Lote 20
Carregando...

Tipo:
Prata de Lei

EX OSSOBUS - RELICÁRIO COFRE - RARO RELICÁRIO COFRE EM PRATA DE LEI CONTENDO RELÍQUIAS OSSEAS DE SÃO FRANCISCO DE SALLES E DE SANTA JOANA DE CHANTAL (QUE SERVIU NA ORDEM DA VISITAÇÃO FUNDADA POR SÃO FRANCISCO SALES). CONTRASTADO COM A RARA PUNÇAO P MEIA LUA PARA CIDADE DO PORTO SEGUNDA METADE DO SEC. XIX. O COFRE POSSUI FRONTALMENTE UM OCULO EM VIDRO PARA VISUALIZAÇÃO DAS RELÍQUIAS E NA PARTE POSTERIOR UMA PORTA DE ABERTURA. O ÓCULO TEM DECORAÇÃO CONSTITUIDA POR MOLDURA EM MALMASON E AS RELÍQUIAS ESTÃO ACONDIONADAS EM UM ESTOJO RELICÁRIO DE MARFIM. O COFRE É ELEVADO POR QUATRO BELOS PÉS EM GARRA E ENCIMADO POR CRUZ LATINA. POSSUI CINZELADAS AS INICIAIS A.J.M.C E A DATA 28 DE AGOSTO DE 1889. OS DOIS SANTOS CUJAS RELÍQUIAS ESTÃO ENTESOURADAS NO COFRE, ESTÃO LIGADOS A ADORAÇÃO AO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS. PORTUGAL, SEC. XIX. 14 x 12 CM NOTA: FRANCISCO DE SALES foi o primeiro filho dos treze que os Barões de Boisy tiveram. Nasceu no castelo de Sales, na Sabóia, em 21 de agosto de 1567.Seus pais eram devotos de São Francisco de Assis e então Francisco de Sales o tomou como exemplo de vida. Seu preceptor era o Padre Deage, que o acompanhou até sua morte. Francisco estudou retórica, filosofia e teologia que lhe permitiu ser depois o grande teólogo, pregador, polemista e diretor espiritual que caracterizaram seu trabalho apostólico. Fez voto de castidade e se colocou sob a proteção da Virgem Maria. Seu pai escolheu uma jovem rica e bela para ele se casar, mas Francisco recusou tudo. Recebeu, então, a ordenação de Cônego, fazendo seu pai perceber sua vocação. Em 1599, foi nomeado Bispo auxiliar de Genebra; e, três anos depois, assumiu a titularidade da diocese. Seu campo de ação aumentou muito. Assim, Dom Francisco de Sales fundou escolas, ensinou catecismo às crianças e adultos, dirigiu e conduziu à santidade grandes almas da nobreza, que desempenharam papel preponderante na reforma religiosa empreendida na época com madre Joana de Chantal, depois Santa, que se tornou sua co-fundadora da Ordem da Visitação, em 1610. Até a família real da Sabóia não resistia ao Bispo-Príncipe de Genebra, que era sempre convidado para pregar também na Corte. Publicou o livro que se tornaria imortal: Introdução à vida devota. Francisco de Sales também escreveu para suas filhas da Visitação, o célebre Tratado do Amor de Deus, onde desenvolveu o lema: a medida de amar a Deus é amá-lo sem medida. Francisco de Sales faleceu no dia 28 de dezembro de 1622, em Lion, França. SANTA JOANA DE CHANTAL Nascida em Dijon em 23 de janeiro de 1572, Joana Francisca tinha apenas dezoito meses quando se torna órfã. Joana desposou Cristóvão de Rabutin, barão de Chantal, de 27 anos de idade, em 28 de dezembro de 1592. Ela é chamada a Dama perfeita primeiramente por seu senso prático que ela revela ao sanear os negócios do domínio endividado que lhes é confiado, mas sobretudo pelo fervor de sua fé, a jovem dama é muito atenta em edificar, evangelizar, se necessário, àqueles que freqüentam Bourbilly. Cristóvão e Joana, profundamente unidos, tiveram seis filhos, dos quais dois morrem em tenra idade. Desde então, ela amava os pobres que o sabiam e vinham à entrada do castelo onde eram servidos cada dia pela Baronesa. Durante um período de fome, cuidados e provisões de pão foram fornecidos em abundancia aos infelizes. Testemunhas afirmaram que ocorreram misteriosas multiplicações de trigo e depois de farinha. Apaixonadamente