Lote 65
Carregando...

Tipo:
Quadros

IL GIURAMENTO DEI SASSONI A NAPOLEONE DOPO LA BATTAGLIA DI JENA (JURAMENTO DOS SAXÓES A NAPOLEÃO BONAPARTE DEPOIS DA BATALHA DE JENA) OLEO SOBRE CANVAS MONUMENTAL OBRA PICTÓRICA SEGUNDO OBRA DE PIETRO BENVENUTI EM 1812. ESSA GRANDE E IMPORTANTE COMISSÃO IMPERIAL FOI ORIGINALMENTE EXECUTADA PELO ARTISTA APÓS UMA VIAGEM A PARIS ENTRE O FINAL DE 1809 E OS PRIMEIROS MESES DE 1810. A COMISSÃO FOI DADA A ELE PELO PRÓPRIO IMPERADOR AINDA NA CAPITAL FRANCESA. A PINTURA FOI CONCLUÍDA EM 1812. EMBORA O EPISÓDIO RETRATADO TENHA OCORRIDO NO INICIO DA TARDE, BENVENNUTI AMBIENTA A CENA A NOITE NO PÁDIO DA UNIVERSIDADE DE JENA. EM UMA CENA DRAMÁTICA ANTE UM DESTROÇADO CORPO DE OFICIAIS PRUSSIANOS QUE LHE PRESTAM JURAMENTO DE CAPITULAÇÃO E OBEDIÊNCIA ESTÁ NAPOLEÃO DE PÉ, EM POSIÇÃO MARCIAL, DIANTE DE UM PORTAL, CERCADO PELOS OFICIAIS QUE PARTICIPARAM DA BATALHA DE JENA EM 14 DE OUTUBRO DE 1806. A SUA FRENTE ESTA O AJUDANTE GENERAL JEAN BAPTISTE BESSIERES E UM POUCO MAIS ATRÁS O GENERAL JOACHIM MURAT UNIFORMIZADO DE HUSSARDO. A FIGURA COM O TURBANTE É O FIEL MANLUK RUSTAM, TRAZIDO PARA A FRANÇA DA CAMPANHA EGIPCIA EM 1978. ATRÁS ESTÃO O GENERAL LOUIS ALEXANDRE BERTHIER E O MARECHAL JEAN LANNES, TAMBÉM COM O UNIFORME DE HUSSARDO. A TELA É ILUMINADA PELA LUZ DO LUAR E O CLARÃO DOS APOSENTOS ATRÁS DO IMPERADOR QUE LHE CONFEREM UMA AURA DE DIVINO. A COMPOSIÇÃO DA PINTURA É BASEADA NO FAMOSO JURAMENTO DO HORATII DE DAVID. É BEM PROVÁVEL QUE BENVENUTTI TENHA RECEBIDO COMO FONTES AS DESCRIÇÕES HISTÓRICAS QUE, COM TONS CELEBRATIVOS, APARECIAM NOS ESCRITOS OFICIAIS, COMO O "BULETTIN DE LA GRANDE ARMEE". O QUADRO É MAGNIFICADMENTE EMOLDURADO COM ARREMATES EM OURO. ITALIA, SEC. XIX. 102 X 140 CM (CONSIDERANDO O TAMANHO DA MOLDURA) SEM CONSIDERAR A MOLDURA TEM 78 X 118 CMNOTA: A Batalha de Jena aconteceu em 14 de outubro de 1806, onde se enfrentaram o exército francês de Napoleão contra as tropas prussianas comandadas por Frederico Guilherme III da Prússia. Esta batalha, junto com a Batalha de Auerstedt, significou a derrota da Prússia e sua saída das Guerras Napoleônicas até 1813. A orgulhosa Prussia foi esmagada e perdeu metade de seu território.. A batalha começou na manhã de 14 de outubro de 1806, nos campos gramados perto de Jena. Os primeiros movimentos do exército francês foram ataques a qualquer flanco das linhas prussianas. Isso deu aos exércitos de apoio (constituindo o ataque central) tempo para se posicionarem. As escaramuças tiveram pouco sucesso decisivo, exceto por um avanço do general francês Saint-Hilaire , que atacou e isolou o flanco esquerdo prussiano. Naquela época, o marechal Michel Ney havia completado suas manobras e assumido a posição ordenada por Napoleão. No entanto, uma vez em posição, Ney decidiu atacar a linha prussiana apesar de não ter ordens para fazê-lo, um movimento que se revelou quase desastroso. O ataque inicial de Ney foi um sucesso, mas ele se viu sobrecarregado e sob fogo pesado da artilharia prussiana. Reconhecendo a saliência angustiada, o general prussiano ordenou um contra-ataque e envolveu as forças de Ney; Ney os formou em um quadrado para proteger todos os seus flancos. Napoleão reconheceu a situação de Ney e ordenou que o marechal Jean Lannes se deslocasse do centro de ataque para ajudar Ney.Essa ação deixou o centro francês fraco. No entanto, Napoleão implantou a Guarda Imperial para segurar o centro francês até que Ney pudesse ser resgatado. Essa adaptabilidade foi um dos maiores pontos fortes de Napoleão. Ele mantinha a Guarda Imperial sob seu comando direto e podia ordenar que tomassem posições dependendo da situação que a batalha o apresentasse. O resgate funcionou e as unidades de Ney conseguiram se retirar da batalha. Embora os franceses estivessem em uma situação preocupante, os comandantes prussianos não tomaram a iniciativa de pressionar as fraquezas francesas. Posteriormente, isso foi considerado como sua ruína. A inatividade da infantaria prussiana deixou-os abertos à artilharia e ao fogo da infantaria leve. Um general prussiano escreveu mais tarde que "O marechal Joachim Murat , o mais famoso de muitos ousados e carismáticos comandantes de cavalaria francesa da época, lidera um ataque durante a batalha. Foi nessa altura, por volta das 13 horas, que Napoleão decidiu dar o passo decisivo. Ele ordenou que seus flancos empurrassem com força e tentassem romper os flancos prussianos e cercar o exército central principal, enquanto o centro francês tentava esmagar o centro prussiano. Os ataques nos flancos provaram ser um sucesso e fizeram com que muitas das divisões prussianas nos flancos fugissem do campo de batalha. Com seus flancos quebrados, o exército prussiano foi forçado a se retirar e Napoleão venceu outra batalha. No total, o exército prussiano perdeu 10.000 homens mortos ou feridos, teve 15.000 prisioneiros de guerra e 150 armas.

