUTOR DAS JÓIAS DA COROAÇÃO DESSE MONARCA, UM DOS MAIORES OURIVES DO SEC. XIX NA INGLATERRA PRECIOSO WINE COOLER EM PRATA DE LEI COM VERMEIL. MARCAS PARA CIDADE DE LONDRES E LETRA DATA 1822. UM MAJESTOSO EXEMPLO DA PRODUÇÃO DESSE FORMIDÁVEL OURIVES QUE PRIVOU DA CONFIANÇA E AGRADO DA FAMILIA REAL BRITANICA A ÉPOCA DE GEORGE IV. FOI SÓCIO DE POUL STORN OUTRO IMPORTANTE OURIVES INGLÊS. ESSE MUITO GRANDE WHINE COOLER ALÉM DE DIMENSÕES PALACIANAS TEM BELEZA E ELEGÂNCIA DE UMA PEÇA FEITA PARA REIS. POSSUI TAMPA REMOVIVEL QUE PERMITE SER UTILIZADO COMO ELEMENTO DECORATIVO DE DESTAQUE MESMO QUANDO NÃO É EMPREGADO NA FUNÇÃO PRIMORDIAL DE REFRESCADOR DE GARRAFAS. A PEGA DA TAMPA É EM FORMATO DE GRANDE PINHA. A BORDA, O PÉ E A BASE DO WHINE COOLER É DECORADA COM GODRONS. AO CENTRO UM BARRADO EM RELEVO COM CAPRICHADAS PARRAS E CACHOS DE UVA. ALÇAS LATERAIS. NA BASE INSCRIÇÃO EM LATIM: RUNDELL BRIDGE ET RUNDELL AURIFICES REGIS LONDINII (RUNDELL BRIDGE ET RUNDELL OURIVES DO REI DA INGLATERRA) UMA DAS MAIS IMPORTANTES PEÇAS DE OURIVESSARIA JÁ APREGOADAS EM NOSSOS LEILÕES. VIDE UM WINE COOLER MUITO SEMELHANTE A ESSE , TAMBÉM VENDIDO POR PHILLIP RUSSEL NA ÉPOCA DE SUA PARCERIA COM PAUL STORN VENDIDO POR 23.500 LIBRAS ESTERLINAS ( R$ 188.000,00 APROXIMADAMENTE) EM https://www.waxantiques.com/georgian-silver-wine-cooler-by-paul-storr.html. TAMBÉM O WHINE COOLER DA CASA BRANCA, RESIDENCIA DOS PRESIDENTES DOS EUAA É UMA PRODUÇÃO DE PHILLIP RUSSEL VIDE EM : https://www.wikiwand.com/en/Philip_Rundell. NGLATERRA, 1822. 42 CM DE ALTURA. 3150 G.NOTA: Philip Russel naceu em Norton St. Phillip em Somerset em 1746, um dos filhos mais novos de um grande família, foi educado nas proximidades de Bath e em 1760 foi aprendiz do Sr. William Rogers, um eminente joalheiro e ourives daquela cidade. Depois de cumprir seu aprendizado, ele se mudou para Londres em 1769, onde foi apresentado a William Pickett (1736-1796), um ourives, que o contratou como ajudante. Depois de alguns anos em virtude do desgostode Pickett com a morte de uma filha, o antigo patrão ofereceu o negócio a Philip Russel que fez prosperar grandemente a empresa. Pouco depois, Rundell ofereceu uma parceria a John Bridge (1755-1834), que nasceu em Piddletrentshide, perto de Dorchester em Dorset, Filho de um próspero fazendeiro arrendatário e, como Rundell, um ex-aprendiz de William Rogers em Bath. A partir deste ponto, a empresa cresceu prosperamente e em 1797 comprou a firma de John Duval & Sons de Londres, até então joalheria do Rei George III. Em 1804, a empresa recebeu a posição de principais ourives e joalheiros reais, o que significa que a empresa recebeu o mandado de fornecer a coroa, joias, medalhas e insígnias da Coroação de George IV. Em 1813 estabeleceu uma parceria subsidiária com Paul Storr, um dos ourives mais talentosos do século XIX. Esta oficina continuou a operar até 1834, mas Storr deixou a sociedade em 1819 para estabelecer suas próprias oficinas na Grays Inn Road e mais tarde na Bond Street, após o que Rundell introduziu sua própria marca registrada. Agentes da Rundell's operaram em toda a Europa e além - em Viena, São Petersburgo, Constantinopla, Alexandria, Bagdá e Calcutá - remessas de joias eram enviadas regularmente para a China. Eles tinham um grupo de artistas para fornecer designs e modelos para suas peças, incluindo John Flaxman (1755-1826), que em 1821 projetou a obra mais famosa da oficina, o Escudo de Aquiles, agora na Coleção Real dos monarcas ingleses. . A empresa também foi bem servida pelas conexões reais de John Bridge. Seu primo, outro John Bridge, foi fazendeiro em Winford Eagle em Dorset. Ele foi chamado para entreter o Rei George III, que estava em Weymouth com a família real, recuperando-se após sua primeira doença grave em 1788-89. Ele foi capaz de discutir métodos agrícolas modernos com o rei, que era apaixonado por agricultura. Na verdade o rei providenciou para que um rebanho de ovelhas fosse levado de sua fazenda para Dorset em Windsor. Como sinal de seu favor real. John Bridge, o fazendeiro, pediu ao rei que desse apoio real para negócios de seu primo em Ludgate Hill, e em seu retorno a Londres, o rei George mandou chamar John Bridge o joalheiro e o presenteou à rainha