enamorada de seu marido, Joana é despedaçada pela dor quando ele morre em 1601, após um acidente de caça. Em 1602, seu sogro, irascível e autoritário, ordena-lhe morar com ele em Monthelon, senão deserdará seus filhos. Por eles, ela aceita com humildade e paciência este purgatório que durará sete anos. O Barão Guido de Chantal havia confiado a casa à uma serva com quem ele teve vários filhos. Ela indispõe o ancião contra Joana, e esta não pode fazer nada sem permissão. Como lhe é duro ver dissipar os bens de seus próprios filhos! Joana vive uma vida espiritual intensa onde conhece uma profunda intimidade com Deus, mas em uma obscuridade atravessada de dúvidas; prova da fé que durará quase até seus últimos dias. Na Quaresma de 1604, o seu pai convida-a para ir a Dijon a fim de poder seguir a pregação do Bispo de Genebra. Em 05 de março, desde que ela o vê, Joana o reconhece: é ele, o guia que lhe fora prometido em uma visão. Francisco de Sales também a reconhece, enquanto ele preparava suas pregações de Quaresma, ele teve uma visão de uma Ordem que ele fundaria, e daquela que nela colaborará. Mas a família de Joana, ignorando o voto de castidade que ela fez, pressiona-a a aceitar se casar novamente pelo futuro de seus filhos. Para fortificar sua resolução, Joana grava em seu peito, com um ferro em brasa, o Santo Nome de Jesus. Outros encontros acontecerão com Francisco de Sales durante os seis anos em que vai tomando forma, pouco a pouco, o projeto de fundação da Visitação. A Baronesa de Chantal fez uma comovente despedida de seus filhos e seu pai, depois abandona Dijon em 29 de março de 1610, pranteada por todos os pobres da vizinhança. Pouco depois de sua chegada a Annecy, em cartório, ela se despoja de todos seus bens em favor de seus filhos. Domingo, 06 de junho de 1610, inaugura-se uma nova forma de vida religiosa. Nesta festa da Santíssima Trindade, Francisco de Sales dá a Madre de Chantal um compêndio das Constituições: Segui este caminho, minha caríssima filha, e fazei segui-lo por todas aquelas que o céu destinou a seguir suas pegadas. A casa de la Galerie, nos subúrbios da cidade, foi o lugar de nascimento desta nova Congregação. O nome escolhido pelo Fundador: a Visitação de Nossa Senhora, mas a vizinhança se habitua a chamar o mosteiro Santa Maria; este formará o nome da Visitação de Santa Maria. São Francisco de Sales encontrava na contemplação deste mistério mil particularidades que lhe deram uma luz especial sobre o espírito do Instituto: contemplação e humildade, louvor de Deus e serviço do próximo, disponibilidade ao Espírito Santo e ardor missionário, simplicidade e alegria no Senhor. O Fundador já imprime nas suas primeiras filhas sua devoção ao Coração de Jesus. Durante este mesmo ano de 1612, em um êxtase, Deus mostra a Madre de Chatal o gozo que ele tem nas almas puras, e lhe inspira o desejo de se consagrar por voto a fazer sempre o que lhe parecer mais perfeito. Em 13 de dezembro de 1641, cercada por suas Filhas a quem ela recomenda a fidelidade e a união de corações, (a Visitação conta então 87 mosteiros) Joana de Chantal termina sua vida como ela a viveu, com o único pensamento d´Aquele de quem ela pronuncia o nome por três vezes antes de dar seu último suspiro: Jesus! Jesus! Jesus! Foi com um coração ardente de Amor de Jesus que Joana de Chantal amou seu pai, seu marido, seus filhos, seus amigos, seu único Pai (Francisco de Sales), suas filhas da Visitação, os pobres e até seus inimigos. A Igreja, a declarou santa em 1767.

