Lote 27
Carregando...

Tipo:
Esculturas

NOSSA SENHORA DO APOCALIPSE LINDA E RARA ESCULTURA EM MADEIRA POLICROMADA E DOURADA REPRESENTANDO A VIRGEM DO APOCALIPSE SEGUNDO A TALHA DE BERNARDO DE LAGARDA O MAIOR REPRESENTANTE DOS ESCULTORES DA ESCOLA DE QUITO NO PERIODO COLONIAL EQUATORIANO. ESCULTURAS DA ESCOLA DE QUITO SÃO MUNDIALMENTE FAMOSAS PELA QUALIDADE ESCULTÓRICA E MOVIMENTO. COM ANTECEDENTES EM ALGUMAS GRAVURAS EUROPEIAS DO SÉCULO XVI, COMO A DE ALBRECHT DÜRER NA SUA OBRA "MULHER APOCALÍPTICA E DRAGÃO COM SETE CABEÇAS", A ESCULTURA DE LEGARDINE, REPRESENTA UMA VIRGEM DANÇANTE QUE PARECE FLUTUAR, COM GRANDE RIQUEZA GESTUAL E ABUNDÂNCIA DE DOBRAS E MOVIMENTOS, CUJAS MÃOS ESTÃO EM POSIÇÃO DE VÔO E ÊXTASE. ELA SE VESTE DE SOL NA TÉCNICA CHINESCA, POLICROMADA SOBRE FUNDO FOLIAR DE OURO, ENQUANTO O MANTO É DE COR AZUL PROFUNDO E TEM LÂMINAS PRATEADAS NA PARTE INFERIOR. A CABEÇA DA VIRGEM É COROADA POR DOZE ESTRELAS QUE BROTAM DE UMA TIARA DE METAL PRATEADO E CINZELADO, QUE PARA A COSMOVISÃO ANDINA REPRESENTA A PREEMINÊNCIA FEMININA DURANTE OS DOZE MESES DO ANO, REFERENTE À AGRICULTURA, ÉPOCAS DE PLANTIO E COLHEITA REGIDAS PELA LUA (MINGUANTE E CRESCENTE) E O SOL (SOLSTÍCIOS E EQUINÓCIOS. O GRUPO ESCULTÓRICO APRESENTA EM SUA PARTE BAIXA, A VIRGEM SOBRE O CRESCENTE LUNAR PRATEADO E SEUS DOIS PÉS PISAM SOBRE A FIGURA DE UMA GRANDE SERPENTE QUE TEM A BOCA ABERTA EXIBINDO SEUS DENTES E A LÍNGUA. AS ASAS EM METAL PRATEADO SÃO INSPIRADAS NA DESCRIÇÃO DE SÃO JOÃO EM SUA VISÃO DO APOCALIPSE NA ILHA DE PÁTMOS DA MULHER ALADA QUE FOGE PARA O DESERTO PARA ESCONDER SEU FILHO DA BESTA QUE A PERSEGUE. A POLICROMIA É MAGNIFICA, RICA EM OURO RELEVADO E PINTUARAS FLORAIS. OS OLHOS DE VIDRO SÃO BELÍSSIMOS E EXPRESSIVOS! AMÉRICA ESPANHOLA, FINAL DO SEC. XIX. 50 CM DE ALTURA (SEM CONSIDERAR O TAMANHO DO RESLENDOR)NOTA: Segundo Patrizia Di Patre , a fonte da Virgen do Apocalipse está intimamente ligada à literatura barroca , em particular ao poeta Jacinto de Evia e à releitura de mulheres guerreiras clássicas e virtudes virginais. Para entrar na história deste ícone da escultura equatoriana, é preciso voltar ao século XVIII, quando a escola de Quito era um dos mais importantes focos de arte do novo mundo. Dezenas de artistas, sobretudo indígenas ou mestiços, especializados nas oficinas dos conventos ou dos grandes mestres que décadas antes se formaram em conjunto com os padres, para depois continuar a alimentar a fama da Escola que, muito tragicamente, desapareceria durante a época das revoluções de independência do século 19 e nunca mais assumiria a importância do passado. Bernardo de Legarda foi um daqueles mestiços que fizeram brilhar a arte de Quito; Ficou conhecido em 1731 com sua primeira obra