Charlotte e outros membros da família real. Seu trabalho agradou tanto a toda a família real que ele foi convidado a voltar. A partir desse ponto, John Bridge compareceu a corte praticamente todos os dias. A empresa floresceu ainda mais com Príncipe de Gales, mais tarde Príncipe regente e depois rei George IV, em particular, forneceram ao monarca uma enorme coleção de joias (O médico de George IV, Sir Henry Halford, acreditava que sua má circulação se devia ao peso de anéis e pulseiras em suas mãos e pulsos, ao invés de sua obesidade) e também om serviço real de jantar em prata de lei com cerca de 4000 peças. Ainda é o serviço de estado da Inglaterra usado nas ocasiões formais. As encomendas de George IV para joalheiros, particularmente Rundell's, foram um aspecto importante de seu patrocínio às artes. Ele foi particularmente generoso em dar joias para o mulheres de sua vida - sua mãe, governanta, irmãs e cunhadas, filha e amigas. Ele também acumulou coleções para fins de exibição em suas casas em Carlton House, Windsor Castle, Brighton Pavilion e Buckingham Palace. O aumento do crescimento da empresa também acompanhou as políticas e fortunas econômicas da época. No final do décimo oitavo século houve uma enxurrada de emigrados fugindo para a Inglaterra da Revolução Francesa, que precisava vender seus jóias. Muitos joalheiros se recusaram a considerá-los, temendo que não haveria mercado para eles, mas Rundell's comprou-os a preços baixos, separou-os e mandou-os remontar por uma equipe de operários e designers da empresa e depois os vendeu a preços altos.. Ironicamente, os anos das Guerras Napoleônicas foram um período da prosperidade econômica na Inglaterra e nas terras aristocracia gastou de forma visível e foi assertiva em seus exibição de riqueza. Além disso, os triunfos militares e navais foram recompensados com espadas de apresentação, medalhas, troféus e condecorações comemorativas. Com o benefício de suas conexões reais, Os Rundell's estavam na crista de uma onda e foi durante o período da Regência que a empresa atingiu o auge de seu sucesso. A empresa também exibiu um novo senso de espetáculo e publicidade inteligente. Em 1807, o interior do loja em Ludgate Hill, originalmente uma casa urbana de quatro andares com fachada de tijolos, foi aberta para showrooms em dois andares, o que, por exemplo, permitiu que novos pedidos importantes para o Príncipe Regente fossem anunciados e exibidos. Durante a era georgiana, as janelas de vidro laminado substituíram os fundos de garrafa antigos, permitindo que os donos de lojas exibam seus produtos para atrair o público a suas lojas. Vitrines haviam se tornado o novo passatempo para todas as classes. Situada no eixo entre a cidade e o West End e na rota processional para a Catedral de Saint Paul, Ludgate Hill foi decorado para aniversários reais com iluminações e bandeiras A loja estava bem localizada para atender aos clientes, para quem as compras da moda eram uma fuga agradável da agitação ruas. A empresa revirou o mercado de joias e prata, de modo que foi impulsionada pela oferta, ao invés da demanda. Entretanto Philip Rundell sofria cada vez mais de problemas de saúde crônicos e, em setembro de 1823, aposentou-se do o negócio. Ludgate Hill era há muito tempo seu local de residência estabelecido, mas quando se retirou de lá, ele comprou uma casa em Crescent, New Bridge Street, Blackfriars. Em sua aposentadoria ele foi morar em um chalé no número 20 de South Bank, Regents Park, que pertencia a sua amante, a Sra. Elizabeth Wartridge, para estar mais perto de seus conselheiros médicos. Ele morreu lá em fevereiro de 1827 e ele está enterrado em um cofre no cemitério da igreja de St. Mary's Hendon. Ao morrer, sua fortuna, fruto do trabalho de uma vida, foi uma das maiores já registradas na Grã Bretanha. Na relação de pessoas com maior riqueza registradas desde o ano de 1066 até o ano de 2007 alcançava a posição de numero 163. Legou sua fortuna ao sobrinho, JOSEPH NIELD, que ao morrer legou toda a fortuna para a RAINHA VITORIA. Ironicamente todo o patrimônio obtido a partir de suas conexões reais, foi deixando em testamento pelo herdeiro para a sobrinha neta do rei George IV que o guindou a posição de riqueza.

