Lote 546
Carregando...

Tipo:
Vidro

CHARLES SCHINEIDER (1881-1953) LINDO FLOREIRO EM VIDRO ARTÍSTICO DE GRANDE DIMENSÃO NA TONALIDADE AMARELA E ROXA. ESTILO E ÉPOCA ART DECO. ASSINADA PELO ARTISTA. PEÇA MAGNÍFICA. FRANÇA, PRIMEIRA METADE DO SEC. XX. 28 X 19 CM.NOTA: Charles Schneider nasceu em Chateau-Thierry, perto de Paris, em 23 de fevereiro de 1881. Em tenra idade mudou-se com sua família para Nancy, o centro artístico da França. Seu irmão, Ernest Schneider (1877-1937), começou a trabalhar para Daum em 1903 como funcionário. Charles tinha iniciado uma carreira artística e já estava ativo em Daum desde 1898. Realizou seu treinamento prático na oficina de gravura e decoração, mas também fez lições de desenho e modelagem com Henri Berge. Ao mesmo tempo, ele estudou a Ecole des Beaux-Arts em Nancy. Em 1904, ele foi à Ecole Nationale des Beaux-Arts de Paris e estudou pintura e gravação. Durante este período, ele fez objetos de arte de bronze no estilo Art Nouveau puro, todos assinados "CH. SCHNEIDER Nancy". A partir de 1906, ele exibiu regularmente na seção Gravação do Salon de la Société des Artistes Francais e foi premiado duas vezes. Em 1913, os irmãos decidiram começar seu próprio negócio e comprar uma pequena fábrica de vidro, especializada em lâmpadas elétricas, em associação com um amigo Henri Wolf, em Epinay-sur-Seine. Esta fábrica era conhecida como 'Schneider Freres & Wolf'. A nova produção de vidro começou com, um grupo de cerca de vinte trabalhadores seduzidos pela fabricação de Daum. No início da Primeira Guerra Mundial, a atividade da empresa teve que ser interrompida e ficou fechada até o final de 1914. Ernest e Charles foram desmobilizados em 1917 e a fábrica reabriu sob o nome de "Societe Anonyme des Verreries Schneider". Neste momento, o gosto público ainda favorecia o estilo Art Nouveau, e a fábrica produzia principalmente vidro "cameo" com projetos florais e animais e vasos com alças e bolhas aplicadas. Além da introdução do vidro artístico, metade da produção era de copos comerciais. Em 1918, o fogo destruiu os estúdios de Galle e um grupo de artistas foi para Schneider's para continuar sua produção para Galle. Este período foi de grande importância para Charles Schneider porque adquiriu a técnica de "marqueterie de verre" dos artistas de Galle. As grandes taças de pé preto são um dos primeiros tipos de arte de vidro fabricados pela fábrica Schneider. Esses projetos dão apenas uma idéia parcial, no entanto, da variedade de tigelas desse tipo que foram produzidas pelo menos nos próximos seis anos. Durante o primeiro período, eles tiveram um acabamento acetinado (1918-1921). Mais tarde, eles foram polidos para uma superfície lisa e brilhante. Nesse período, a Schneider começou a produzir peças topo de linha com motivos intercalares ou com padrões aplicados que requerem um domínio completo da técnica de execução por parte do glassmaker. Deve-se mencionar as peças com padrões esculpidos nas rodas, como a série "Raisins noirs" e as séries de medalhões "Pavots" ou "Camelias". Alguns dos modelos mais interessantes da fábrica durante o período inicial foram projetados por Gaston Hoffman entre 1918 e 1921. Suas peças não foram assinadas com o nome, já que ele era um empregado assalariado da empresa. A maioria dos seus modelos está no topo da produção da fábrica. Em 1920, a fábrica estava trabalhando em plena capacidade fazendo principalmente vidro artistico. Em 1921, a Schneider iniciou novas marcas comerciais para o seu vidro cameo, assinando o 'Le Verre Français' ou 'Charder'. Às vezes, um vaso ou lâmpada suportaria ambas as assinaturas. A idéia era popularizar o vidro de arte e torná-lo mais acessível ao público. Le Verre Français foi vendido principalmente em lojas de departamento como Galeries Lafayette, Le Printemps e Le Bon Marche. As peças assinadas 'Schneider' foram vendidas por lojas de arte especializadas como Delvaux, Rouard, La Vase Etrusque e Le Grand Depot. O Le Verre Français foi feito exclusivamente com a técnica de corrosão ácida, que fornecia boa qualidade a baixo preço. A técnica de gravação da roda através de diferentes camadas de vidro foi usada apenas para peças especiais (como esta apresentada no lote). Após a exposição de 1925, vários novos projetos foram criados e a fábrica expandiu para empregar cerca de 500 trabalhadores. O vidro em branco também foi fornecido a lojas de arte (Delvaux etc.) a serem decoradas (esmaltadas, pintadas etc.) por seus próprios artistas, e as comissões foram recebidas de Coty, uma empresa de perfumaria. Neste momento, a empresa estava em seu pico devido aos bons projetos dos anos anteriores, como o novo estilo criado em 1920 usando novas formas e cores contrastantes, aplicando pé preto e alças para vasos de cores vivas, dando-lhes assim um efeito dramático. Sempre inovador, a Schneider criou uma nova técnica de "pós coloridos", pelo qual o vidro pulverizado foi misturado com óxidos metálicos para obter diferentes cores e, em seguida, espalhar sobre uma superfície plana . A maioria dos vasos e lâmpadas de arte da Schneider foram exportados para a América

