Item 534 de 712 Itens
Porcelana

HENRIQUE HONORÉE DUMONT (1832 1892) BELISSIMA SOPEIRA EM PORCELANA COM MONOGRAMA HD ENTRELAÇADO. PERTENCEU AO SERVIÇO DE HENRIQUE HONORÈE DUMONT CONHECIDO COMO O REI DO CAFÉ PAI DE ALBERTO SANTOS DUMONT O GRANDE BRASILEIRO INVENTOR DO AVIÃO. PORCELANA BRANCA, COM BORDAS EM OURO. ELEGANTES ALÇAS LATERAIS. FRANÇA, SEC. XIX. 35 CM DE DIAMETRO.NOTA: Henrique Dumont (Diamantina, 20 de julho de 1832 Rio de Janeiro, 30 de agosto de 1892) foi um engenheiro e cafeicultor brasileiro e pai de Alberto Santos Dumont. Filho de imigrantes franceses, é considerado um dos três reis do café da sua época, introduzindo métodos modernos na cafeicultura. A família de Henrique era proveniente da França. Seu avô era um ourives que tinha uma filha chamada Eufrásia Honoré, que se casou com François Dumont. O sogro, convenceu o genro, François, a vir para o Brasil a procura de pedras preciosas, que alimentariam sua indústria. No Brasil o casal teve três filhos, sendo que o segundo foi Henrique Dumont. O pai de Henrique Dumont faleceu cedo, ajudado por seu padrinho formou-se engenheiro na Escola de Artes e Ofícios de Paris (o equivalente atual da Faculdade de Engenharia). Se formado com apenas 21 anos de idade, voltou ao Brasil e passou a prestar serviços à Prefeitura de Ouro Preto. Henrique Dumont e sua esposa Francisca Santos, filha do Comendador Francisco da Paula Santos, casaram-se à 6 de setembro de 1856, na Freguesia de Nossa Senhora do Pilar, em Ouro Preto. Durante o Império de Dom Pedro II, foi encarregado, em 1872, de construir um trecho da Estrada de Ferro Central do Brasil em Minas Gerais, na subida da Serra da Mantiqueira. Com o canteiro de obras fixado na localidade de Cabangu, a família se instalou em uma fazenda próxima; neste local, em 1873, nasceria no mesmo dia em que o pai completou 41 anos, o seu filho mais ilustre: Alberto Santos Dumont. Quando a ferrovia foi concluída, Henrique Dumont decidiu dedicar-se ao cultivo do café. Sai de Minas Gerais e vai para o município de Valença, no Rio de Janeiro; nesta região, seu filho Santos Dumont, foi batizado em 1877 na Paróquia de Santa Tereza, atual município de Rio das Flores. Buscando terras mais apropriadas ao cultivo do café, muda-se para Ribeirão Preto, em São Paulo, e instala-se na Fazenda Arindeuva. A sua nova fazenda progrediu muito pois aí aplicou seus conhecimentos de engenharia e estimulou a produção com uma série de inovações. Chegou a ser a mais moderna da América do Sul, com cinco milhões de pés de café, 96 quilômetros de ferrovias e sete locomotivas. Em em 1883 foi inaugurado um ramal da Estrada de Ferro Mogiana até Ribeirão Preto, obtido por reivindicação de Henrique Dumont; este ramal foi fundamental para o escoamento da produção e para o desenvolvimento da região, trazendo centenas de imigrantes, principalmente italianos, que logo substituíram a mão-de-obra escrava. Ajudou na criação do primeiro carro a gasolina junto com Henry Ford. Em 1890, caiu da charrete numa de suas fazendas e o acidente o deixou hemiplégico. Posteriormente, em 1891, em consequência do tratamento, vendeu suas fazendas e partiu para a Europa com sua família. Pouco antes de morrer, em 1891, Henrique emancipou os seus filhos menores e entregou a cada um sua parte na herança. Ao seu filho Alberto Santos Dumont teria dito "Desista de ser doutor, vá estudar mecânica" Aos 60 anos, em 30 de Agosto de 1892, morre na cidade do Rio de Janeiro.

content image 0
content image 1
content image 2
content image 3
content image 4
content image 5
content image 6