Peça

Visitas: 333

Tipo: Prata de Lei

PHILLIP RUSSEL OURIVES OFICIAL DO REI GEORGE IV (1820-1830) E AUTOR DAS JÓIAS DA COROAÇÃO DESSE MONARCA, UM DOS MAIORES OURIVES DO SEC. XIX NA INGLATERRA PRECIOSO WINE COOLER EM PRATA DE LEI COM VERMEIL. MARCAS PARA CIDADE DE LONDRES E LETRA DATA 1822. UM MAJESTOSO EXEMPLO DA PRODUÇÃO DESSE FORMIDÁVEL OURIVES QUE PRIVOU DA CONFIANÇA E AGRADO DA FAMILIA REAL BRITANICA A ÉPOCA DE GEORGE IV. FOI SÓCIO DE POUL STORN OUTRO IMPORTANTE OURIVES INGLÊS. ESSE MUITO GRANDE WHINE COOLER ALÉM DE DIMENSÕES PALACIANAS TEM BELEZA E ELEGÂNCIA DE UMA PEÇA FEITA PARA REIS. POSSUI TAMPA REMOVIVEL QUE PERMITE SER UTILIZADO COMO ELEMENTO DECORATIVO DE DESTAQUE MESMO QUANDO NÃO É EMPREGADO NA FUNÇÃO PRIMORDIAL DE REFRESCADOR DE GARRAFAS. A PEGA DA TAMPA É EM FORMATO DE GRANDE PINHA. A BORDA, O PÉ E A BASE DO WHINE COOLER É DECORADA COM GODRONS. AO CENTRO UM BARRADO EM RELEVO COM CAPRICHADAS PARRAS E CACHOS DE UVA. ALÇAS LATERAIS. NA BASE INSCRIÇÃO EM LATIM: RUNDELL BRIDGE ET RUNDELL AURIFICES REGIS LONDINII (RUNDELL BRIDGE ET RUNDELL OURIVES DO REI DA INGLATERRA) UMA DAS MAIS IMPORTANTES PEÇAS DE OURIVESSARIA JÁ APREGOADAS EM NOSSOS LEILÕES. VIDE UM WINE COOLER MUITO SEMELHANTE A ESSE , TAMBÉM VENDIDO POR PHILLIP RUSSEL NA ÉPOCA DE SUA PARCERIA COM PAUL STORN VENDIDO POR 23.500 LIBRAS ESTERLINAS ( R$ 188.000,00 APROXIMADAMENTE) EM https://www.waxantiques.com/georgian-silver-wine-cooler-by-paul-storr.html. TAMBÉM O WHINE COOLER DA CASA BRANCA, RESIDENCIA DOS PRESIDENTES DOS EUAA É UMA PRODUÇÃO DE PHILLIP RUSSEL VIDE EM : https://www.wikiwand.com/en/Philip_Rundell. NGLATERRA, 1822. 42 CM DE ALTURA. 3150 G.NOTA: Philip Russel naceu em Norton St. Phillip em Somerset em 1746, um dos filhos mais novos de um grande família, foi educado nas proximidades de Bath e em 1760 foi aprendiz do Sr. William Rogers, um eminente joalheiro e ourives daquela cidade. Depois de cumprir seu aprendizado, ele se mudou para Londres em 1769, onde foi apresentado a William Pickett (1736-1796), um ourives, que o contratou como ajudante. Depois de alguns anos em virtude do desgostode Pickett com a morte de uma filha, o antigo patrão ofereceu o negócio a Philip Russel que fez prosperar grandemente a empresa. Pouco depois, Rundell ofereceu uma parceria a John Bridge (1755-1834), que nasceu em Piddletrentshide, perto de Dorchester em Dorset, Filho de um próspero fazendeiro arrendatário e, como Rundell, um ex-aprendiz de William Rogers em Bath. A partir deste ponto, a empresa cresceu prosperamente e em 1797 comprou a firma de John Duval & Sons de Londres, até então joalheria do Rei George III. Em 1804, a empresa recebeu a posição de principais ourives e joalheiros reais, o que significa que a empresa recebeu o mandado de fornecer a coroa, joias, medalhas e insígnias da Coroação de George IV. Em 1813 estabeleceu uma