importante, restaurando uma imagem de San Lucas para a igreja de Santo Domingo em Quito , e desde então passou a ser procurado por seu trabalho impecável. Em 1732 foi contratado pelos padres franciscanos , que lhe encomendaram uma imagem da Virgem da Imaculada Conceição para um dos retábulos das capelas laterais da Igreja de São Francisco que funcionavam na cidade de Quito. Legarda, ciente de que lhe seria difícil criar a sua própria iconografia com uma imagem tão tradicional como a da Imaculada Conceição (aquela que não carrega o filho, porque está prestes a ser concebida pela obra e pela graça do espirito santo, e cujas cores são sempre o branco e o azul), nunca pensou que alcançaria a obra de escultura mais representativa do que viria a ser o Equador. A obra foi entregue aos franciscanos em 7 de dezembro de 1734. A escultura representa, como já foi dito, a Imaculada Conceição porque esta foi a obra encomendada a Legarda; mas também representa a subida da Virgem ao céu, um detalhe expresso com as asas. É também uma alegoria do triunfo da Igreja sobre o pecado, representado pela besta que é esmagada pela Virgem com os pés, mantendo a corrente amarrada. As cores escolhidas pelo artista para finalizar as roupas da escultura foram o vermelho, que representava o amor de mãe, o azul para a sabedoria e o branco para a pureza. Ao receber a imagem, os franciscanos se maravilharam com sua beleza, tanto que atribuíram a ela um lugar de maior importância no altar-mor de sua igreja. Quiteños logo foram atraídos pela beleza singular da Imaculada que Legarda havia sucedido e ficou conhecida popularmente como a Virgem Dançarina, pela posição das mãos e dobras do vestido, que transmitem uma sensação de movimento, e como a Virgem alada , por causa do acréscimo peculiar que a artista havia feito em suas costas. Em poucos anos, a invocação tornou-se tão popular que começaram a ser feitas réplicas para as pessoas mais ricas da Corte Real., fazendo de Legarda um dos artistas mais requisitados da época. A fama da Virgem alada ultrapassou as fronteiras e foram solicitadas réplicas à Europa, onde passaram a adornar palácios e catedrais. Hoje a escultura é objeto de veneração religiosa e artística e encontra-se no nicho central do altar-mor da Igreja de São Francisco , em Quito, desde o século XVIII. Faz parte do patrimônio histórico da cidade, que por sua vez é Patrimônio Cultural da Humanidade segundo a UNESCO . Participou das mais importantes mostras de arte realizadas no país e no exterior, a mais recente intitulada " Esplendor do Barroco de Quito ", realizada no mosteiro colonial de Santa Clara, no centro histórico de Quito ; e " Cielo de Oro - Barroco Indígena do Equador ", no Museu Etnográfico de Berlim .