Peça

Visitas: 267

Tipo: Prata de Lei

EX OSSOBUS - RELICÁRIO COFRE - RARO RELICÁRIO COFRE EM PRATA DE LEI CONTENDO RELÍQUIAS OSSEAS DE SÃO FRANCISCO DE SALLES E DE SANTA JOANA DE CHANTAL (QUE SERVIU NA ORDEM DA VISITAÇÃO FUNDADA POR SÃO FRANCISCO SALES). CONTRASTADO COM A RARA PUNÇAO P MEIA LUA PARA CIDADE DO PORTO SEGUNDA METADE DO SEC. XIX. O COFRE POSSUI FRONTALMENTE UM OCULO EM VIDRO PARA VISUALIZAÇÃO DAS RELÍQUIAS E NA PARTE POSTERIOR UMA PORTA DE ABERTURA. O ÓCULO TEM DECORAÇÃO CONSTITUIDA POR MOLDURA EM MALMASON E AS RELÍQUIAS ESTÃO ACONDIONADAS EM UM ESTOJO RELICÁRIO DE MARFIM. O COFRE É ELEVADO POR QUATRO BELOS PÉS EM GARRA E ENCIMADO POR CRUZ LATINA. POSSUI CINZELADAS AS INICIAIS A.J.M.C E A DATA 28 DE AGOSTO DE 1889. OS DOIS SANTOS CUJAS RELÍQUIAS ESTÃO ENTESOURADAS NO COFRE, ESTÃO LIGADOS A ADORAÇÃO AO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS. PORTUGAL, SEC. XIX. 14 x 12 CM NOTA: FRANCISCO DE SALES foi o primeiro filho dos treze que os Barões de Boisy tiveram. Nasceu no castelo de Sales, na Sabóia, em 21 de agosto de 1567.Seus pais eram devotos de São Francisco de Assis e então Francisco de Sales o tomou como exemplo de vida. Seu preceptor era o Padre Deage, que o acompanhou até sua morte. Francisco estudou retórica, filosofia e teologia que lhe permitiu ser depois o grande teólogo, pregador, polemista e diretor espiritual que caracterizaram seu trabalho apostólico. Fez voto de castidade e se colocou sob a proteção da Virgem Maria. Seu pai escolheu uma jovem rica e bela para ele se casar, mas Francisco recusou tudo. Recebeu, então, a ordenação de Cônego, fazendo seu pai perceber sua vocação. Em 1599, foi nomeado Bispo auxiliar de Genebra; e, três anos depois, assumiu a titularidade da diocese. Seu campo de ação aumentou muito. Assim, Dom Francisco de Sales fundou escolas, ensinou catecismo às crianças e adultos, dirigiu e conduziu à santidade grandes almas da nobreza, que desempenharam papel preponderante na reforma religiosa empreendida na época com madre Joana de Chantal, depois Santa, que se tornou sua co-fundadora da Ordem da Visitação, em 1610. Até a família real da Sabóia não resistia ao Bispo-Príncipe de Genebra, que era sempre convidado para pregar também na Corte. Publicou o livro que se tornaria imortal: Introdução à vida devota. Francisco de Sales também escreveu para suas filhas da Visitação, o célebre Tratado do Amor de Deus, onde desenvolveu o lema: a medida de amar a Deus é amá-lo sem medida. Francisco de Sales faleceu no dia 28 de dezembro de 1622, em Lion, França. SANTA JOANA DE CHANTAL Nascida em Dijon em 23 de janeiro de 1572, Joana Francisca tinha apenas dezoito meses quando se torna órfã. Joana desposou Cristóvão de Rabutin, barão de Chantal, de 27 anos de idade, em 28 de dezembro de 1592. Ela é chamada a Dama perfeita primeiramente por seu senso prático que ela revela ao sanear os negócios do domínio endividado que lhes é confiado, mas sobretudo pelo fervor de sua fé, a jovem dama é muito atenta em edificar, evangelizar, se necessário, àqueles que freqüentam Bourbilly. Cristóvão e Joana, profundamente unidos, tiveram seis filhos, dos quais dois morrem em tenra idade. Desde então, ela amava os pobres que o sabiam e vinham à entrada do castelo onde eram servidos cada dia pela Baronesa. Durante um período de fome, cuidados e provisões de pão foram fornecidos em abundancia aos infelizes. Testemunhas afirmaram que ocorreram misteriosas multiplicações de trigo e depois de farinha. Apaixonadamente enamorada