parceria subsidiária com Paul Storr, um dos ourives mais talentosos do século XIX. Esta oficina continuou a operar até 1834, mas Storr deixou a sociedade em 1819 para estabelecer suas próprias oficinas na Grays Inn Road e mais tarde na Bond Street, após o que Rundell introduziu sua própria marca registrada. Agentes da Rundell's operaram em toda a Europa e além - em Viena, São Petersburgo, Constantinopla, Alexandria, Bagdá e Calcutá - remessas de joias eram enviadas regularmente para a China. Eles tinham um grupo de artistas para fornecer designs e modelos para suas peças, incluindo John Flaxman (1755-1826), que em 1821 projetou a obra mais famosa da oficina, o Escudo de Aquiles, agora na Coleção Real dos monarcas ingleses. . A empresa também foi bem servida pelas conexões reais de John Bridge. Seu primo, outro John Bridge, foi fazendeiro em Winford Eagle em Dorset. Ele foi chamado para entreter o Rei George III, que estava em Weymouth com a família real, recuperando-se após sua primeira doença grave em 1788-89. Ele foi capaz de discutir métodos agrícolas modernos com o rei, que era apaixonado por agricultura. Na verdade o rei providenciou para que um rebanho de ovelhas fosse levado de sua fazenda para Dorset em Windsor. Como sinal de seu favor real. John Bridge, o fazendeiro, pediu ao rei que desse apoio real para negócios de seu primo em Ludgate Hill, e em seu retorno a Londres, o rei George mandou chamar John Bridge o joalheiro e o presenteou à rainha Charlotte e outros membros da família real. Seu trabalho agradou tanto a toda a família real que ele foi convidado a voltar. A partir desse ponto, John Bridge compareceu a corte praticamente todos os dias. A empresa floresceu ainda mais com Príncipe de Gales, mais tarde Príncipe regente e depois rei George IV, em particular, forneceram ao monarca uma enorme coleção de joias (O médico de George IV, Sir Henry Halford, acreditava que sua má circulação se devia ao peso de anéis e pulseiras em suas mãos e pulsos, ao invés de sua obesidade) e também om serviço real de jantar em prata de lei com cerca de 4000 peças. Ainda é o serviço de estado da Inglaterra usado nas ocasiões formais. As encomendas de George IV para joalheiros, particularmente Rundell's, foram um aspecto importante de seu patrocínio às artes. Ele foi particularmente generoso em dar joias para o mulheres de sua vida - sua mãe, governanta, irmãs e cunhadas, filha e amigas. Ele também acumulou coleções para fins de exibição em suas casas em Carlton House, Windsor Castle, Brighton Pavilion e Buckingham Palace. O aumento do crescimento da empresa também acompanhou as políticas e fortunas econômicas da época. No final do décimo oitavo século houve uma enxurrada de emigrados fugindo para a Inglaterra da Revolução Francesa, que precisava vender seus jóias. Muitos joalheiros se recusaram a considerá-los, temendo