Peça

Visitas: 99

Tipo: Quadros

IL GIURAMENTO DEI SASSONI A NAPOLEONE DOPO LA BATTAGLIA DI JENA (JURAMENTO DOS SAXÓES A NAPOLEÃO BONAPARTE DEPOIS DA BATALHA DE JENA) OLEO SOBRE CANVAS MONUMENTAL OBRA PICTÓRICA SEGUNDO OBRA DE PIETRO BENVENUTI EM 1812. ESSA GRANDE E IMPORTANTE COMISSÃO IMPERIAL FOI ORIGINALMENTE EXECUTADA PELO ARTISTA APÓS UMA VIAGEM A PARIS ENTRE O FINAL DE 1809 E OS PRIMEIROS MESES DE 1810. A COMISSÃO FOI DADA A ELE PELO PRÓPRIO IMPERADOR AINDA NA CAPITAL FRANCESA. A PINTURA FOI CONCLUÍDA EM 1812. EMBORA O EPISÓDIO RETRATADO TENHA OCORRIDO NO INICIO DA TARDE, BENVENNUTI AMBIENTA A CENA A NOITE NO PÁDIO DA UNIVERSIDADE DE JENA. EM UMA CENA DRAMÁTICA ANTE UM DESTROÇADO CORPO DE OFICIAIS PRUSSIANOS QUE LHE PRESTAM JURAMENTO DE CAPITULAÇÃO E OBEDIÊNCIA ESTÁ NAPOLEÃO DE PÉ, EM POSIÇÃO MARCIAL, DIANTE DE UM PORTAL, CERCADO PELOS OFICIAIS QUE PARTICIPARAM DA BATALHA DE JENA EM 14 DE OUTUBRO DE 1806. A SUA FRENTE ESTA O AJUDANTE GENERAL JEAN BAPTISTE BESSIERES E UM POUCO MAIS ATRÁS O GENERAL JOACHIM MURAT UNIFORMIZADO DE HUSSARDO. A FIGURA COM O TURBANTE É O FIEL MANLUK RUSTAM, TRAZIDO PARA A FRANÇA DA CAMPANHA EGIPCIA EM 1978. ATRÁS ESTÃO O GENERAL LOUIS ALEXANDRE BERTHIER E O MARECHAL JEAN LANNES, TAMBÉM COM O UNIFORME DE HUSSARDO. A TELA É ILUMINADA PELA LUZ DO LUAR E O CLARÃO DOS APOSENTOS ATRÁS DO IMPERADOR QUE LHE CONFEREM UMA AURA DE DIVINO. A COMPOSIÇÃO DA PINTURA É BASEADA NO FAMOSO JURAMENTO DO HORATII DE DAVID. É BEM PROVÁVEL QUE BENVENUTTI TENHA RECEBIDO COMO FONTES AS DESCRIÇÕES HISTÓRICAS QUE, COM TONS CELEBRATIVOS, APARECIAM NOS ESCRITOS OFICIAIS, COMO O "BULETTIN DE LA GRANDE ARMEE". O QUADRO É MAGNIFICADMENTE EMOLDURADO COM ARREMATES EM OURO. ITALIA, SEC. XIX. 102 X 140 CM (CONSIDERANDO O TAMANHO DA MOLDURA) SEM CONSIDERAR A MOLDURA TEM 78 X 118 CMNOTA: A Batalha de Jena aconteceu em 14 de outubro de 1806, onde se enfrentaram o exército francês de Napoleão contra as tropas prussianas comandadas por Frederico Guilherme III da Prússia. Esta batalha, junto com a Batalha de Auerstedt, significou a derrota da Prússia e sua saída das Guerras Napoleônicas até 1813. A orgulhosa Prussia foi esmagada e perdeu metade de seu território.. A batalha começou na manhã de 14 de outubro de 1806, nos campos gramados perto de Jena. Os primeiros movimentos do exército francês foram ataques a qualquer flanco das linhas prussianas. Isso deu aos exércitos de apoio (constituindo o ataque central) tempo para se posicionarem. As escaramuças tiveram pouco sucesso decisivo, exceto por um avanço do general francês Saint-Hilaire , que atacou e isolou o flanco esquerdo prussiano. Naquela época, o marechal Michel Ney havia completado suas manobras e assumido a posição ordenada por Napoleão. No entanto, uma vez em posição, Ney decidiu