de seu marido, Joana é despedaçada pela dor quando ele morre em 1601, após um acidente de caça. Em 1602, seu sogro, irascível e autoritário, ordena-lhe morar com ele em Monthelon, senão deserdará seus filhos. Por eles, ela aceita com humildade e paciência este purgatório que durará sete anos. O Barão Guido de Chantal havia confiado a casa à uma serva com quem ele teve vários filhos. Ela indispõe o ancião contra Joana, e esta não pode fazer nada sem permissão. Como lhe é duro ver dissipar os bens de seus próprios filhos! Joana vive uma vida espiritual intensa onde conhece uma profunda intimidade com Deus, mas em uma obscuridade atravessada de dúvidas; prova da fé que durará quase até seus últimos dias. Na Quaresma de 1604, o seu pai convida-a para ir a Dijon a fim de poder seguir a pregação do Bispo de Genebra. Em 05 de março, desde que ela o vê, Joana o reconhece: é ele, o guia que lhe fora prometido em uma visão. Francisco de Sales também a reconhece, enquanto ele preparava suas pregações de Quaresma, ele teve uma visão de uma Ordem que ele fundaria, e daquela que nela colaborará. Mas a família de Joana, ignorando o voto de castidade que ela fez, pressiona-a a aceitar se casar novamente pelo futuro de seus filhos. Para fortificar sua resolução, Joana grava em seu peito, com um ferro em brasa, o Santo Nome de Jesus. Outros encontros acontecerão com Francisco de Sales durante os seis anos em que vai tomando forma, pouco a pouco, o projeto de fundação da Visitação. A Baronesa de Chantal fez uma comovente despedida de seus filhos e seu pai, depois abandona Dijon em 29 de março de 1610, pranteada por todos os pobres da vizinhança. Pouco depois de sua chegada a Annecy, em cartório, ela se despoja de todos seus bens em favor de seus filhos. Domingo, 06 de junho de 1610, inaugura-se uma nova forma de vida religiosa. Nesta festa da Santíssima Trindade, Francisco de Sales dá a Madre de Chantal um compêndio das Constituições: Segui este caminho, minha caríssima filha, e fazei segui-lo por todas aquelas que o céu destinou a seguir suas pegadas. A casa de la Galerie, nos subúrbios da cidade, foi o lugar de nascimento desta nova Congregação. O nome escolhido pelo Fundador: a Visitação de Nossa Senhora, mas a vizinhança se habitua a chamar o mosteiro Santa Maria; este formará o nome da Visitação de Santa Maria. São Francisco de Sales encontrava na contemplação deste mistério mil particularidades que lhe deram uma luz especial sobre o espírito do Instituto: contemplação e humildade, louvor de Deus e serviço do próximo, disponibilidade ao Espírito Santo e ardor missionário, simplicidade e alegria no Senhor. O Fundador já imprime nas suas primeiras filhas sua devoção ao Coração de Jesus. Durante este mesmo ano de 1612, em um êxtase, Deus mostra a Madre de Chatal o gozo que ele tem nas almas puras, e lhe inspira o desejo de se consagrar por voto a fazer sempre o que lhe parecer mais perfeito. Em 13 de dezembro de 1641, cercada por suas Filhas a quem ela recomenda a fidelidade e a união de corações, (a Visitação conta então 87 mosteiros) Joana de Chantal termina sua vida como ela a viveu, com o único pensamento d´Aquele de quem ela pronuncia o nome por três vezes antes de dar seu último suspiro: Jesus! Jesus! Jesus! Foi com um coração ardente de Amor de Jesus que Joana de Chantal amou seu pai, seu marido, seus filhos, seus amigos, seu único Pai (Francisco de Sales), suas filhas da Visitação, os pobres e até seus inimigos. A Igreja, a declarou santa em 1767.