Peça

Visitas: 202

Tipo: Esculturas

NOSSA SENHORA DO APOCALIPSE LINDA E RARA ESCULTURA EM MADEIRA POLICROMADA E DOURADA REPRESENTANDO A VIRGEM DO APOCALIPSE SEGUNDO A TALHA DE BERNARDO DE LAGARDA O MAIOR REPRESENTANTE DOS ESCULTORES DA ESCOLA DE QUITO NO PERIODO COLONIAL EQUATORIANO. ESCULTURAS DA ESCOLA DE QUITO SÃO MUNDIALMENTE FAMOSAS PELA QUALIDADE ESCULTÓRICA E MOVIMENTO. COM ANTECEDENTES EM ALGUMAS GRAVURAS EUROPEIAS DO SÉCULO XVI, COMO A DE ALBRECHT DÜRER NA SUA OBRA "MULHER APOCALÍPTICA E DRAGÃO COM SETE CABEÇAS", A ESCULTURA DE LEGARDINE, REPRESENTA UMA VIRGEM DANÇANTE QUE PARECE FLUTUAR, COM GRANDE RIQUEZA GESTUAL E ABUNDÂNCIA DE DOBRAS E MOVIMENTOS, CUJAS MÃOS ESTÃO EM POSIÇÃO DE VÔO E ÊXTASE. ELA SE VESTE DE SOL NA TÉCNICA CHINESCA, POLICROMADA SOBRE FUNDO FOLIAR DE OURO, ENQUANTO O MANTO É DE COR AZUL PROFUNDO E TEM LÂMINAS PRATEADAS NA PARTE INFERIOR. A CABEÇA DA VIRGEM É COROADA POR DOZE ESTRELAS QUE BROTAM DE UMA TIARA DE METAL PRATEADO E CINZELADO, QUE PARA A COSMOVISÃO ANDINA REPRESENTA A PREEMINÊNCIA FEMININA DURANTE OS DOZE MESES DO ANO, REFERENTE À AGRICULTURA, ÉPOCAS DE PLANTIO E COLHEITA REGIDAS PELA LUA (MINGUANTE E CRESCENTE) E O SOL (SOLSTÍCIOS E EQUINÓCIOS. O GRUPO ESCULTÓRICO APRESENTA EM SUA PARTE BAIXA, A VIRGEM SOBRE O CRESCENTE LUNAR PRATEADO E SEUS DOIS PÉS PISAM SOBRE A FIGURA DE UMA GRANDE SERPENTE QUE TEM A BOCA ABERTA EXIBINDO SEUS DENTES E A LÍNGUA. AS ASAS EM METAL PRATEADO SÃO INSPIRADAS NA DESCRIÇÃO DE SÃO JOÃO EM SUA VISÃO DO APOCALIPSE NA ILHA DE PÁTMOS DA MULHER ALADA QUE FOGE PARA O DESERTO PARA ESCONDER SEU FILHO DA BESTA QUE A PERSEGUE. A POLICROMIA É MAGNIFICA, RICA EM OURO RELEVADO E PINTUARAS FLORAIS. OS OLHOS DE VIDRO SÃO BELÍSSIMOS E EXPRESSIVOS! AMÉRICA ESPANHOLA, FINAL DO SEC. XIX. 50 CM DE ALTURA (SEM CONSIDERAR O TAMANHO DO RESLENDOR)NOTA: Segundo Patrizia Di Patre , a fonte da Virgen do Apocalipse está intimamente ligada à literatura barroca , em particular ao poeta Jacinto de Evia e à releitura de mulheres guerreiras clássicas e virtudes virginais. Para entrar na história deste ícone da escultura equatoriana, é preciso voltar ao século XVIII, quando a escola de Quito era um dos mais importantes focos de arte do novo mundo. Dezenas de artistas, sobretudo indígenas ou mestiços, especializados nas oficinas dos conventos ou dos grandes mestres que décadas antes se formaram em conjunto com os padres, para depois continuar a alimentar a fama da Escola que, muito tragicamente, desapareceria durante a época das revoluções de independência do século 19 e nunca mais assumiria a importância do passado. Bernardo de Legarda foi um daqueles mestiços que fizeram brilhar a arte de Quito; Ficou conhecido em 1731 com sua primeira obra importante, restaurando uma imagem de San Lucas para a igreja de Santo Domingo em Quito , e desde então passou a ser procurado por seu trabalho impecável. Em 1732 foi contratado pelos padres franciscanos , que lhe encomendaram uma imagem da Virgem da Imaculada Conceição para um dos retábulos das capelas laterais da Igreja de São Francisco que funcionavam na cidade de Quito. Legarda, ciente de que lhe seria difícil criar a sua própria iconografia com uma imagem tão tradicional como a da Imaculada Conceição (aquela que não carrega o filho, porque está prestes a ser concebida pela obra e pela graça do espirito santo, e cujas cores são sempre o branco e o azul), nunca pensou que alcançaria a obra de escultura mais representativa do que viria a ser o Equador. A obra foi entregue aos franciscanos em 7 de dezembro de 1734. A escultura representa, como já foi dito, a Imaculada Conceição porque esta foi a obra encomendada a Legarda; mas também representa a subida da Virgem ao céu, um detalhe expresso com as asas. É também uma alegoria do triunfo da Igreja sobre o pecado, representado pela besta que é esmagada pela Virgem com os pés, mantendo a corrente amarrada. As cores escolhidas pelo artista para finalizar as roupas da escultura foram o vermelho, que representava o amor de mãe, o azul para a sabedoria e o branco para a pureza. Ao receber a imagem, os franciscanos se maravilharam com sua beleza, tanto que atribuíram a ela um lugar de maior importância no altar-mor de sua igreja. Quiteños logo foram atraídos pela beleza singular da Imaculada que Legarda havia sucedido e ficou conhecida popularmente como a Virgem Dançarina, pela posição das mãos e dobras do vestido, que transmitem uma sensação de movimento, e como a Virgem alada , por causa do acréscimo peculiar que a artista havia feito em suas costas. Em poucos anos, a invocação tornou-se tão popular que começaram a ser feitas réplicas para as pessoas mais ricas da Corte Real., fazendo de Legarda um dos artistas mais requisitados da época. A fama da Virgem alada ultrapassou as fronteiras e foram solicitadas réplicas à Europa, onde passaram a adornar palácios e catedrais. Hoje a escultura é objeto de veneração religiosa e artística e encontra-se no nicho central do altar-mor da Igreja de São Francisco , em Quito, desde o século XVIII. Faz parte do patrimônio histórico da cidade, que por sua vez é Patrimônio Cultural da Humanidade segundo a UNESCO . Participou das mais importantes mostras de arte realizadas no país e no exterior, a mais recente intitulada " Esplendor do Barroco de Quito ", realizada no mosteiro colonial de Santa Clara, no centro histórico de Quito ; e " Cielo de Oro - Barroco Indígena do Equador ", no Museu Etnográfico de Berlim .