que não haveria mercado para eles, mas Rundell's comprou-os a preços baixos, separou-os e mandou-os remontar por uma equipe de operários e designers da empresa e depois os vendeu a preços altos.. Ironicamente, os anos das Guerras Napoleônicas foram um período da prosperidade econômica na Inglaterra e nas terras aristocracia gastou de forma visível e foi assertiva em seus exibição de riqueza. Além disso, os triunfos militares e navais foram recompensados com espadas de apresentação, medalhas, troféus e condecorações comemorativas. Com o benefício de suas conexões reais, Os Rundell's estavam na crista de uma onda e foi durante o período da Regência que a empresa atingiu o auge de seu sucesso. A empresa também exibiu um novo senso de espetáculo e publicidade inteligente. Em 1807, o interior do loja em Ludgate Hill, originalmente uma casa urbana de quatro andares com fachada de tijolos, foi aberta para showrooms em dois andares, o que, por exemplo, permitiu que novos pedidos importantes para o Príncipe Regente fossem anunciados e exibidos. Durante a era georgiana, as janelas de vidro laminado substituíram os fundos de garrafa antigos, permitindo que os donos de lojas exibam seus produtos para atrair o público a suas lojas. Vitrines haviam se tornado o novo passatempo para todas as classes. Situada no eixo entre a cidade e o West End e na rota processional para a Catedral de Saint Paul, Ludgate Hill foi decorado para aniversários reais com iluminações e bandeiras A loja estava bem localizada para atender aos clientes, para quem as compras da moda eram uma fuga agradável da agitação ruas. A empresa revirou o mercado de joias e prata, de modo que foi impulsionada pela oferta, ao invés da demanda. Entretanto Philip Rundell sofria cada vez mais de problemas de saúde crônicos e, em setembro de 1823, aposentou-se do o negócio. Ludgate Hill era há muito tempo seu local de residência estabelecido, mas quando se retirou de lá, ele comprou uma casa em Crescent, New Bridge Street, Blackfriars. Em sua aposentadoria ele foi morar em um chalé no número 20 de South Bank, Regents Park, que pertencia a sua amante, a Sra. Elizabeth Wartridge, para estar mais perto de seus conselheiros médicos. Ele morreu lá em fevereiro de 1827 e ele está enterrado em um cofre no cemitério da igreja de St. Mary's Hendon. Ao morrer, sua fortuna, fruto do trabalho de uma vida, foi uma das maiores já registradas na Grã Bretanha. Na relação de pessoas com maior riqueza registradas desde o ano de 1066 até o ano de 2007 alcançava a posição de numero 163. Legou sua fortuna ao sobrinho, JOSEPH NIELD, que ao morrer legou toda a fortuna para a RAINHA VITORIA. Ironicamente todo o patrimônio obtido a partir de suas conexões reais, foi deixando em testamento pelo herdeiro para a sobrinha neta do rei George IV que o guindou a posição de riqueza.