Vídeo

Informações

Lance

    • 44 lance(s)

    • R$ 9,200.00

  • Lote Vendido
Termos e Condições
Condições de Pagamento
Frete e Envio
  • TERMOS E CONDIÇÕES

    1ª. As peças que compõem o presente LEILÃO, foram cuidadosamente examinadas pelos organizadores que, solidários com os proprietários das mesmas, se responsabilizam por suas descrições.

    2ª. Em caso eventual de engano na autenticidade de peças, comprovado por peritos idôneos, e mediante laudo assinado, ficará desfeita a venda, desde que a reclamação seja feita em até 5 dias após o término do leilão. Findo o prazo, não será mais admitidas quaisquer reclamação, considerando-se definitiva a venda.

    3ª. As peças estrangeiras serão sempre vendidas como Atribuídas.

    4ª. O Leiloeiro não é proprietário dos lotes, mas o faz em nome de terceiros, que são responsáveis pela licitude e desembaraço dos mesmos.

    5ª. Elaborou-se com esmero o catálogo, cujos lotes se acham descritos de modo objetivo. As peças serão vendidas NO ESTADO em que foram recebidas e expostas. Descrição de estado ou vícios decorrentes do uso será descrito dentro do possível, mas sem obrigação. Pelo que se solicita aos interessados ou seus peritos, prévio e detalhado exame até o dia do pregão. Depois da venda realizada não serão aceitas reclamações quanto ao estado das mesmas nem servirá de alegação para descumprir compromisso firmado.

    6ª. Os leilões obedecem rigorosamente à ordem do catalogo.

    7ª. Ofertas por escrito podem ser feitas antes dos leilões, ou autorizar a lançar em seu nome; o que será feito por funcionário autorizado.

    8ª. Os Organizadores colocarão a título de CORTESIA, de forma gratuita e confidencial, serviço de arrematação pelo telefone e Internet, sem que isto o obrigue legalmente perante falhas de terceiros.

    8.1. LANCES PELA INTERNET: O arrematante poderá efetuar lances automáticos, de tal maneira que, se outro arrematante cobrir sua oferta, o sistema automaticamente gerará um novo lance para aquele arrematante, acrescido do incremento mínimo, até o limite máximo estabelecido pelo arrematante. Os lances automáticos ficarão registrados no sistema com a data em que forem feitos. Os lances ofertados são IRREVOGÁVEIS e IRRETRATÁVEIS. O arrematante é responsável por todos os lances feitos em seu nome, pelo que os lances não podem ser anulados e/ou cancelados em nenhuma hipótese.

    8.2. Em caso de empate entre arrematantes que efetivaram lances no mesmo lote e de mesmo valor, prevalecerá vencedor aquele que lançou primeiro (data e hora do registro do lance no site), devendo ser considerado inclusive que o lance automático fica registrado na data em que foi feito. Para desempate, o lance automático prevalecerá sobre o lance manual.

    9ª. O Organizador se reserva o direito de não aceitar lances de licitante com obrigações pendentes.

    10ª. Adquiridas as peças e assinado pelo arrematante o compromisso de compra, NÃO MAIS SERÃO ADMITIDAS DESISTÊNCIAS sob qualquer alegação.

    11ª. O arremate será sempre em moeda nacional. A progressão dos lances, nunca inferior a 5% do anterior, e sempre em múltiplo de dez. Outro procedimento será sempre por licença do Leiloeiro; o que não cria novação.

    12ª. Em caso de litígio prevalece a palavra do Leiloeiro.

    13ª. As peças adquiridas deverão ser pagas e retiradas IMPRETERIVELMENTE em até 48 horas após o término do leilão, e serão acrescidas da comissão do Leiloeiro, (5%). Não sendo obedecido o prazo previsto, o Leiloeiro poderá dar por desfeita a venda e, por via de EXECUÇÃO JUDICIAL, cobrar sua comissão e a dos organizadores.

    14ª. As despesas com as remessas dos lotes adquiridos, caso estes não possam ser retirados, serão de inteira responsabilidade dos arrematantes. O cálculo de frete, serviços de embalagem e despacho das mercadorias deverão ser considerados como Cortesia e serão efetuados pelas Galerias e/ou Organizadores mediante prévia indicação da empresa responsável pelo transporte e respectivo pagamento dos custos de envio.

    15ª. Qualquer litígio referente ao presente leilão está subordinado à legislação brasileira e a jurisdição dos tribunais da cidade de Campinas - SP. Os casos omissos regem-se pela legislação pertinente, e em especial pelo Decreto 21.981, de 19 de outubro de 1932, Capítulo III, Arts. 19 a 43, com as alterações introduzidas pelo Decreto 22.427., de 1º. de fevereiro de 1933.

  • CONDIÇÕES DE PAGAMENTO

    A vista com acréscimo da taxa do leiloeiro de 5%.
    Através de depósito ou transferência bancária em conta a ser enviada por e-mail após o último dia do leilão.
    Não aceitamos cartões de crédito ou débito.
    O pagamento deverá ser efetuado até 72 horas após o término do leilão sob risco da venda ser desfeita.

  • FRETE E ENVIO

    As despesas com retirada e remessa dos lotes, são de responsabilidade dos arrematantes. Veja nas Condições de Venda do Leilão.
    Despachamos para todos os estados. A titulo de cortesia a casa poderá embrulhar as peças arrematadas e providenciar transportadora adequada