Informações

Lance

    • 12 lance(s)

    • R$ 4,900.00

  • Lote Vendido
Termos e Condições
Condições de Pagamento
Frete e Envio
  • TERMOS E CONDIÇÕES

    1ª. As peças que compõem o presente LEILÃO, foram cuidadosamente examinadas pelos organizadores que, solidários com os proprietários das mesmas, se responsabilizam por suas descrições.

    2ª. Em caso eventual de engano na autenticidade de peças, comprovado por peritos idôneos, e mediante laudo assinado, ficará desfeita a venda, desde que a reclamação seja feita em até 5 dias após o término do leilão. Findo o prazo, não será mais admitidas quaisquer reclamação, considerando-se definitiva a venda.

    3ª. As peças estrangeiras serão sempre vendidas como Atribuídas.

    4ª. O Leiloeiro não é proprietário dos lotes, mas o faz em nome de terceiros, que são responsáveis pela licitude e desembaraço dos mesmos.

    5ª. Elaborou-se com esmero o catálogo, cujos lotes se acham descritos de modo objetivo. As peças serão vendidas NO ESTADO em que foram recebidas e expostas. Descrição de estado ou vícios decorrentes do uso será descrito dentro do possível, mas sem obrigação. Pelo que se solicita aos interessados ou seus peritos, prévio e detalhado exame até o dia do pregão. Depois da venda realizada não serão aceitas reclamações quanto ao estado das mesmas nem servirá de alegação para descumprir compromisso firmado.