Vídeo

Informações

Lance

    • 28 lance(s)

    • R$ 27,000.00

  • Lote Vendido
Termos e Condições
Condições de Pagamento
Frete e Envio
  • TERMOS E CONDIÇÕES

    1ª. As peças que compõem o presente LEILÃO, foram cuidadosamente examinadas pelos organizadores que, solidários com os proprietários das mesmas, se responsabilizam por suas descrições.

    2ª. Em caso eventual de engano na autenticidade de peças, comprovado por peritos idôneos, e mediante laudo assinado, ficará desfeita a venda, desde que a reclamação seja feita em até 5 dias após o término do leilão. Findo o prazo, não será mais admitidas quaisquer reclamação, considerando-se definitiva a venda.

    3ª. As peças estrangeiras serão sempre vendidas como Atribuídas.

    4ª. O Leiloeiro não é proprietário dos lotes, mas o faz em nome de terceiros, que são responsáveis pela licitude e desembaraço dos mesmos.

    5ª. Elaborou-se com esmero o catálogo, cujos lotes se acham descritos de modo objetivo. As peças serão vendidas NO ESTADO em que foram recebidas e expostas. Descrição de estado ou vícios decorrentes do uso será descrito dentro do possível, mas sem obrigação. Pelo que se solicita aos interessados ou seus peritos, prévio e detalhado exame até o dia do pregão. Depois da venda realizada não serão aceitas reclamações quanto ao estado das mesmas nem servirá de alegação para descumprir compromisso firmado.

    6ª. Os leilões obedecem rigorosamente à ordem do catalogo.

    7ª. Ofertas por escrito podem ser feitas antes dos leilões, ou autorizar a lançar em seu nome; o que será feito por funcionário autorizado.

    8ª. Os Organizadores colocarão a título de CORTESIA, de forma gratuita e confidencial, serviço de arrematação pelo telefone e Internet, sem que isto o obrigue legalmente perante falhas de terceiros.

    8.1. LANCES PELA INTERNET: O arrematante poderá efetuar lances automáticos, de tal maneira que, se outro arrematante cobrir sua oferta, o sistema automaticamente gerará um novo lance para aquele arrematante, acrescido do incremento mínimo, até o limite máximo estabelecido pelo arrematante. Os lances automáticos ficarão registrados no sistema com a data em que forem feitos. Os lances ofertados são IRREVOGÁVEIS e IRRETRATÁVEIS. O arrematante é responsável por todos os lances feitos em seu nome, pelo que os lances não podem ser anulados e/ou cancelados em nenhuma hipótese.

    8.2. Em caso de empate entre arrematantes que efetivaram lances no mesmo lote e de mesmo valor, prevalecerá vencedor aquele que lançou primeiro (data e hora do registro do lance no site), devendo ser considerado inclusive que o lance automático fica registrado na data em que foi feito. Para desempate, o lance automático prevalecerá sobre o lance manual.

    9ª. O Organizador se reserva o direito de não aceitar lances de licitante com obrigações pendentes.

    10ª. Adquiridas as peças e assinado pelo arrematante o compromisso de compra, NÃO MAIS SERÃO ADMITIDAS DESISTÊNCIAS sob qualquer alegação.

    11ª. O arremate será sempre em moeda nacional. A progressão dos lances, nunca inferior a 5% do anterior, e sempre em múltiplo de dez. Outro procedimento será sempre por licença do Leiloeiro; o que não cria novação.

    12ª. Em caso de litígio prevalece a palavra do Leiloeiro.

    13ª. As peças adquiridas deverão ser pagas e retiradas IMPRETERIVELMENTE em até 48 horas após o término do leilão, e serão acrescidas da comissão do Leiloeiro, (5%). Não sendo obedecido o prazo previsto, o Leiloeiro poderá dar por desfeita a venda e, por via de EXECUÇÃO JUDICIAL, cobrar sua comissão e a dos organizadores.

    14ª. As despesas com as remessas dos lotes adquiridos, caso estes não possam ser retirados, serão de inteira responsabilidade dos arrematantes. O cálculo de frete, serviços de embalagem e despacho das mercadorias deverão ser considerados como Cortesia e serão efetuados pelas Galerias e/ou Organizadores mediante prévia indicação da empresa responsável pelo transporte e respectivo pagamento dos custos de envio.

    15ª. Qualquer litígio referente ao presente leilão está subordinado à legislação brasileira e a jurisdição dos tribunais da cidade de Campinas - SP. Os casos omissos regem-se pela legislação pertinente, e em especial pelo Decreto 21.981, de 19 de outubro de 1932, Capítulo III, Arts. 19 a 43, com as alterações introduzidas pelo Decreto 22.427., de 1º. de fevereiro de 1933.

  • CONDIÇÕES DE PAGAMENTO

    À vista com acréscimo da taxa do leiloeiro de 5%.
    Através de depósito ou transferência bancária em conta a ser enviada por e-mail após o último dia do leilão.
    Não aceitamos cartões de crédito ou débito.
    O pagamento deverá ser efetuado até 72 horas após o término do leilão sob risco da venda ser desfeita.

  • FRETE E ENVIO

    Enviamos através dos Correios para todo o Brasil.

    As despesas com retirada e remessa dos lotes, são de responsabilidade dos arrematantes.

    Em caso de envio por transportadoras, esta deverá ser providenciada pelo Arrematante.