Peça

Visitas: 85

Tipo: Vidro

CHARLES SCHINEIDER (1881-1953) LINDO FLOREIRO EM VIDRO ARTÍSTICO DE GRANDE DIMENSÃO NA TONALIDADE AMARELA E ROXA. ESTILO E ÉPOCA ART DECO. ASSINADA PELO ARTISTA. PEÇA MAGNÍFICA. FRANÇA, PRIMEIRA METADE DO SEC. XX. 28 X 19 CM.NOTA: Charles Schneider nasceu em Chateau-Thierry, perto de Paris, em 23 de fevereiro de 1881. Em tenra idade mudou-se com sua família para Nancy, o centro artístico da França. Seu irmão, Ernest Schneider (1877-1937), começou a trabalhar para Daum em 1903 como funcionário. Charles tinha iniciado uma carreira artística e já estava ativo em Daum desde 1898. Realizou seu treinamento prático na oficina de gravura e decoração, mas também fez lições de desenho e modelagem com Henri Berge. Ao mesmo tempo, ele estudou a Ecole des Beaux-Arts em Nancy. Em 1904, ele foi à Ecole Nationale des Beaux-Arts de Paris e estudou pintura e gravação. Durante este período, ele fez objetos de arte de bronze no estilo Art Nouveau puro, todos assinados "CH. SCHNEIDER Nancy". A partir de 1906, ele exibiu regularmente na seção Gravação do Salon de la Société des Artistes Francais e foi premiado duas vezes. Em 1913, os irmãos decidiram começar seu próprio negócio e comprar uma pequena fábrica de vidro, especializada em lâmpadas elétricas, em associação com um amigo Henri Wolf, em Epinay-sur-Seine. Esta fábrica era conhecida como 'Schneider Freres & Wolf'. A nova produção de vidro começou com, um grupo de cerca de vinte trabalhadores seduzidos pela fabricação de Daum. No início da Primeira Guerra Mundial, a atividade da empresa teve que ser interrompida e ficou fechada até o final de 1914. Ernest e Charles foram desmobilizados em 1917 e a fábrica reabriu sob o nome de "Societe Anonyme des Verreries Schneider". Neste momento, o gosto público ainda favorecia o estilo Art Nouveau, e a fábrica produzia principalmente vidro "cameo" com projetos florais e animais e vasos com alças e bolhas aplicadas. Além da introdução do vidro artístico, metade da produção era de copos comerciais. Em 1918, o fogo destruiu os estúdios de Galle e um grupo de artistas foi para Schneider's para continuar sua produção para Galle. Este período foi de grande importância para Charles Schneider porque adquiriu a técnica de "marqueterie de verre" dos artistas de Galle. As grandes taças de pé preto são um dos primeiros tipos de arte de vidro fabricados pela fábrica Schneider. Esses projetos dão apenas uma idéia parcial, no entanto, da variedade de tigelas desse tipo que foram produzidas pelo menos nos próximos seis anos. Durante o primeiro período, eles tiveram um acabamento acetinado (1918-1921). Mais tarde, eles foram polidos para uma superfície lisa e brilhante. Nesse período, a Schneider começou a produzir peças topo de linha com motivos intercalares ou com padrões aplicados que requerem um domínio completo da técnica de execução por parte do glassmaker. Deve-se mencionar as peças com padrões esculpidos nas rodas, como a série "Raisins noirs" e as