atacar a linha prussiana apesar de não ter ordens para fazê-lo, um movimento que se revelou quase desastroso. O ataque inicial de Ney foi um sucesso, mas ele se viu sobrecarregado e sob fogo pesado da artilharia prussiana. Reconhecendo a saliência angustiada, o general prussiano ordenou um contra-ataque e envolveu as forças de Ney; Ney os formou em um quadrado para proteger todos os seus flancos. Napoleão reconheceu a situação de Ney e ordenou que o marechal Jean Lannes se deslocasse do centro de ataque para ajudar Ney.Essa ação deixou o centro francês fraco. No entanto, Napoleão implantou a Guarda Imperial para segurar o centro francês até que Ney pudesse ser resgatado. Essa adaptabilidade foi um dos maiores pontos fortes de Napoleão. Ele mantinha a Guarda Imperial sob seu comando direto e podia ordenar que tomassem posições dependendo da situação que a batalha o apresentasse. O resgate funcionou e as unidades de Ney conseguiram se retirar da batalha. Embora os franceses estivessem em uma situação preocupante, os comandantes prussianos não tomaram a iniciativa de pressionar as fraquezas francesas. Posteriormente, isso foi considerado como sua ruína. A inatividade da infantaria prussiana deixou-os abertos à artilharia e ao fogo da infantaria leve. Um general prussiano escreveu mais tarde que "O marechal Joachim Murat , o mais famoso de muitos ousados e carismáticos comandantes de cavalaria francesa da época, lidera um ataque durante a batalha. Foi nessa altura, por volta das 13 horas, que Napoleão decidiu dar o passo decisivo. Ele ordenou que seus flancos empurrassem com força e tentassem romper os flancos prussianos e cercar o exército central principal, enquanto o centro francês tentava esmagar o centro prussiano. Os ataques nos flancos provaram ser um sucesso e fizeram com que muitas das divisões prussianas nos flancos fugissem do campo de batalha. Com seus flancos quebrados, o exército prussiano foi forçado a se retirar e Napoleão venceu outra batalha. No total, o exército prussiano perdeu 10.000 homens mortos ou feridos, teve 15.000 prisioneiros de guerra e 150 armas.

Vídeo

Informações

Lance

    • 2 lance(s)

    • R$ 4,600.00

  • Lote Vendido
Termos e Condições
Condições de Pagamento
Frete e Envio
  • TERMOS E CONDIÇÕES

    1ª. As peças que compõem o presente LEILÃO, foram cuidadosamente examinadas pelos organizadores que, solidários com os proprietários das mesmas, se responsabilizam por suas descrições.

    2ª. Em caso eventual de engano na autenticidade de peças, comprovado por peritos idôneos, e mediante laudo assinado, ficará desfeita a venda, desde que a reclamação seja feita em até 5 dias após o término do leilão. Findo o prazo, não será mais admitidas quaisquer reclamação, considerando-se definitiva a venda.

