Item 59 de 462 Itens
Arte Sacra

PRECIOSA CAIXA PORTA HÓSTIAS/PÍXIDE DE VIAGEM DA REGIÃO MISSIONEIRA SEGUINDO SUA TRADIÇÃO DE MANUFATURA. PERTENCENTE A IRMANDADE DAS BENDITAS ALMAS DO PURGATÓRIO. GRANDE E PESADA, É DECORADA NA TAMPA COM CRISTO CRUCIFICADO. NO ALTO DA CRUZ REPRESENTAÇAO DO PAI ETERNO E DIVINO ESPÍRITO SANTO ALADOS POR ANJOS. ANJOS TAMBÉM NAS EXTREMIDADES LATERAIS DA CRUZ E NA BASE. DUAS ALMAS DO PURGATÓRIO SÃO REPRESENTADAS UMA A ESQUERDA E OUTRA A DIREITA DA CRUZ. A TAMPA TINHA FUNÇÃO DE ALTAR PARA CELEBRAÇÃO. SOB A BASE INSCRIÇÃO QUE MISTURA PORTUGUES E ESPANHOL COM A INFORMAÇÃO DE QUE A OBRA CUSTOU 50 RÉIS E FOI DADA AO MESTRE MACHADO NO ANNO DE 1865 PELO MORDOMO DA IRMANDADE. CINZELADOS FITOMORMOS ADORNAM A TAMPA. FRISOS HORIZONTAIS DECORAM AS LATERAIS. PEÇA EXTRAORDINÁRIA, DIGNA DE MUSEU! BRASIL, SEC. XIX. 19 X 12 CM. 592 GNOTA: Sete Povos da MissõesouMissões Orientaissão sete aldeamentos habitados antigamente pelos indígenas e fundado pelos jesuítas na região que é hoje o estado do Rio Grande do Sul.Era composto pelasreduções de: São Francisco de Borja, São Nicolau, São Miguel Arcanjo, São Lourenço Mártir, São João Batista, São Luiz Gonzagae Santo Ângelo Custódio. Os Sete Povos também são conhecidos comoMissões Orientais, por estarem localizados a leste doRio Uruguai. As reduções jesuíticas, também chamadas povos, doutrinas ou missões, eram povoados em que os padres da Companhia de Jesus (ou jesuítas) reuniam indígenas com o objetivo de convertê-los à religião católica e formar comunidades autossustentáveis. No século XVIII, a região estava sob disputa entre Espanha e Portugal. OTratado de Madride1750havia posto a área à disposição de Portugal em troca daColônia do Sacramento, e a saída dos Jesuítas espanhóis ali ficou decretada. Mas este Tratado gerou conflitos: nem padres nem índios queriam abandonar suas reduções, nem os portugueses queriam abandonar o Sacramento. Houve uma série de confrontos armados que culminaram naGuerra Guaranítica, que deixou um rastro de destruição e sangue que abalou as estruturas do sistema missioneiro. Logo depois veio o fim: com a intensa campanha difamatória que os Jesuítas sofreram a partir de meados doséculo XVIII, a Companhia de Jesus foi expulsa de terras portuguesas em1759, e em1767aEspanhafez o mesmo. No ano seguinte todas as reduções foram esvaziadas, com a retirada final dos Jesuítas. Então suas terras foram apossadas pelos espanhóis e os índios foram subjugados ou dispersos. Quando em1801eclodiunova guerraentre Portugal e Espanha, os Sete Povos já estavam em tal estado de desintegração que com apenas 40 homensManuel dos Santos PedrosoeJosé Borges do Cantoconseguiram conquistá-los para Portugal, embora pareça ter havido a participação indígena como facilitadora da tomada de posse.Depois disso Portugal anexou o território aoRio Grande do Sul, instalando um governo militar na região, encerrando todo um ciclo civilizatório e dando início a outro. Os Sete Povos fazem parte de um importante capítulo da história do Rio Grande do Sul. Deram origem a cidades prósperas, auxiliaram na delimitação de fronteiras, e foram tema para a formação de um grandefolcloreregionalista de tom heroico em torno das figuras dos padres e dos índios, dentre os quais em especialSepé Tiaraju. A cultura desenvolvida nestes centros chegou a alto nível de complexidade em termos dearte,urbanismoe harmonia social. Os sinais deixados pelos Sete Povos das Missões foram fortes e permanecem em formas de ruínas, marcas arquitetônicas, fronteiras, costumes e lendas da região. Suas relíquias ainda podem ser vistas nos sítios arqueológicos e nos museus regionais. Sua importância é digna da atenção da UNESCO, e o acervo de estatuária que se preservou e está espalhado em coleções privadas e públicas é hoje patrimônio nacional tombado peloIPHAN. (http://www.portaldovillarino.com.br/desvendando-sete-povos-das-missoes-no-rio-grande-do-sul-por-marcos-cohen/)

content image 0
content image 1
content image 2
content image 3
content image 4
content image 5
content image 6

