Item 372 de 655 Itens
Arte Sacra

SANTA DO PAU OCO - RARA IMAGEM EM MADEIRA DOURADA E POLICROMADA REPRESENTANDO NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO. DITA SANTA DO PAU OCO. POSSUI SOB A BASE ESCONDERIJO ESCAVADO PARA GUARDA DE VALORES COM TAMPA DE DISFARCE. MINAS GERAIS, SEC. XVIII/XIX. 18 CM DE ALTURANOTA: SALOMÃO DE VASCONCELOS, que foi Vice Presidente do Instituto Geográfico de Minas Gerais deleita-nos com essa interessante crônica: Há cerca de vinte anos, pesquisando os velhos arquivos de Mariana do tempo do ouro, encontrei por acaso, amarrados em maços em cima de uma das estantes e ali deixados talvez por esquecimento, vários e interessantes alfarrábios. Abrindo um desses maços por curiosidade, vi que se tratava da descrição de uma antiga fortaleza à margem do rio das Velhas, nas proximidades da fazenda do Jaguará. O fim a que se destinava essa praça de guerra, como diziam os documentos e alguns gráficos, era interceptar, à noite e durante os dias, as embarcações que desciam o rio, rumo ao São Francisco, à Bahia e outros pontos, conduzindo forte contrabando do ouro, através de artefatos adredes preparados e principalmente dos chamados santos do pau ôco, então muito em uso. De posse desses documentos, fiz uma descrição completa da fortaleza, que publiquei nos jornais, transcrevendo o seu minucioso Regulamento, citando o nome do Condestável, o número de praças, e reavivendo os gráficos e mais detalhes do curioso engenho bélico, que era situado à margem direita do rio das Velhas, com uma das pontas na amurada do rio. Tratava-se, como se vê, de uma sólida construção em triângulo, com o vértice para a margem do rio. Outra curiosidade, talvez ligada a essa: depois do meu citado artigo, fui convidado pela Diretoria do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, criado em 1943, para visitar a região do São Francisco até a Bahia, e colher documentos e objetos de valor histórico para o Patrimônio. Fiz longas viagens por ali . Revistei arquivos e armazenei para o mesmo Patrimônio farto e curioso documentário. Na minha primeira excursão, fiz pouso em Guaicuí, embocadura do rio das Velhas no São Francisco, onde tinha havido um grande e próspero arraial, vindo de 1663, de que foi fundador o baiano Antônio Guedes de Brito, introdutor da indústria pastoril em Minas Gerais, no tempo do terrível emboaba Manuel Nunes Viana. Agora, porém, achava-se o arraial em completa decadência, ostentando apenas quadras enormes de paredões enegrecidos, duas igrejas desabadas, só com o frontispício ereto e uma casinha modesta, onde residia ainda um velho vigário. Recebendo-me com amabilidade, contou-me ele vários detalhes e episódios da história do arraial no tempo do seu fastígio. Mostrou-me depois as bonitas imagens por ele conservadas, das duas igrejas derruídas. Em seguida, foi ao seu quarto e trouxe-me de lá, para que eu visse, um belo Crucifixo de marfim, peça realmente admirável. Achando eu leve demais, pelo tamanho, essa imagem, o velho sacerdote esboçou um sorriso e disse-me: "Passe a mão pela cabeça do santo, e verá por quê"... Fiz isso, e encontrei em cima uma tampinha, também de marfim. Tirando-a e olhando o Crucifixo por dentro, vi que era todo ôco. Ali estava, pois, ainda, um dos santos de pau ôco, de que se usava no tempo do contrabando do ouro... Era, pois, essa imagem, incontestavelmente, um dos disfarces adotado já de muito tempo, antes mesmo de existir a fortaleza do rio das Velhas. Esse leiloeiro da Dargent Leilões, tem também em sua coleção um pequeno oratório contendo em seu interior bela imagem em marfim, com um cofre escondido sob a base. Acredito que essas imagens eram muitas vezes utilizadas para esconder valores a fim de protege-los de ladrões.