    6ª. Os leilões obedecem rigorosamente à ordem do catalogo.

    7ª. Ofertas por escrito podem ser feitas antes dos leilões, ou autorizar a lançar em seu nome; o que será feito por funcionário autorizado.

    8ª. Os Organizadores colocarão a título de CORTESIA, de forma gratuita e confidencial, serviço de arrematação pelo telefone e Internet, sem que isto o obrigue legalmente perante falhas de terceiros.

    8.1. LANCES PELA INTERNET: O arrematante poderá efetuar lances automáticos, de tal maneira que, se outro arrematante cobrir sua oferta, o sistema automaticamente gerará um novo lance para aquele arrematante, acrescido do incremento mínimo, até o limite máximo estabelecido pelo arrematante. Os lances automáticos ficarão registrados no sistema com a data em que forem feitos. Os lances ofertados são IRREVOGÁVEIS e IRRETRATÁVEIS. O arrematante é responsável por todos os lances feitos em seu nome, pelo que os lances não podem ser anulados e/ou cancelados em nenhuma hipótese.

    8.2. Em caso de empate entre arrematantes que efetivaram lances no mesmo lote e de mesmo valor, prevalecerá vencedor aquele que lançou primeiro (data e hora do registro do lance no site), devendo ser considerado inclusive que o lance automático fica registrado na data em que foi feito. Para desempate, o lance automático prevalecerá sobre o lance manual.

    9ª. O Organizador se reserva o direito de não aceitar lances de licitante com obrigações pendentes.

    10ª. Adquiridas as peças e assinado pelo arrematante o compromisso de compra, NÃO MAIS SERÃO ADMITIDAS DESISTÊNCIAS sob qualquer alegação.

    11ª. O arremate será sempre em moeda nacional. A progressão dos lances, nunca inferior a 5% do anterior, e sempre em múltiplo de dez. Outro procedimento será sempre por licença do Leiloeiro; o que não cria novação.

    12ª. Em caso de litígio prevalece a palavra do Leiloeiro.

    13ª. As peças adquiridas deverão ser pagas e retiradas IMPRETERIVELMENTE em até 48 horas após o término do leilão, e serão acrescidas da comissão do Leiloeiro, (5%). Não sendo obedecido o prazo previsto, o Leiloeiro poderá dar por desfeita a venda e, por via de EXECUÇÃO JUDICIAL, cobrar sua comissão e a dos organizadores.

    14ª. As despesas com as remessas dos lotes adquiridos, caso estes não possam ser retirados, serão de inteira responsabilidade dos arrematantes. O cálculo de frete, serviços de embalagem e despacho das mercadorias deverão ser considerados como Cortesia e serão efetuados pelas Galerias e/ou Organizadores mediante prévia indicação da empresa responsável pelo transporte e respectivo pagamento dos custos de envio.

    15ª. Qualquer litígio referente ao presente leilão está subordinado à legislação brasileira e a jurisdição dos tribunais da cidade de Campinas - SP. Os casos omissos regem-se pela legislação pertinente, e em especial pelo Decreto 21.981, de 19 de outubro de 1932, Capítulo III, Arts. 19 a 43, com as alterações introduzidas pelo Decreto 22.427., de 1º. de fevereiro de 1933.

  • CONDIÇÕES DE PAGAMENTO

    À vista, acrescido da taxa do leiloeiro de 5 %.

    Através de depósito ou transferência bancária em conta a ser informada através do e-mail de cobrança.

    Não aceitamos cartões de crédito.

    Para depósitos em cheque, as peças serão liberadas para retirada/envio somente após a compensação.

  • FRETE E ENVIO

    Enviamos através dos Correios para todo o Brasil.

    As despesas com retirada e remessa dos lotes, são de responsabilidade dos arrematantes.

    Em caso de envio por transportadoras, esta deverá ser providenciada pelo Arrematante.