Lote: 39

Visitas: 86

Tipo: Arte Sacra

PRECIOSA CAIXA PORTA HÓSTIAS/PÍXIDE DE VIAGEM DA REGIÃO MISSIONEIRA SEGUINDO SUA TRADIÇÃO DE MANUFATURA. PERTENCENTE A IRMANDADE DAS BENDITAS ALMAS DO PURGATÓRIO. GRANDE E PESADA, É DECORADA NA TAMPA COM CRISTO CRUCIFICADO. NO ALTO DA CRUZ REPRESENTAÇAO DO PAI ETERNO E DIVINO ESPÍRITO SANTO ALADOS POR ANJOS. ANJOS TAMBÉM NAS EXTREMIDADES LATERAIS DA CRUZ E NA BASE. DUAS ALMAS DO PURGATÓRIO SÃO REPRESENTADAS UMA A ESQUERDA E OUTRA A DIREITA DA CRUZ. A TAMPA TINHA FUNÇÃO DE ALTAR PARA CELEBRAÇÃO. SOB A BASE INSCRIÇÃO QUE MISTURA PORTUGUES E ESPANHOL COM A INFORMAÇÃO DE QUE A OBRA CUSTOU 50 RÉIS E FOI DADA AO MESTRE MACHADO NO ANNO DE 1865 PELO MORDOMO DA IRMANDADE. CINZELADOS FITOMORMOS ADORNAM A TAMPA. FRISOS HORIZONTAIS DECORAM AS LATERAIS. PEÇA EXTRAORDINÁRIA, DIGNA DE MUSEU! BRASIL, SEC. XIX. 19 X 12 CM. 592 GNOTA: Sete Povos da MissõesouMissões Orientaissão sete aldeamentos habitados antigamente pelos indígenas e fundado pelos jesuítas na região que é hoje o estado do Rio Grande do Sul.Era composto pelasreduções de: São Francisco de Borja, São Nicolau, São Miguel Arcanjo, São Lourenço Mártir, São João Batista, São Luiz Gonzagae Santo Ângelo Custódio. Os Sete Povos também são conhecidos comoMissões Orientais, por estarem localizados a leste doRio Uruguai. As reduções jesuíticas, também chamadas povos, doutrinas ou missões, eram povoados em que os padres da Companhia de Jesus (ou jesuítas) reuniam indígenas com o objetivo de convertê-los à religião católica e formar comunidades autossustentáveis. No século XVIII, a região estava sob disputa entre Espanha e Portugal. OTratado de Madride1750havia posto a área à disposição de Portugal em troca daColônia do Sacramento, e a saída dos Jesuítas espanhóis ali ficou decretada. Mas este Tratado gerou conflitos: nem padres nem índios queriam abandonar suas reduções, nem os portugueses queriam abandonar o Sacramento. Houve uma série de confrontos armados que culminaram naGuerra Guaranítica, que deixou um rastro de destruição e sangue que abalou as estruturas do sistema missioneiro. Logo depois veio o fim: com a intensa campanha difamatória que os Jesuítas sofreram a partir de meados doséculo XVIII, a Companhia de Jesus foi expulsa de terras portuguesas em1759, e em1767aEspanhafez o mesmo. No ano seguinte todas as reduções foram esvaziadas, com a retirada final dos Jesuítas. Então suas terras foram apossadas pelos espanhóis e os índios foram subjugados ou dispersos. Quando em1801eclodiunova guerraentre Portugal e Espanha, os Sete Povos já estavam em tal estado de desintegração que com apenas 40 homensManuel dos Santos PedrosoeJosé Borges do Cantoconseguiram conquistá-los para Portugal, embora pareça ter havido a participação indígena como facilitadora da tomada de posse.Depois disso Portugal anexou o território aoRio Grande do Sul, instalando um governo militar na região, encerrando todo um ciclo civilizatório e dando início a outro. Os Sete Povos fazem parte de um importante capítulo da história do Rio Grande do Sul. Deram origem a cidades prósperas, auxiliaram na delimitação de fronteiras, e foram tema para a formação de um grandefolcloreregionalista de tom heroico em torno das figuras dos padres e dos índios, dentre os quais em especialSepé Tiaraju. A cultura desenvolvida nestes centros chegou a alto nível de complexidade em termos dearte,urbanismoe harmonia social. Os sinais deixados pelos Sete Povos das Missões foram fortes e permanecem em formas de ruínas, marcas arquitetônicas, fronteiras, costumes e lendas da região. Suas relíquias ainda podem ser vistas nos sítios arqueológicos e nos museus regionais. Sua importância é digna da atenção da UNESCO, e o acervo de estatuária que se preservou e está espalhado em coleções privadas e públicas é hoje patrimônio nacional tombado peloIPHAN. (http://www.portaldovillarino.com.br/desvendando-sete-povos-das-missoes-no-rio-grande-do-sul-por-marcos-cohen/)

Item 59 de 462 Itens
Termos e Condições
Condições de Pagamento
Frete e Envio
  • TERMOS E CONDIÇÕES

    1ª. As peças que compõem o presente LEILÃO, foram cuidadosamente examinadas pelos organizadores que, solidários com os proprietários das mesmas, se responsabilizam por suas descrições.