Lote: 436

Visitas: 108

Tipo: Porcelana

HENRIQUE HONORÉE DUMONT (1832 1892) BELISSIMA SOPEIRA EM PORCELANA COM MONOGRAMA HD ENTRELAÇADO. PERTENCEU AO SERVIÇO DE HENRIQUE HONORÈE DUMONT CONHECIDO COMO O REI DO CAFÉ PAI DE ALBERTO SANTOS DUMONT O GRANDE BRASILEIRO INVENTOR DO AVIÃO. PORCELANA BRANCA, COM BORDAS EM OURO. ELEGANTES ALÇAS LATERAIS. FRANÇA, SEC. XIX. 35 CM DE DIAMETRO.NOTA: Henrique Dumont (Diamantina, 20 de julho de 1832 Rio de Janeiro, 30 de agosto de 1892) foi um engenheiro e cafeicultor brasileiro e pai de Alberto Santos Dumont. Filho de imigrantes franceses, é considerado um dos três reis do café da sua época, introduzindo métodos modernos na cafeicultura. A família de Henrique era proveniente da França. Seu avô era um ourives que tinha uma filha chamada Eufrásia Honoré, que se casou com François Dumont. O sogro, convenceu o genro, François, a vir para o Brasil a procura de pedras preciosas, que alimentariam sua indústria. No Brasil o casal teve três filhos, sendo que o segundo foi Henrique Dumont. O pai de Henrique Dumont faleceu cedo, ajudado por seu padrinho formou-se engenheiro na Escola de Artes e Ofícios de Paris (o equivalente atual da Faculdade de Engenharia). Se formado com apenas 21 anos de idade, voltou ao Brasil e passou a prestar serviços à Prefeitura de Ouro Preto. Henrique Dumont e sua esposa Francisca Santos, filha do Comendador Francisco da Paula Santos, casaram-se à 6 de setembro de 1856, na Freguesia de Nossa Senhora do Pilar, em Ouro Preto. Durante o Império de Dom Pedro II, foi encarregado, em 1872, de construir um trecho da Estrada de Ferro Central do Brasil em Minas Gerais, na subida da Serra da Mantiqueira. Com o canteiro de obras fixado na localidade de Cabangu, a família se instalou em uma fazenda próxima; neste local, em 1873, nasceria no mesmo dia em que o pai completou 41 anos, o seu filho mais ilustre: Alberto Santos Dumont. Quando a ferrovia foi concluída, Henrique Dumont decidiu dedicar-se ao cultivo do café. Sai de Minas Gerais e vai para o município de Valença, no Rio de Janeiro; nesta região, seu filho Santos Dumont, foi batizado em 1877 na Paróquia de Santa Tereza, atual município de Rio das Flores. Buscando terras mais apropriadas ao cultivo do café, muda-se para Ribeirão Preto, em São Paulo, e instala-se na Fazenda Arindeuva. A sua nova fazenda progrediu muito pois aí aplicou seus conhecimentos de engenharia e estimulou a produção com uma série de inovações. Chegou a ser a mais moderna da América do Sul, com cinco milhões de pés de café, 96 quilômetros de ferrovias e sete locomotivas. Em em 1883 foi inaugurado um ramal da Estrada de Ferro Mogiana até Ribeirão Preto, obtido por reivindicação de Henrique Dumont; este ramal foi fundamental para o escoamento da produção e para o desenvolvimento da região, trazendo centenas de imigrantes, principalmente italianos, que logo substituíram a mão-de-obra escrava. Ajudou na criação do primeiro carro a gasolina junto com Henry Ford. Em 1890, caiu da charrete numa de suas fazendas e o acidente o deixou hemiplégico. Posteriormente, em 1891, em consequência do tratamento, vendeu suas fazendas e partiu para a Europa com sua família. Pouco antes de morrer, em 1891, Henrique emancipou os seus filhos menores e entregou a cada um sua parte na herança. Ao seu filho Alberto Santos Dumont teria dito "Desista de ser doutor, vá estudar mecânica" Aos 60 anos, em 30 de Agosto de 1892, morre na cidade do Rio de Janeiro.

Item 534 de 712 Itens
Termos e Condições
Condições de Pagamento
Frete e Envio
  • TERMOS E CONDIÇÕES

    1ª. As peças que compõem o presente LEILÃO, foram cuidadosamente examinadas pelos organizadores que, solidários com os proprietários das mesmas, se responsabilizam por suas descrições.

    2ª. Em caso eventual de engano na autenticidade de peças, comprovado por peritos idôneos, e mediante laudo assinado, ficará desfeita a venda, desde que a reclamação seja feita em até 5 dias após o término do leilão. Findo o prazo, não será mais admitidas quaisquer reclamação, considerando-se definitiva a venda.

    3ª. As peças estrangeiras serão sempre vendidas como Atribuídas.

    4ª. O Leiloeiro não é proprietário dos lotes, mas o faz em nome de terceiros, que são responsáveis pela licitude e desembaraço dos mesmos.