séries de medalhões "Pavots" ou "Camelias". Alguns dos modelos mais interessantes da fábrica durante o período inicial foram projetados por Gaston Hoffman entre 1918 e 1921. Suas peças não foram assinadas com o nome, já que ele era um empregado assalariado da empresa. A maioria dos seus modelos está no topo da produção da fábrica. Em 1920, a fábrica estava trabalhando em plena capacidade fazendo principalmente vidro artistico. Em 1921, a Schneider iniciou novas marcas comerciais para o seu vidro cameo, assinando o 'Le Verre Français' ou 'Charder'. Às vezes, um vaso ou lâmpada suportaria ambas as assinaturas. A idéia era popularizar o vidro de arte e torná-lo mais acessível ao público. Le Verre Français foi vendido principalmente em lojas de departamento como Galeries Lafayette, Le Printemps e Le Bon Marche. As peças assinadas 'Schneider' foram vendidas por lojas de arte especializadas como Delvaux, Rouard, La Vase Etrusque e Le Grand Depot. O Le Verre Français foi feito exclusivamente com a técnica de corrosão ácida, que fornecia boa qualidade a baixo preço. A técnica de gravação da roda através de diferentes camadas de vidro foi usada apenas para peças especiais (como esta apresentada no lote). Após a exposição de 1925, vários novos projetos foram criados e a fábrica expandiu para empregar cerca de 500 trabalhadores. O vidro em branco também foi fornecido a lojas de arte (Delvaux etc.) a serem decoradas (esmaltadas, pintadas etc.) por seus próprios artistas, e as comissões foram recebidas de Coty, uma empresa de perfumaria. Neste momento, a empresa estava em seu pico devido aos bons projetos dos anos anteriores, como o novo estilo criado em 1920 usando novas formas e cores contrastantes, aplicando pé preto e alças para vasos de cores vivas, dando-lhes assim um efeito dramático. Sempre inovador, a Schneider criou uma nova técnica de "pós coloridos", pelo qual o vidro pulverizado foi misturado com óxidos metálicos para obter diferentes cores e, em seguida, espalhar sobre uma superfície plana . A maioria dos vasos e lâmpadas de arte da Schneider foram exportados para a América

Vídeo

Informações

Lance

    • 1 lance(s)

    • R$ 1,500.00

  • Lote Vendido
Termos e Condições
Condições de Pagamento
Frete e Envio
  • TERMOS E CONDIÇÕES

    1ª. As peças que compõem o presente LEILÃO, foram cuidadosamente examinadas pelos organizadores que, solidários com os proprietários das mesmas, se responsabilizam por suas descrições.

    2ª. Em caso eventual de engano na autenticidade de peças, comprovado por peritos idôneos, e mediante laudo assinado, ficará desfeita a venda, desde que a reclamação seja feita em até 5 dias após o término do leilão. Findo o prazo, não será mais admitidas quaisquer reclamação, considerando-se definitiva a venda.

    3ª. As peças estrangeiras serão sempre vendidas como Atribuídas.

    4ª. O Leiloeiro não é proprietário dos lotes, mas o faz em nome de terceiros, que são responsáveis pela licitude e desembaraço dos mesmos.