    3ª. As peças estrangeiras serão sempre vendidas como Atribuídas.

    4ª. O Leiloeiro não é proprietário dos lotes, mas o faz em nome de terceiros, que são responsáveis pela licitude e desembaraço dos mesmos.

    5ª. Elaborou-se com esmero o catálogo, cujos lotes se acham descritos de modo objetivo. As peças serão vendidas NO ESTADO em que foram recebidas e expostas. Descrição de estado ou vícios decorrentes do uso será descrito dentro do possível, mas sem obrigação. Pelo que se solicita aos interessados ou seus peritos, prévio e detalhado exame até o dia do pregão. Depois da venda realizada não serão aceitas reclamações quanto ao estado das mesmas nem servirá de alegação para descumprir compromisso firmado.

    6ª. Os leilões obedecem rigorosamente à ordem do catalogo.

    7ª. Ofertas por escrito podem ser feitas antes dos leilões, ou autorizar a lançar em seu nome; o que será feito por funcionário autorizado.

    8ª. Os Organizadores colocarão a título de CORTESIA, de forma gratuita e confidencial, serviço de arrematação pelo telefone e Internet, sem que isto o obrigue legalmente perante falhas de terceiros.

    8.1. LANCES PELA INTERNET: O arrematante poderá efetuar lances automáticos, de tal maneira que, se outro arrematante cobrir sua oferta, o sistema automaticamente gerará um novo lance para aquele arrematante, acrescido do incremento mínimo, até o limite máximo estabelecido pelo arrematante. Os lances automáticos ficarão registrados no sistema com a data em que forem feitos. Os lances ofertados são IRREVOGÁVEIS e IRRETRATÁVEIS. O arrematante é responsável por todos os lances feitos em seu nome, pelo que os lances não podem ser anulados e/ou cancelados em nenhuma hipótese.

    8.2. Em caso de empate entre arrematantes que efetivaram lances no mesmo lote e de mesmo valor, prevalecerá vencedor aquele que lançou primeiro (data e hora do registro do lance no site), devendo ser considerado inclusive que o lance automático fica registrado na data em que foi feito. Para desempate, o lance automático prevalecerá sobre o lance manual.

    9ª. O Organizador se reserva o direito de não aceitar lances de licitante com obrigações pendentes.

    10ª. Adquiridas as peças e assinado pelo arrematante o compromisso de compra, NÃO MAIS SERÃO ADMITIDAS DESISTÊNCIAS sob qualquer alegação.

    11ª. O arremate será sempre em moeda nacional. A progressão dos lances, nunca inferior a 5% do anterior, e sempre em múltiplo de dez. Outro procedimento será sempre por licença do Leiloeiro; o que não cria novação.

    12ª. Em caso de litígio prevalece a palavra do Leiloeiro.

    13ª. As peças adquiridas deverão ser pagas e retiradas IMPRETERIVELMENTE em até 48 horas após o término do leilão, e serão acrescidas da comissão do Leiloeiro, (5%). Não sendo obedecido o prazo previsto, o Leiloeiro poderá dar por desfeita a venda e, por via de EXECUÇÃO JUDICIAL, cobrar sua comissão e a dos organizadores.

    14ª. As despesas com as remessas dos lotes adquiridos, caso estes não possam ser retirados, serão de inteira responsabilidade dos arrematantes. O cálculo de frete, serviços de embalagem e despacho das mercadorias deverão ser considerados como Cortesia e serão efetuados pelas Galerias e/ou Organizadores mediante prévia indicação da empresa responsável pelo transporte e respectivo pagamento dos custos de envio.

    15ª. Qualquer litígio referente ao presente leilão está subordinado à legislação brasileira e a jurisdição dos tribunais da cidade de Campinas - SP. Os casos omissos regem-se pela legislação pertinente, e em especial pelo Decreto 21.981, de 19 de outubro de 1932, Capítulo III, Arts. 19 a 43, com as alterações introduzidas pelo Decreto 22.427., de 1º. de fevereiro de 1933.

  • CONDIÇÕES DE PAGAMENTO

    À vista, acrescido da taxa do leiloeiro de 5 %.

    Através de depósito ou transferência bancária em conta a ser informada através do e-mail de cobrança.

    Não aceitamos cartões de crédito.

    Para depósitos em cheque, as peças serão liberadas para retirada/envio somente após a compensação.

  • FRETE E ENVIO

    Enviamos através dos Correios para todo o Brasil.

    As despesas com retirada e remessa dos lotes, são de responsabilidade dos arrematantes.

    Em caso de envio por transportadoras, esta deverá ser providenciada pelo Arrematante.