Lote: 307

Visitas: 192

Tipo: Arte Sacra

SANTA DO PAU OCO - RARA IMAGEM EM MADEIRA DOURADA E POLICROMADA REPRESENTANDO NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO. DITA SANTA DO PAU OCO. POSSUI SOB A BASE ESCONDERIJO ESCAVADO PARA GUARDA DE VALORES COM TAMPA DE DISFARCE. MINAS GERAIS, SEC. XVIII/XIX. 18 CM DE ALTURANOTA: SALOMÃO DE VASCONCELOS, que foi Vice Presidente do Instituto Geográfico de Minas Gerais deleita-nos com essa interessante crônica: Há cerca de vinte anos, pesquisando os velhos arquivos de Mariana do tempo do ouro, encontrei por acaso, amarrados em maços em cima de uma das estantes e ali deixados talvez por esquecimento, vários e interessantes alfarrábios. Abrindo um desses maços por curiosidade, vi que se tratava da descrição de uma antiga fortaleza à margem do rio das Velhas, nas proximidades da fazenda do Jaguará. O fim a que se destinava essa praça de guerra, como diziam os documentos e alguns gráficos, era interceptar, à noite e durante os dias, as embarcações que desciam o rio, rumo ao São Francisco, à Bahia e outros pontos, conduzindo forte contrabando do ouro, através de artefatos adredes preparados e principalmente dos chamados santos do pau ôco, então muito em uso. De posse desses documentos, fiz uma descrição completa da fortaleza, que publiquei nos jornais, transcrevendo o seu minucioso Regulamento, citando o nome do Condestável, o número de praças, e reavivendo os gráficos e mais detalhes do curioso engenho bélico, que era situado à margem direita do rio das Velhas, com uma das pontas na amurada do rio. Tratava-se, como se vê, de uma sólida construção em triângulo, com o vértice para a margem do rio. Outra curiosidade, talvez ligada a essa: depois do meu citado artigo, fui convidado pela Diretoria do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, criado em 1943, para visitar a região do São Francisco até a Bahia, e colher documentos e objetos de valor histórico para o Patrimônio. Fiz longas viagens por ali . Revistei arquivos e armazenei para o mesmo Patrimônio farto e curioso documentário. Na minha primeira excursão, fiz pouso em Guaicuí, embocadura do rio das Velhas no São Francisco, onde tinha havido um grande e próspero arraial, vindo de 1663, de que foi fundador o baiano Antônio Guedes de Brito, introdutor da indústria pastoril em Minas Gerais, no tempo do terrível emboaba Manuel Nunes Viana. Agora, porém, achava-se o arraial em completa decadência, ostentando apenas quadras enormes de paredões enegrecidos, duas igrejas desabadas, só com o frontispício ereto e uma casinha modesta, onde residia ainda um velho vigário. Recebendo-me com amabilidade, contou-me ele vários detalhes e episódios da história do arraial no tempo do seu fastígio. Mostrou-me depois as bonitas imagens por ele conservadas, das duas igrejas derruídas. Em seguida, foi ao seu quarto e trouxe-me de lá, para que eu visse, um belo Crucifixo de marfim, peça realmente admirável. Achando eu leve demais, pelo tamanho, essa imagem, o velho sacerdote esboçou um sorriso e disse-me: "Passe a mão pela cabeça do santo, e verá por quê"... Fiz isso, e encontrei em cima uma tampinha, também de marfim. Tirando-a e olhando o Crucifixo por dentro, vi que era todo ôco. Ali estava, pois, ainda, um dos santos de pau ôco, de que se usava no tempo do contrabando do ouro... Era, pois, essa imagem, incontestavelmente, um dos disfarces adotado já de muito tempo, antes mesmo de existir a fortaleza do rio das Velhas. Esse leiloeiro da Dargent Leilões, tem também em sua coleção um pequeno oratório contendo em seu interior bela imagem em marfim, com um cofre escondido sob a base. Acredito que essas imagens eram muitas vezes utilizadas para esconder valores a fim de protege-los de ladrões.

Item 372 de 655 Itens
Termos e Condições
Condições de Pagamento
Frete e Envio
  • TERMOS E CONDIÇÕES

    1ª. As peças que compõem o presente LEILÃO, foram cuidadosamente examinadas pelos organizadores que, solidários com os proprietários das mesmas, se responsabilizam por suas descrições.

    2ª. Em caso eventual de engano na autenticidade de peças, comprovado por peritos idôneos, e mediante laudo assinado, ficará desfeita a venda, desde que a reclamação seja feita em até 5 dias após o término do leilão. Findo o prazo, não será mais admitidas quaisquer reclamação, considerando-se definitiva a venda.

    3ª. As peças estrangeiras serão sempre vendidas como Atribuídas.

    4ª. O Leiloeiro não é proprietário dos lotes, mas o faz em nome de terceiros, que são responsáveis pela licitude e desembaraço dos mesmos.