    2ª. Em caso eventual de engano na autenticidade de peças, comprovado por peritos idôneos, e mediante laudo assinado, ficará desfeita a venda, desde que a reclamação seja feita em até 5 dias após o término do leilão. Findo o prazo, não será mais admitidas quaisquer reclamação, considerando-se definitiva a venda.

    3ª. As peças estrangeiras serão sempre vendidas como Atribuídas.

    4ª. O Leiloeiro não é proprietário dos lotes, mas o faz em nome de terceiros, que são responsáveis pela licitude e desembaraço dos mesmos.

    5ª. Elaborou-se com esmero o catálogo, cujos lotes se acham descritos de modo objetivo. As peças serão vendidas NO ESTADO em que foram recebidas e expostas. Descrição de estado ou vícios decorrentes do uso será descrito dentro do possível, mas sem obrigação. Pelo que se solicita aos interessados ou seus peritos, prévio e detalhado exame até o dia do pregão. Depois da venda realizada não serão aceitas reclamações quanto ao estado das mesmas nem servirá de alegação para descumprir compromisso firmado.

    6ª. Os leilões obedecem rigorosamente à ordem do catalogo.

    7ª. Ofertas por escrito podem ser feitas antes dos leilões, ou autorizar a lançar em seu nome; o que será feito por funcionário autorizado.

    8ª. Os Organizadores colocarão a título de CORTESIA, de forma gratuita e confidencial, serviço de arrematação pelo telefone e Internet, sem que isto o obrigue legalmente perante falhas de terceiros.

    8.1. LANCES PELA INTERNET: O arrematante poderá efetuar lances automáticos, de tal maneira que, se outro arrematante cobrir sua oferta, o sistema automaticamente gerará um novo lance para aquele arrematante, acrescido do incremento mínimo, até o limite máximo estabelecido pelo arrematante. Os lances automáticos ficarão registrados no sistema com a data em que forem feitos. Os lances ofertados são IRREVOGÁVEIS e IRRETRATÁVEIS. O arrematante é responsável por todos os lances feitos em seu nome, pelo que os lances não podem ser anulados e/ou cancelados em nenhuma hipótese.

    8.2. Em caso de empate entre arrematantes que efetivaram lances no mesmo lote e de mesmo valor, prevalecerá vencedor aquele que lançou primeiro (data e hora do registro do lance no site), devendo ser considerado inclusive que o lance automático fica registrado na data em que foi feito. Para desempate, o lance automático prevalecerá sobre o lance manual.

    9ª. O Organizador se reserva o direito de não aceitar lances de licitante com obrigações pendentes.

    10ª. Adquiridas as peças e assinado pelo arrematante o compromisso de compra, NÃO MAIS SERÃO ADMITIDAS DESISTÊNCIAS sob qualquer alegação.

    11ª. O arremate será sempre em moeda nacional. A progressão dos lances, nunca inferior a 5% do anterior, e sempre em múltiplo de dez. Outro procedimento será sempre por licença do Leiloeiro; o que não cria novação.

    12ª. Em caso de litígio prevalece a palavra do Leiloeiro.

    13ª. As peças adquiridas deverão ser pagas e retiradas IMPRETERIVELMENTE em até 48 horas após o término do leilão, e serão acrescidas da comissão do Leiloeiro, (5%). Não sendo obedecido o prazo previsto, o Leiloeiro poderá dar por desfeita a venda e, por via de EXECUÇÃO JUDICIAL, cobrar sua comissão e a dos organizadores.

    14ª. As despesas com as remessas dos lotes adquiridos, caso estes não possam ser retirados, serão de inteira responsabilidade dos arrematantes. O cálculo de frete, serviços de embalagem e despacho das mercadorias deverão ser considerados como Cortesia e serão efetuados pelas Galerias e/ou Organizadores mediante prévia indicação da empresa responsável pelo transporte e respectivo pagamento dos custos de envio.

    15ª. Qualquer litígio referente ao presente leilão está subordinado à legislação brasileira e a jurisdição dos tribunais da cidade de Campinas - SP. Os casos omissos regem-se pela legislação pertinente, e em especial pelo Decreto 21.981, de 19 de outubro de 1932, Capítulo III, Arts. 19 a 43, com as alterações introduzidas pelo Decreto 22.427., de 1º. de fevereiro de 1933.

  • CONDIÇÕES DE PAGAMENTO

    A vista com acréscimo da taxa do leiloeiro de 5%.
    Através de depósito ou transferência bancária em conta a ser enviada por e-mail após o último dia do leilão.
    Não aceitamos cartões de crédito ou débito.
    O pagamento deverá ser efetuado até 72 horas após o término do leilão sob risco da venda ser desfeita.

  • FRETE E ENVIO

    As despesas com retirada e remessa dos lotes, são de responsabilidade dos arrematantes. Veja nas Condições de Venda do Leilão.
    Despachamos para todos os estados. A titulo de cortesia a casa poderá embrulhar as peças arrematadas e providenciar transportadora adequada

Lotes relacionados - Arte Sacra

Lote: 41
Lote: 42
Lote: 43
Lote: 44
Lote: 45