    5ª. Elaborou-se com esmero o catálogo, cujos lotes se acham descritos de modo objetivo. As peças serão vendidas NO ESTADO em que foram recebidas e expostas. Descrição de estado ou vícios decorrentes do uso será descrito dentro do possível, mas sem obrigação. Pelo que se solicita aos interessados ou seus peritos, prévio e detalhado exame até o dia do pregão. Depois da venda realizada não serão aceitas reclamações quanto ao estado das mesmas nem servirá de alegação para descumprir compromisso firmado.

    6ª. Os leilões obedecem rigorosamente à ordem do catalogo.

    7ª. Ofertas por escrito podem ser feitas antes dos leilões, ou autorizar a lançar em seu nome; o que será feito por funcionário autorizado.

    8ª. Os Organizadores colocarão a título de CORTESIA, de forma gratuita e confidencial, serviço de arrematação pelo telefone e Internet, sem que isto o obrigue legalmente perante falhas de terceiros.

    8.1. LANCES PELA INTERNET: O arrematante poderá efetuar lances automáticos, de tal maneira que, se outro arrematante cobrir sua oferta, o sistema automaticamente gerará um novo lance para aquele arrematante, acrescido do incremento mínimo, até o limite máximo estabelecido pelo arrematante. Os lances automáticos ficarão registrados no sistema com a data em que forem feitos. Os lances ofertados são IRREVOGÁVEIS e IRRETRATÁVEIS. O arrematante é responsável por todos os lances feitos em seu nome, pelo que os lances não podem ser anulados e/ou cancelados em nenhuma hipótese.

    8.2. Em caso de empate entre arrematantes que efetivaram lances no mesmo lote e de mesmo valor, prevalecerá vencedor aquele que lançou primeiro (data e hora do registro do lance no site), devendo ser considerado inclusive que o lance automático fica registrado na data em que foi feito. Para desempate, o lance automático prevalecerá sobre o lance manual.

    9ª. O Organizador se reserva o direito de não aceitar lances de licitante com obrigações pendentes.

    10ª. Adquiridas as peças e assinado pelo arrematante o compromisso de compra, NÃO MAIS SERÃO ADMITIDAS DESISTÊNCIAS sob qualquer alegação.

    11ª. O arremate será sempre em moeda nacional. A progressão dos lances, nunca inferior a 5% do anterior, e sempre em múltiplo de dez. Outro procedimento será sempre por licença do Leiloeiro; o que não cria novação.

    12ª. Em caso de litígio prevalece a palavra do Leiloeiro.

    13ª. As peças adquiridas deverão ser pagas e retiradas IMPRETERIVELMENTE em até 48 horas após o término do leilão, e serão acrescidas da comissão do Leiloeiro, (5%). Não sendo obedecido o prazo previsto, o Leiloeiro poderá dar por desfeita a venda e, por via de EXECUÇÃO JUDICIAL, cobrar sua comissão e a dos organizadores.

    14ª. As despesas com as remessas dos lotes adquiridos, caso estes não possam ser retirados, serão de inteira responsabilidade dos arrematantes. O cálculo de frete, serviços de embalagem e despacho das mercadorias deverão ser considerados como Cortesia e serão efetuados pelas Galerias e/ou Organizadores mediante prévia indicação da empresa responsável pelo transporte e respectivo pagamento dos custos de envio.

    15ª. Qualquer litígio referente ao presente leilão está subordinado à legislação brasileira e a jurisdição dos tribunais da cidade de Campinas - SP. Os casos omissos regem-se pela legislação pertinente, e em especial pelo Decreto 21.981, de 19 de outubro de 1932, Capítulo III, Arts. 19 a 43, com as alterações introduzidas pelo Decreto 22.427., de 1º. de fevereiro de 1933.

  • CONDIÇÕES DE PAGAMENTO

    A vista com acréscimo da taxa do leiloeiro de 5%.
    Através de depósito ou transferência bancária em conta a ser enviada por e-mail após o último dia do leilão.
    Não aceitamos cartões de crédito ou débito.
    O pagamento deverá ser efetuado até 72 horas após o término do leilão sob risco da venda ser desfeita.

  • FRETE E ENVIO

    As despesas com retirada e remessa dos lotes, são de responsabilidade dos arrematantes. Veja nas Condições de Venda do Leilão.
    Despachamos para todos os estados. A titulo de cortesia a casa poderá embrulhar as peças arrematadas e providenciar transportadora adequada

Lotes relacionados - Porcelana

Lote: 439
Lote: 440
Lote: 441
Lote: 442
Lote: 454