    5ª. Elaborou-se com esmero o catálogo, cujos lotes se acham descritos de modo objetivo. As peças serão vendidas NO ESTADO em que foram recebidas e expostas. Descrição de estado ou vícios decorrentes do uso será descrito dentro do possível, mas sem obrigação. Pelo que se solicita aos interessados ou seus peritos, prévio e detalhado exame até o dia do pregão. Depois da venda realizada não serão aceitas reclamações quanto ao estado das mesmas nem servirá de alegação para descumprir compromisso firmado.

    6ª. Os leilões obedecem rigorosamente à ordem do catalogo.

    7ª. Ofertas por escrito podem ser feitas antes dos leilões, ou autorizar a lançar em seu nome; o que será feito por funcionário autorizado.

    8ª. Os Organizadores colocarão a título de CORTESIA, de forma gratuita e confidencial, serviço de arrematação pelo telefone e Internet, sem que isto o obrigue legalmente perante falhas de terceiros.

    8.1. LANCES PELA INTERNET: O arrematante poderá efetuar lances automáticos, de tal maneira que, se outro arrematante cobrir sua oferta, o sistema automaticamente gerará um novo lance para aquele arrematante, acrescido do incremento mínimo, até o limite máximo estabelecido pelo arrematante. Os lances automáticos ficarão registrados no sistema com a data em que forem feitos. Os lances ofertados são IRREVOGÁVEIS e IRRETRATÁVEIS. O arrematante é responsável por todos os lances feitos em seu nome, pelo que os lances não podem ser anulados e/ou cancelados em nenhuma hipótese.

    8.2. Em caso de empate entre arrematantes que efetivaram lances no mesmo lote e de mesmo valor, prevalecerá vencedor aquele que lançou primeiro (data e hora do registro do lance no site), devendo ser considerado inclusive que o lance automático fica registrado na data em que foi feito. Para desempate, o lance automático prevalecerá sobre o lance manual.

    9ª. O Organizador se reserva o direito de não aceitar lances de licitante com obrigações pendentes.

    10ª. Adquiridas as peças e assinado pelo arrematante o compromisso de compra, NÃO MAIS SERÃO ADMITIDAS DESISTÊNCIAS sob qualquer alegação.

    11ª. O arremate será sempre em moeda nacional. A progressão dos lances, nunca inferior a 5% do anterior, e sempre em múltiplo de dez. Outro procedimento será sempre por licença do Leiloeiro; o que não cria novação.

    12ª. Em caso de litígio prevalece a palavra do Leiloeiro.

    13ª. As peças adquiridas deverão ser pagas e retiradas IMPRETERIVELMENTE em até 48 horas após o término do leilão, e serão acrescidas da comissão do Leiloeiro, (5%). Não sendo obedecido o prazo previsto, o Leiloeiro poderá dar por desfeita a venda e, por via de EXECUÇÃO JUDICIAL, cobrar sua comissão e a dos organizadores.

    14ª. As despesas com as remessas dos lotes adquiridos, caso estes não possam ser retirados, serão de inteira responsabilidade dos arrematantes. O cálculo de frete, serviços de embalagem e despacho das mercadorias deverão ser considerados como Cortesia e serão efetuados pelas Galerias e/ou Organizadores mediante prévia indicação da empresa responsável pelo transporte e respectivo pagamento dos custos de envio.

    15ª. Qualquer litígio referente ao presente leilão está subordinado à legislação brasileira e a jurisdição dos tribunais da cidade de Campinas - SP. Os casos omissos regem-se pela legislação pertinente, e em especial pelo Decreto 21.981, de 19 de outubro de 1932, Capítulo III, Arts. 19 a 43, com as alterações introduzidas pelo Decreto 22.427., de 1º. de fevereiro de 1933.

  • CONDIÇÕES DE PAGAMENTO

    A vista com acréscimo da taxa do leiloeiro de 5%.
    Através de depósito ou transferência bancária em conta a ser enviada por e-mail após o último dia do leilão.
    Não aceitamos cartões de crédito ou débito.
    O pagamento deverá ser efetuado até 72 horas após o término do leilão sob risco da venda ser desfeita.

  • FRETE E ENVIO

    As despesas com retirada e remessa dos lotes, são de responsabilidade dos arrematantes. Veja nas Condições de Venda do Leilão.
    Despachamos para todos os estados. A titulo de cortesia a casa poderá embrulhar as peças arrematadas e providenciar transportadora adequada

Lotes relacionados - Arte Sacra

Lote: 50A
Lote: 386
Lote: 387
Lote: 388
Lote: 389