    5ª. Elaborou-se com esmero o catálogo, cujos lotes se acham descritos de modo objetivo. As peças serão vendidas NO ESTADO em que foram recebidas e expostas. Descrição de estado ou vícios decorrentes do uso será descrito dentro do possível, mas sem obrigação. Pelo que se solicita aos interessados ou seus peritos, prévio e detalhado exame até o dia do pregão. Depois da venda realizada não serão aceitas reclamações quanto ao estado das mesmas nem servirá de alegação para descumprir compromisso firmado.

    6ª. Os leilões obedecem rigorosamente à ordem do catalogo.

    7ª. Ofertas por escrito podem ser feitas antes dos leilões, ou autorizar a lançar em seu nome; o que será feito por funcionário autorizado.

    8ª. Os Organizadores colocarão a título de CORTESIA, de forma gratuita e confidencial, serviço de arrematação pelo telefone e Internet, sem que isto o obrigue legalmente perante falhas de terceiros.

    8.1. LANCES PELA INTERNET: O arrematante poderá efetuar lances automáticos, de tal maneira que, se outro arrematante cobrir sua oferta, o sistema automaticamente gerará um novo lance para aquele arrematante, acrescido do incremento mínimo, até o limite máximo estabelecido pelo arrematante. Os lances automáticos ficarão registrados no sistema com a data em que forem feitos. Os lances ofertados são IRREVOGÁVEIS e IRRETRATÁVEIS. O arrematante é responsável por todos os lances feitos em seu nome, pelo que os lances não podem ser anulados e/ou cancelados em nenhuma hipótese.

    8.2. Em caso de empate entre arrematantes que efetivaram lances no mesmo lote e de mesmo valor, prevalecerá vencedor aquele que lançou primeiro (data e hora do registro do lance no site), devendo ser considerado inclusive que o lance automático fica registrado na data em que foi feito. Para desempate, o lance automático prevalecerá sobre o lance manual.

    9ª. O Organizador se reserva o direito de não aceitar lances de licitante com obrigações pendentes.

    10ª. Adquiridas as peças e assinado pelo arrematante o compromisso de compra, NÃO MAIS SERÃO ADMITIDAS DESISTÊNCIAS sob qualquer alegação.

    11ª. O arremate será sempre em moeda nacional. A progressão dos lances, nunca inferior a 5% do anterior, e sempre em múltiplo de dez. Outro procedimento será sempre por licença do Leiloeiro; o que não cria novação.

    12ª. Em caso de litígio prevalece a palavra do Leiloeiro.

    13ª. As peças adquiridas deverão ser pagas e retiradas IMPRETERIVELMENTE em até 48 horas após o término do leilão, e serão acrescidas da comissão do Leiloeiro, (5%). Não sendo obedecido o prazo previsto, o Leiloeiro poderá dar por desfeita a venda e, por via de EXECUÇÃO JUDICIAL, cobrar sua comissão e a dos organizadores.

    14ª. As despesas com as remessas dos lotes adquiridos, caso estes não possam ser retirados, serão de inteira responsabilidade dos arrematantes. O cálculo de frete, serviços de embalagem e despacho das mercadorias deverão ser considerados como Cortesia e serão efetuados pelas Galerias e/ou Organizadores mediante prévia indicação da empresa responsável pelo transporte e respectivo pagamento dos custos de envio.

    15ª. Qualquer litígio referente ao presente leilão está subordinado à legislação brasileira e a jurisdição dos tribunais da cidade de Campinas - SP. Os casos omissos regem-se pela legislação pertinente, e em especial pelo Decreto 21.981, de 19 de outubro de 1932, Capítulo III, Arts. 19 a 43, com as alterações introduzidas pelo Decreto 22.427., de 1º. de fevereiro de 1933.

  • CONDIÇÕES DE PAGAMENTO

    À vista, acrescido da taxa do leiloeiro de 5 %.

    Através de depósito ou transferência bancária em conta a ser informada através do e-mail de cobrança.

    Não aceitamos cartões de crédito.

    Para depósitos em cheque, as peças serão liberadas para retirada/envio somente após a compensação.

  • FRETE E ENVIO

    Enviamos através dos Correios para todo o Brasil.

    As despesas com retirada e remessa dos lotes, são de responsabilidade dos arrematantes.

    Em caso de envio por transportadoras, esta deverá ser providenciada pelo Arrematante.